teen vogue
teen vogue

Sobreviventes do comércio sexual e porta-vozes contra o tráfico de pessoas estão furiosos com uma nova coluna da Teen Vogue que argumenta que vender sexo é um trabalho legítimo e deve ser descriminalizado — dizendo que isso glorifica esse comércio e ignora suas muitas vítimas.

A Dra. Tlaleng Mofokeng, especialista sul-africana em reprodução, redigiu o polêmico artigo de opinião intitulado “O trabalho sexual é realmente trabalho”, argumentando que seu trabalho como médica — que inclui o tratamento de infecções sexualmente transmissíveis e terapia no desempenho sexual — é “basicamente trabalho sexual ”e não deve ser tratado de forma diferente.

“Sou médica, especialista em saúde sexual, mas quando você pensa nisso, não sou uma profissional do sexo?”, Mofokeng escreve no artigo.

“Eu não acredito que seja certo ou apenas que as pessoas que trocam serviços sexuais por dinheiro sejam criminalizadas e eu não sou pelo que faço. Um diploma de medicina é realmente a medida certa de quem merece dignidade, autonomia, segurança no local de trabalho, troca justa e liberdade empregatícia? Não. Isso não deveria ser assim. Aqueles que se envolvem no trabalho sexual também merecem essas coisas.”

Mas Nicole Bell, que passou a maior parte de sua vida adulta na prostituição e agora dirige uma clínica para os que estão no meio, criticou a coluna da médica por se dirigir apenas às poucas preciosas que têm o privilégio de escolher o “trabalho sexual” como uma carreira.

“Não é empoderador. É dito a você o que fazer com o seu corpo pelo quanto os homens estão comprando e vendendo você… Você está à disposição do comprador do sexo”, Bell contou ao Post na terça-feira (23/04/19).

“É engraçado porque quando falamos de prostituição, é sobre ela que falamos: A estudante universitária adiando a entrada para Yale enquanto se prostitui para levantar o dinheiro do ano (faculdades são pagas anualmente nos EUA)… Mas isso não é a realidade. A prostituição é violência, transtorno de uso de substâncias, situação de rua e vulnerabilidade. Não é privilégio.”

Bell não acredita que a prostituição deva ser criminalizada, mas disse que as mulheres com quem ela trabalha em sua clínica em Worcester, Massachussets, não entram no setor por opção — muitas são forçadas a isso pelo tráfico, pobreza, violência e falta de moradia.

Living in Freedom Together (Vivendo em Liberdade Juntas), clínica de Nicole Bell em Worcester, Massachussets

Ela dá a todas as mulheres uma pesquisa de entrada perguntando se querem deixar a prostituição — e “nenhuma pessoa jamais disse não”.

“Se é uma oportunidade de trabalho tão poderosa, por que todo mundo quer tanto sair?”, Bell disse.

Estudos mostram que a idade média das mulheres que entram no comércio sexual ou são vítimas de tráfico começa aos 12 anos de idade.

Especialistas e defensores disseram ao Post que muitas dessas meninas continuam sendo traficadas sob o disfarce de “trabalho sexual consensual” até a vida adulta, porque é tudo o que elas conhecem dessa vida.

Outras ex-trabalhadoras da indústria do sexo focaram na afirmação de Mofokeng de que “nem todas as trabalhadoras sexuais praticam sexo com penetração” e que seus serviços “podem incluir companhia, intimidade, interpretação de papéis não sexuais, dançar, acompanhante de luxo (sem sexo) e strip” enquanto a relação com clientes pode “evoluir para uma ligação emocional e psicológica”.

“Você pode imaginar uma menina de 15 anos falando para um cara de 40 sobre a tal família dele enquanto ele a faz pagar um boquete?”, perguntou Vednita Dito Carter, 65, uma mulher que já esteve na prostituição e coordena uma organização anti-tráfico, a Breaking Free (algo como “Se Libertando” em tradução livre)

Breaking Free: Irmãs ajudando irmãs a se libertarem

“Querer falar sobre seus problemas e ganhar uma massagem não é a razão pela qual um cara procura essas meninas novas. Eles querem uma coisa: penetração. Como é que elas vão se sentir quando ele fala para ficar de joelhos e abrir a boca?”

Lauren Hersh, uma ex-promotora de vítimas especiais do Brooklyn, também criticou a redatora-chefe da Teen Vogue, Lindsay Peoples Wagner, por sua decisão de publicar o editorial em uma carta aberta publicada no Medium no domingo (28/04/19).

“Como mãe de uma filha, me deixa enojada o fato de que sua revista está vendendo a crença retrógrada de que seus corpos devem ser mercantilizados e que essa mercantilização, exploração, e trauma devem ser empoderadores para elas”, escreveu Hersh, que administra uma organização chamada World Without Exploitation (“Mundo Sem Exploração” em português).

“Mas como mãe de um filho, eu sinto uma raiva louca que no meio deste momento do #MeToo seu compartimento está emitindo a meu filho a mensagem misógina que comprar mulheres e meninas é legítimo e inofensivo”, ela continuou.

“A quantidade de abuso físico e sexual entre as pessoas na prostituição é absurda. A maioria daquelas exploradas no comércio sexual sofrem desordem de estresse pós-traumático que é destrutivo, e frequentemente a longo prazo.”

Hersh diz que concorda que as prostitutas não devem ser criminalizadas, porque “a vasta maioria” daquelas envolvidas está lá por causa da falta de escolhas e da coerção, mas adiciona que os “cafetões e os compradores não devem ter passe livre.”

Prostituição: Não há nada sem vítima sobre isso. (cartaz de campanha do World Without Exploitation)

*Por fim a Teen Vogue respondeu ao Post em um comunicado através de um porta-voz: “A Teen Vogue rotineiramente publica artigos de opinião de colaboradores externos para fornecer ao nosso público uma variedade de pontos de vista sobre o espectro completo de questões que os jovens enfrentam. Embora esses tópicos sejam às vezes controversos, damos as boas-vindas aos importantes diálogos que eles geram ”


Por Gabrielle Fonrouge — traduzido do New York Post

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui