jovens no instagram
Mais de 40 por cento dos usuários do Instagram têm 22 anos ou menos. Cerca de 22 milhões de adolescentes se conectam ao Instagram nos EUA todos os dias.

O modelo de negócios do Instagram sacrifica deliberadamente a saúde e a felicidade de seus usuários para gerar engajamento e lucro. Sabemos que a geração mais jovem moldará o futuro — as apostas são muito altas para que o status quo continue.

Eu tinha 13 anos quando meus pais falaram a tão esperada frase: “Sim, você pode acessar o Instagram”. Eu não tinha ideia de no que estava me metendo — mas o Instagram sim. A plataforma prioriza o aumento do número de seus usuários e de sua renda em detrimento da proteção da saúde mental e do bem-estar de seus usuários. Isso deve mudar.

Como várias fontes de notícias revelaram recentemente, o Instagram e sua empresa-mãe, o Facebook, estão totalmente cientes dos danos que inflige a seus usuários, especialmente adolescentes. Sua plataforma meticulosamente projetada tem como alvo nossas inseguranças, alimenta comparações prejudiciais e define expectativas irrealistas, convidando os adolescentes para a armadilha da dúvida. De muitas maneiras, o Instagram sequestra nossas habilidades de cuidar de nós mesmos.

Como uma aluna do oitavo ano, rapidamente comecei a desejar a tela colorida do Instagram, apesar de saber que ela poderia me trazer lágrimas tão facilmente quanto um sorriso. Gradualmente, a mídia social passou a dominar minha vida fora do aplicativo.

Ao longo do ano letivo, eu passava horas editando maquiagem em selfies e percorrendo sem pensar as postagens de estranhos em vez de fazer o dever de casa, sentia quase uma dor física se um amigo não me seguisse de volta e chegava atrasada para atividades com outras pessoas porque esperava para ver se o garoto de quem eu gostava tinha me respondido. Quando estava de férias, me afastei de minha família extensa, optando por me esconder em meu quarto em vez de brincar, rir e interagir com algumas de minhas pessoas favoritas. Repetidamente, sacrifiquei meu autocuidado e experiências significativas, para o escape fácil do Instagram. Minhas conexões com amigos e família se deterioraram e meu bem-estar geral despencou.

Minhas experiências com o Instagram são similares às de milhares de jovens. Os adolescentes estão em uma das fases mais vulneráveis da vida. À medida que simultaneamente exploramos nossa própria identidade e navegamos pelas complexidades escolares e de relacionamentos, somos bombardeados com imagens que minam nossa confiança e intensificam o estresse e a ansiedade.

Por meio do meu trabalho como ativista juvenil de bem-estar digital, conectei-me com centenas de adolescentes que, como eu, sentem que a mídia social agrava profundamente seus problemas relacionados à saúde mental. Esses impactos de longo alcance agora são comprovados pela própria pesquisa do Facebook. O modelo de negócios do Instagram sacrifica deliberadamente a saúde e a felicidade de seus usuários para gerar engajamento e lucro. Em um país onde sabemos que a geração mais jovem moldará o futuro de nossa sociedade, as apostas são muito altas para que esse status quo continue.

Após 15 meses no Instagram, cliquei no botão “Excluir sua conta”. Passei todos os anos do ensino médio sem uma conta pessoal no Instagram. No meu primeiro mês de faculdade, tive que anunciar inúmeras vezes que não tenho Snapchat, TikTok ou Instagram. Eu vejo surpresa e confusão cruzando os olhos das pessoas e então… desaparece. Dou meu número a eles e enviamos uma mensagem para nos encontrarmos para almoçar, desenvolvendo uma rede social pessoal. Na ausência da atratividade e das pressões do Instagram, meu bem-estar floresceu, e acredito que muitos outros adolescentes sentiriam os mesmos efeitos voltando atrás e recusando as estratégias voltadas para o lucro e autoatendimento da plataforma.

A mídia social não deve ser o cerne da adolescência. Quero que os jovens reaprendam que podemos ficar bem sem o Instagram, lembrando que os seres humanos evoluíram para lidar com o desconforto, encontrar conexões em espaços desconhecidos e se adaptar a novas situações.

Quero que você, Instagram, nos lembre disso também. Use seu poder para apoiar o crescimento socioemocional dos adolescentes e alavancar a inclusão. Pare de empregar algoritmos que nos miram em nossos momentos mais vulneráveis. Preencha a página “Explorar” com conteúdo promovendo diversidade e positividade. Cancele — não simplesmente pause — seus planos de desenvolver o Instagram Youth. Use a pesquisa que você reuniu para parar de galvanizar danos e, em vez disso, crie maneiras de continuar sua trajetória sem ferir os jovens.

Somos apenas crianças, Instagram. Deixe a gente ser criança.


Por: Aliza Kopans, para a Ms. Magazine [Original]

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui