Globalização, Alimentação e Mulheres: entrevista com Vandana Shiva
Globalização, Alimentação e Mulheres: entrevista com Vandana Shiva

Conheci Vandana Shiva no aeroporto. Quando as portas deslizantes automáticas no portão de desembarque revelaram seu carrinho de bagagem e seu sari laranja, eu meio que esperava que um raio de luz a iluminasse, tal é a lenda que a rodeia. É claro que não aconteceu porque Vandana Shiva é apenas um ser humano e não uma santa. Mas que ser humano ela é!

Depois de estudar Física em sua graduação, ela fez seu mestrado em Filosofia e seu doutorado em Física Quântica. (Ela também recebeu um doutorado honorário da Universidade de Guelph). Em 1982, ela criou a Fundação de Pesquisa em Ciência, Tecnologia e Ecologia, onde pesquisadores trabalham com comunidades locais e movimentos sociais para tratar de importantes questões ecológicas e sociais. Em 1991, ela estabeleceu Navdanya, um movimento para proteger a diversidade de recursos vivos, especialmente sementes, e defender a agricultura orgânica e o comércio justo. E, como um relógio, mais ou menos uma década depois, ela fundou a Bija Vidyapeeth, uma faculdade de vida sustentável. Lecionou em universidades, escreveu livros e atua no conselho de várias organizações focadas em mulheres, agricultura orgânica e direitos internacionais de propriedade, entre outras questões. Ela agora está trabalhando com o governo do Butão para garantir que o país seja 100% orgânico.

Então, por que ela estava falando comigo? Bem, ela não estava na verdade. Ela voou de Nova Délhi para Toronto para dar uma palestra em sua antiga alma mater sobre “O Direito à Alimentação — Mulheres, Desenvolvimento e Economia Global”. Tive a sorte de conversar com ela no carro.

Entendo que em muitas fazendas na Índia, as mulheres são responsáveis ​​por semear e fazer colheitas, na finalidade doméstica da produção de alimentos. Você viu um aumento no envolvimento de mulheres na vida pública, no marketing e na distribuição de alimentos?

Ah, sim. Sabe, existem mercados de vegetais onde só estão mulheres. Em Bangalore, onde passei três anos, eu caminhava pelo mercado local todas as noites e eram todas mulheres vendendo legumes. E elas cultivavam seus próprios vegetais. E o mercado em Manipur, apenas mulheres! E elas estão lá protestando porque querem derrubar o mercado para criar uma estrada que atravessa o nordeste da Índia, Birmânia e China para movimentar mercadorias.

A agricultura e a alimentação são a economia das mulheres… até serem sequestradas pelas corporações.

Em geral, a única coisa que os homens fazem na agricultura tradicional é plantar. As mulheres fazem todo o resto. De fato, para a ONU, para a Organização para Agricultura e Alimentação, eles queriam que eu fizesse um relatório sobre as mulheres na agricultura. E quando terminei de examinar os dados, tive que dar o título “A maioria dos agricultores da Índia são mulheres”. E a maior parte do trabalho é realizada por mulheres.

Você sente que, desde que pesquisa e trabalha neste campo, os papéis das mulheres mudaram?

Sim, sim. As mulheres foram enormemente deslocadas. Elas foram deslocadas das sementes, elas foram deslocadas da agricultura. Muito do trabalho e emprego das mulheres na agricultura é semear. E nós sabemos que semear não é uma atividade de desperdício — em certo nível, é a sua colheita. Quando você consegue plantas que não fazem parte de sua plantação, elas são alimentos (alguns dos alimentos mais nutritivos são definidos como ervas daninhas), forragens ou plantas medicinais.

Agora, quando o Roundup invade, tudo isso desaparece. E, com ele, também a nutrição, a alimentação animal saudável e, pior ainda, o que desaparece também é o trabalho das mulheres. Infelizmente, empresas como a Monsanto, que vendem Roundup… No começo, lembro-me de ver esses grandes outdoors que diziam “Liberte-se, use Roundup”, como se a descartabilidade fosse libertação.

E, no processamento de alimentos, nossas políticas para a globalização foram: os alimentos são importantes demais para a vida e a economia e não devem ser industrializados. Portanto, nossas políticas eram que ele deveria ser contido no setor de pequena escala. E os setores de pequena escala eram mulheres trabalhando. Por isso, todo o processamento era feito por mulheres, e era delicioso e saudável. E com a globalização, os padrões alimentares mudam, a segurança alimentar muda, os subsídios mudam. A Pepsi recebe subsídios, e um setor pequeno não.

Acabei de voltar de uma peregrinação no solo e Mahatma Gandhi, o profeta da não-violência em nossos tempos, promoveu o processamento artesanal em contraste com o industrial para meios de subsistência, para o trabalho, para manter a riqueza na comunidade. Porque quando os agricultores deixam de cultivar e de processá-los, basicamente acabam produzindo mercadorias baratas para a indústria. E eles ficam mais pobres. Não há valor agregado para a comunidade, há apenas exploração.

E literalmente, as Pepsis e as Nestlés do mundo elaboraram esses novos padrões de segurança alimentar e fecharam o moinho de óleo de prensas a frio no ashram de Mahatma Gandhi.

Então, voltarei em janeiro para trabalhar com eles. E quando você percebe que o óleo industrial é produzido com tantos produtos químicos — a maioria é solo GM, usando hexano para a extração do solo, apenas substitui os óleos que são de fato saudáveis. E, com isso, o conhecimento e o trabalho das mulheres. Porque eu meio que vivi um período longo o bastante para ter testemunhado a Índia no período pré-globalização e pós-globalização, as mudanças são enormes.

As mulheres em geral não se voltam para o crime, mas, você sabe, nenhum desses formuladores de políticas vê a conexão entre o crescimento da violência e o crime — e, em particular, mais violência contra as mulheres — e a destruição da economia e dos meios de subsistência.

E você sabe que o PIB é um número completamente inventado. Você está quantificando a coisa errada. Se eu cortar essa árvore, eu tenho crescimento, mas se eu deixar crescer, eu tenho crescimento zero. Se as pessoas estão se alimentando e as crianças são saudáveis, a nutrição está disponível, não há crescimento. Você cria desnutrição, você cria doenças, então há crescimento.

Eu trabalho com o governo do Butão e eles decidiram, nos anos 70, que não mediriam o crescimento da maneira típica. E, em vez do PIB, maximizaremos a felicidade nacional bruta.

Como a sua abordagem nesses tópicos difere da abordagem dos seus pares? Ativistas não-ambientais?

Minha educação formal é Física, exceto naquele ano em Guelph, pelo qual sou muito grata porque acho que a reflexão filosófica é muito importante porque [sem ela] as pessoas se tornam autômatos, sabe? Apenas replicando algo sem pensar. E, antes de vir aqui, eu pensava que podia-se viver a vida só com equações. Eu pensava que escrever era um desperdício. Mas, sabe, era preciso escrever nos jornais e, mais tarde, na filosofia. Acho que foi quando percebi que escrever não é um desperdício.

Como o meu pensamento é diferente? Primeiro, porque muito do trabalho que faço hoje… não o cultivei de maneira linear e unidimensional. Abordei como um problema natural. Vejo um ecossistema em colapso e tento entender o que realmente está acontecendo. E, na realidade, as coisas estão conectadas. Minha tese Ph.D. que fiz no Ocidente foi sobre não-localidade e não-separabilidade na teoria quântica; assim, até a ciência diz que tudo está relacionado e, no entanto, temos um paradigma reducionista que finge que tudo está separado.

Infelizmente, a maioria dos treinamentos está nesse sulco unidimensional e, quando se entra na carreira acadêmica, você quer publicar, você quer os seus cargos, e você precisa continuar nessa. Então, muito fica de fora. Assim como o PIB deixa de fora muita realidade. As abordagens reducionistas não olham para a interdisciplinaridade, não olham para as interconexões. Elas deixam muito de fora.

Elas são de natureza excludente.

Exatamente. Como você fez a transição da física para a agricultura? Houve alguma reação dos seus colegas quando você fez essa mudança?

Não, não. Mesmo quando decidi vir aqui tirar meus estudos superiores, foi com a escolha consciente de que eu não queria ser uma física mecânica. Eu não queria ser apenas uma engrenagem em uma máquina. Para mim, desde criança, a física era entender como a natureza funciona. E esse entendimento foi o que segui todo o caminho, especialmente porque me especializei nos fundamentos da teoria quântica, já naquela época eu estava caminhando sozinha.

Então, minha trajetória foi uma trajetória que eu estava traçando para mim mesma. Quando voltei… quer dizer, eu tinha as opções para continuar com as instituições de física e, conscientemente, escolhi ingressar em um instituto onde podia observar as interações entre ciência e sociedade, porque sempre fiquei muito perturbada com mensagens incongruentes.

Sempre nos dizem que “a ciência remove a pobreza”. E a Índia tem a terceira maior comunidade científica do mundo e um dos mais altos índices de pobreza e desnutrição. A conta não fecha.

Assim como quando fiz meu trabalho sobre a Revolução Verde… A Revolução Verde recebeu o Prêmio Nobel da paz e em 84, Punjab era uma terra de violência. E o Canadá está conectado a isso porque o voo da Air India que foi explodido sobre a Irlanda fazia parte de toda essa ação extremista. Não fazia sentido receber um prêmio pela paz, mas depois há violência.

Eu estava trabalhando para a universidade das Nações Unidas na época e disse: “Vocês precisam analisar isso”. A pressão realmente chegou a dois pontos — mas não por causa de nenhum grupo de colegas. Como eu disse sobre a física, eu já segui meu próprio caminho. Foi quando eu descobri o Banco Mundial.

Eu estava em Bangalore e todos os dias via mais plantio de eucalipto nas terras agrícolas e não conseguia entender. Então eu disse ao instituto que estava trabalhando que devíamos investigar, algo está estranho. E, é claro, descobrimos que o Banco Mundial estava por trás disso, financiando o crescimento de eucalipto como matéria-prima para a indústria de celulose e chamando-o de silvicultura social porque criamos essa frase com Chipko.

O estudo causou um grande impacto e o movimento dos agricultores surgiu em torno dele, e o parlamento regional teve enormes discussões sobre o assunto e rejeitou o plano. Sabe, acho que foi um dos primeiros estudos importantes que abalaram o sistema.

E o diretor do meu instituto gostava muito de mim e me respeitava, então vem ele e diz: “Adoro o trabalho que você faz e tenho muito orgulho de você. Mas o Banco Mundial me pressionou dizendo: ‘Cortaremos esse, esse e esse financiamento’ se você fizer pesquisas como essa.”. O nome dele era Dr. Ramasan. Eu disse: “Dr. Ramasan, eu não vou mudar. Qualquer pesquisa para mim é encontrar a verdade. E nenhum poder no mundo pode suprimir esse desejo em mim. E, em vez disso, se você perder doações que precisa para o instituto, criarei um espaço onde posso trabalhar de forma independente.” Foi por isso que criei a Research Foundation, eu saí do instituto.

A próxima rodada de intensa pressão não foi dos colegas, mas da Monsanto e de seus lobistas. Eles não são colegas cientistas, são jornalistas, estão literalmente dispostos a pagar para fazer qualquer trabalho desagradável. Você tem um colega aqui no Canadá que finge ser um cara do Greenpeace, e eu conversei com o Greenpeace e ele entrou uma vez e eles o expulsaram. Eu não os chamo de colegas.

Como todos podemos ser sustentáveis ​​em nossas práticas de consumo de alimentos?

Eu acho que a maneira de ser sustentável nas práticas de consumo de alimentos é ser sustentável na produção de alimentos. E a não-sustentabilidade está embutida no modelo de agricultura industrial porque usa dez vezes mais insumos do que produz, usa dez vezes mais energia que produz como calorias, usa dez vezes mais finanças para compra de insumos internos do que os agricultores podem ganhar. É por isso que os agricultores se deterioram, se endividam e deixam a terra ou, no caso da Índia, se suicidam — 300.000 deles.

Portanto, não é sustentável. Mas, felizmente, temos melhores maneiras de produzir. E as três coisas que — e este é o trabalho que tenho feito através de Navdanya, o movimento que construí nos últimos trinta anos — é que temos que passar das monoculturas para a diversidade, temos que passar dos produtos químicos e insumos externos a processos ecológicos, insumos internos, o que é chamado de agroecologia, precisamos passar do comércio globalizado para a distribuição local. Para que a riqueza seja distribuída e os sistemas mais nutritivos, saudáveis ​​e mais frescos melhorem. 

Há muito se fala em energia solar no Golfo Árabe e, em particular, na Arábia Saudita, como um recurso de energia mais verde. No entanto, recentemente, um grande projeto no reino foi adiado por oito anos.

Você já trabalhou com ativistas ambientais no Oriente Médio? Qual você acha que é a viabilidade da energia solar e outros produtores de energia mais sustentáveis ​​nesta parte do mundo?

Estive no Oriente Médio, inclusive para uma conferência de sustentabilidade, porque sou conselheira de algo chamado “Conselho Mundial do Futuro” e fomos convidados por Abu Dhabi, e acho extremamente estranho que aqui estamos em um deserto que tem uma população muito baixa e então encontramos petróleo. E agora eles estão construindo essas mega cidades para as quais precisam de muitos e muitos recursos. Toda a economia é: você traz migrantes para trabalhar nessa economia, você traz migrantes para servir os outros migrantes sob condições de escravos. Essas comunidades saem para conversar comigo e você meio que conhece algo além dos papéis brilhantes. Mas eu acho essas enormes cidades extremamente feias em termos do contexto do deserto. E então dizer que vai se voltar para a energia solar…

Sabe, eu acho que o Oriente Médio, pelo menos aqueles países ricos em petróleo, embora eu tenha feito um novo manifesto chamado “Terra Viva” que analisou toda a revolta síria e está totalmente relacionado à degradação da terra, desertificação e mudanças climáticas… Porque em 2009 um milhão de agricultores se mudaram para a cidade e foi aí que a violência começou. E então as potências globais começaram a equipar os rebeldes que eles chamavam porque queriam que Assad sumisse.

Não havia ISIS em 2010. Ele foi criado armando pessoas. Uma vez que todo esse dinheiro e todas essas armas estão flutuando em torno de um fenômeno inteiramente novo, ele apareceu.

E agora você tem a Rússia entrando em cena, então não vai ser nada agradável. Para aquele grupo de países com suas cidades artificiais saindo do deserto. Eles estão tendo que fazer violência com a África agora — estão fazendo um monte de busca de terras para garantir sua segurança. Eu acho que esses países precisam repensar, sabe: “Somos esse tanto, vamos arranjar sustentabilidade com base nessas populações em vez de trazer o mundo para cá”. Atrair essas populações com um estilo de vida luxuoso no deserto… não dá para ser sustentável.

E eles estão consumindo tanto! Vejo anúncios na Índia: “Faça uma viagem de compras a Dubai”. E eles têm shoppings gigantes. A coisa toda é um centro de consumo. Portanto, não é apenas a questão da energia do petróleo para a energia solar, mas a atração artificial. A polarização total entre os migrantes super-ricos e os compradores e os trabalhadores da construção.

Bem, eles ainda têm rótulos diferentes, né? Os migrantes brancos da classe média ou alta são chamados expatriados ou expats, enquanto os trabalhadores são chamados migrantes.

Fiquei muito perturbada ao ler no The Economist sobre esse assunto. Em vez de falar sobre o Oriente Médio, eles estão dizendo “países muçulmanos”. Porque é solo fértil para a islamofobia e alimenta mais. Eles deixaram o rótulo do Oriente Médio.

E, agora, mudando completamente de assunto. Você fez tantas coisas diferentes em sua vida, uma delas a ginástica. Por que isso não deu certo?

Bem, alguém inventou isso. Eu nunca fui ginasta. Eu fui uma atleta muito boa. Eu era a melhor jogadora de basquete e lançadora de bolas…

O que é isso?

Ah, você joga uma bola por cima de uma rede…

Tipo vôlei?

Sim, é tipo o vôlei. Eu era uma velocista muito boa. Adorava, amava o desafio do esporte. Dois anos atrás, quando o lobby da Monsanto começou a funcionar, eles sumiram com todos os meus diplomas de física na minha página da Wikipedia. E substituíram todo o trabalho que fiz. E eu nem edito minha página da Wikipedia, outras pessoas fazem isso. E alguém substituiu o atletismo pela ginástica. Meu filho e seus amigos começaram a trabalhar para mudar outra vez, mas em um segundo isso mudava novamente. E temos cientistas que são atacados pela Monsanto de maneira sistemática. Eles contrataram a Conde Nast, que comprou a New Yorker, eles fizeram um trabalho de ataque à minha reputação. Eles têm exércitos de pessoas que estão lá apenas para mudar as páginas da Wikipedia! E Seralini é um dos principais cientistas que pesquisou a interrupção de órgãos com culturas de glifosato e Roundup Ready e OGM, ele é um dos principais cientistas da França com artigos em grandes publicações, parte de uma grande, grande, grande equipe de pesquisa. Eles passaram por todo um processo de tentativa de retirar o artigo dele, recusaram a revista, depois mudaram o editor. E a página da Wikipedia é o “caso Seralini”. Havia dez pessoas atrás de cada um de nós que foram pagas para manter a narrativa que a Monsanto construiu. Você pode corrigir e ela retorna imediatamente. Eles podem contratar exércitos — nós trabalhamos com nosso próprio vapor. Eu tenho que dizer que são ações criminais. Passei tanto tempo no movimento agrícola, onde você tem que lidar com empresas de barragens… sempre há um interesse pessoal. Cientistas puros nunca enfrentam isso. O primeiro cientista solicitado a estudar os efeitos dos OGM pelo Reino Unido teve seu laboratório fechado e sofreu um derrame. Ele veio da Hungria como refugiado e voltou para a Hungria porque havia mais liberdade lá.

Você já se sentiu paranóica?

Não. Eu sou realista. Já tive experiências o bastante. Por exemplo, eu processei a Monsanto e recebi um número incrível de ameaças para desistir do caso. Então, o que fiz foi fazer vinte cópias dos mandados e disse a vinte amigos: “se eu não aparecer no tribunal, você precisa ir!” Eles querem que tenhamos medo.

Você tem algum conselho para futuros ativistas agrícolas?

Um é que você precisa fazer o trabalho que cuidará da Terra e dos alimentos. E apenas porque aqueles que estão destruindo o planeta e impedindo nosso direito à alimentação têm enormes quantias de dinheiro. Sejam guiados por sua consciência. E sejam resilientes.


Texto de Nadine Compton

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui