Discurso proibido: o silenciamento da crítica feminista sobre “gênero”

Uma declaração aberta de 37 feministas radicais de cinco países 

Nós, as radicais feministas radicais dos anos 60 e ativistas atuais, temos nos preocupado por algum tempo com a ascensão dentro da academia e das principais midias sobre a “teoria do gênero”, que evita nomear os homens e o sistema de supremacia masculina como beneficiários da opressão das mulheres. Nossa preocupação mudou para aprendemos sobre ameaças e ataques, alguns deles físicos, sobre indivíduos e organizações que ousam desafiar o conceito atual de gênero.

Desenvolvimentos recentes: Uma organização ambiental dos EUA que também se autodenomina Feminista Radical é atacada por sua análise política do gênero. Conferências feministas no Reino Unido, nos EUA e no Canadá são forçados a se moverem de seus locais contratados para afirmarem o direito das mulheres se organizarem para a sua libertação separadamente de pessoas do sexo masculino, isso incluindo pessoas transgêneras do sexo masculino.

Deep Green Resistance (DGR) relata que ativistas queer estragaram materiais publicados e ativistas trans ameaçaram membros individuais da DGR com incêndio, assassinato e estupro. As livrarias são pressionadas a não disponibilizarem o trabalho da DGR e seus eventos são cancelados após protestos de ativistas queer/trans. Em conferências do coletivo RadFem em Londres, Portland e Toronto, ativistas trans acusam palestrantes de discurso de ódio e/ou serem transfóbicos porque ousam analisar gênero de uma perspectiva política feminista.

Ambos trans de sexo masculino e grupos masculinistas de “direito dos homens” operando separadamente, mas usando linguagem similar, exigem serem incluídos na conferência Rad Fem 2013 em Londres organizada para lutar contra a opressão das mulheres e para a libertação.

Como retrocedemos ao ponto em que as feministas radicais têm de lutar pelo direito de realizar conferências exclusivamente para mulheres e criticar os “papéis de gênero” convencionais?
O surgimento de Estudos de Gênero pode ser parte do problema. A língua é uma ferramenta humana maravilhosa para o pensamento, a compreensão, a cooperação e o progresso, que quando as pessoas lutam pela liberdade e justiça contra aqueles que a oprimem, o uso e o mau uso das palavras — da linguagem — torna-se parte da luta. Originalmente, o termo “gênero” pode ter sido uma maneira útil contra o problema de comunicação da palavra “sexo” em inglês ter vários significados.

“Sexo” refere-se à reprodução de uma espécie, bem como a atos de prazer e também a divisão simplesmente descritiva de muitas plantas e animais em duas categorias observáveis ​​- os “sexos biológicos”. Usar “gênero” em vez de “sexo” permite feministas deixarem claro que todos os tipos de relações sociais e diferenças entre os sexos são injustas, não apenas as relações biológicas entre os sexos. “Gênero” abrange também as diferenças artificiais socialmente criadas entre os sexos humanos, a esmagadora maioria das quais são políticas, econômicas e culturalmente desvantajosas para as mulheres.

Os “Estudos de Gênero” tomaram o lugar da análise sobre a libertação das mulheres do final dos anos 60 e início dos anos 70. Um princípio de aceitação da idéia neutra de “papéis do sexo” como uma das principais causas da opressão das mulheres por alguns segmentos do movimento de libertação das mulheres se transformou na nova linguagem — mas na mesma neutralidade — de “papéis de gênero” e “opressão de gênero”. Com um enorme impulso da “nova” teoria acadêmica saindo desses programas, fortemente influenciada pelo pós-modernismo, a “identidade de gênero” tem esmagado —quando não nega completamente — a teoria de que as mulheres biológicas são oprimidas e exploradas como uma classe por homens e pelos capitalismo devido à sua capacidade reprodutiva. As mulheres muitas vezes não podem mais se organizar contra a nossa opressão em grupos exclusivos para mulheres, sem serem pilhadas com acusações de transfobia. Mas, como uma feminista radical britânica “Fire in My Belly” escreveu em seu blog:

“as feministas radicais reconhecem que a “identidade de gênero” de um indivíduo não pode, em uma sociedade justa, ser permitida a andar em cima do sexo biológico, que não pode ser alterado.”

Não vemos os papéis tradicionais de sexo/gênero como naturais ou permanentes. De fato, criticar esses “papéis” é válido e necessário para a libertação das mulheres. A análise e o ativismo feminista radical se concentram nas relações de poder desiguais entre homens e mulheres sob a supremacia masculina, com benefícios reais e materiais indo para o grupo opressor (homens) às custas do grupo oprimido (mulheres).
O sistema de supremacia masculina desce duramente em homens e mulheres inconformes, como descrito em movimento pelos membros da comunidade trans.

Embora a mudança de identidade de gênero possa aliviar alguns problemas a nível individual, não é uma solução política. Além disso, pode-se argumentar que ela mina uma solução para todos, até mesmo para a pessoa em transição, abraçando e reforçando o rastreamento cultural, econômico e político do “gênero” em vez de desafiá-lo. A transição é uma questão profundamente pessoal associada a muita dor para muitas pessoas, mas não é uma estratégia feminista ou mesmo uma posição feminista individualista. A transição, por si só, não ajuda na luta pela igualdade de poder entre os sexos.

Haverá muitos avanços na ciência e tecnologia antes que os corpos das mulheres humanas não sejam mais necessários para os trabalhos complicados e perigosos de fornecer óvulos, gerar e levar gerações em andamento para continuar o trabalho do mundo. Haverá também, sem dúvida, lutas para garantir que as mulheres não sejam oprimidas de novas maneiras sob essas novas circunstâncias.

Nem todas as feministas concordam que o “gênero” deve ser eliminado, nem concordamos uns com os outros sobre pornografia ou prostituição ou uma transformação radical da nossa economia ou uma série de outras questões. Mas o nosso movimento tem uma história de exibir sérias diferenças em discursos e papéis de posição distribuídos, não em ataques físicos, ameaças de danos corporais e censura de tais análises. DGR e RadFem defenderam o direito de pensar, falar e escrever livremente sobre a questão do gênero.

Embora não possamos estar totalmente de acordo com a análise de gênero da DGR, nós a recebemos como uma contribuição importante para o feminismo radical e louvamos a coragem que ela tem tomado para enfrentar as ameaças e ataques que sofreu. Defendemos o direito de RadFem excluir os homens, incluindo as pessoas trans, de suas reuniões feministas e convidar palestrantes que analisem o gênero a partir de uma perspectiva feminista. Também elogiamos o CounterPunch por publicar o material da DGR, que trouxe ataques semelhantes de acusações de transfobia sobre eles, incluindo a revista Jacobina.

Estamos ansiosas para a liberdade de gênero. O movimento “liberdade de gênero”, quaisquer que sejam as intenções de seus partidários, está reforçando a cultura e as instituições de gênero que oprimem as mulheres. Rejeitamos a noção de que essa análise é transfóbica. Defendemos o princípio feminista radical de que as mulheres são oprimidas pela supremacia masculina tanto em suas formas individuais como institucionais. Continuamos a apoiar a estratégia feminista radical de organizar uma base de poder independente e de falar as verdades básicas da nossa experiência sem ouvir o opressor. Nós mantemos estes princípios e estratégias essenciais para avançar para a libertação das mulheres.


Iniciado por Carol Hanisch (NY), Kathy Scarbrough (NJ), Ti-Grace Atkinson (MA), and Kathie Sarachild (NY)

Também assinado por Roberta Salper (MA), Marjorie Kramer (VT), Jean Golden (MI), Marisa Figueiredo (MA), Maureen Nappi (NY), Sonia Jaffe Robbins (NY), Tobe Levin (Germany), Marge Piercy (MA), Barbara Leon (CA), Anne Forer (AZ), Anselma Dell’Olio (Italy), Carla Lesh (NY), Laura X (CA), Gabrielle Tree (Canada), Christine Delphy (France), Pam Martens (FL), Nellie Hester Bailey (NY), Colette Price (NY), Candi Churchhill (FL), Peggy Powell Dobbins (GA), Annie Tummino (NY), Margo Jefferson (NY), Jennifer Sunderland (NY), Michele Wallace (NJ), Allison Guttu (NY), Sheila Michaels (MO), Carol Giardina (NY), Nicole Hardin (FL), Merle Hoffman (NY), Linda Stein (NY), Margaret Stern (NY), Faith Ringgold (NJ), Joanne Steele (NY).


(Tradução de Feminist Uk — Fire in my belly.)

Bianca Chella

Apenas gosto de estudar e disponibilizar materiais sobre temas variados. Não me usem como referência a movimentos políticos. Não sou ativista e nem nada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *