Diversas décadas após as convulsões políticas da década de 1960, pouquíssimas pessoas reconhecem o nome da advogada e ativista feminista negra Florynce “Flo” Kennedy (1916–2000). No entanto, durante o final dos anos 1960 e 1970, Kennedy era a feminista negra mais conhecida do país.

Ao relatar o surgimento do movimento de mulheres, a mídia cobriu sua participação inicial na Organização Nacional de Mulheres (NOW), sua liderança em inúmeros protestos de teatro de guerrilha e seu trabalho como advogada ajudando a revogar as leis restritivas ao aborto em Nova York. De fato, a feminista negra Jane Galvin-Lewis e as feministas brancas Gloria Steinem e Ti-Grace Atkinson dão crédito a Kennedy por ajudar a educar uma geração de jovens mulheres sobre o feminismo em particular e a organização política radical em geral.

No entanto, o ativismo de Kennedy é marginalizado ou completamente apagado da maioria das histórias do feminismo da “segunda onda”. Essas raras referências a Kennedy geralmente a destacam como uma das poucas mulheres negras no movimento das mulheres. Kennedy é um exemplo significativo da exclusão das principais feministas negras organizadoras da maioria dos estudos feministas sobre o movimento: o apagamento de seu papel crítico diz muito sobre as maneiras pelas quais a literatura feminista fracassou em ver as mulheres negras como progenitoras do feminismo contemporâneo.

Em resposta a esse apagamento histórico, este artigo ressuscita a contribuição política de Kennedy ao radicalismo dos anos 60 e descobre uma política e uma prática feminista negra que não só estavam ligadas ao movimento feminista dominante, mas também estavam intimamente ligadas à luta Black Power. Uma luta que desafia dicotomias rígidas anteriormente mantidas entre o Black Power e o Movimento de Mulheres e ilumina a centralidade do feminismo negro e de Flo Kennedy para ambos os movimentos.

Kennedy afirmou que ela conseguia “entender o feminismo [e o sexismo] melhor por causa da discriminação contra os negros”. Seu trabalho no movimento negro revela o movimento Black Power como uma força significativa na formação das lutas feministas contemporâneas.

Estudos anteriores sobre o movimento feminista ignoram ou desvalorizam as conexões entre o Black Power e as lutas feministas. Os estudos de feministas negras independentes e os movimentos feministas predominantemente brancos citam a crescente masculinidade que manteve o feminismo e o poder negro divididos. Elas não estão erradas ao fazer isso, mas posicionar o Black Power como uma influência primariamente antagônica não percebe o que o movimento poderia nos dizer sobre como as feministas negras e brancas entendiam a libertação e a revolução.

Conectar feministas negras e brancas a organizações como o Partido dos Panteras Negras e as Conferências do Black Power nos diz muito sobre como as feministas trabalharam para reconstruir a sociedade em que viviam. Embora alguns estudos recentes tenham ajudado a expandir nossa compreensão da relação do movimento Black Power com o feminismo, ainda há muito a ser entendido sobre as maneiras pelas quais o movimento Black Power estava conectado ao radicalismo feminista. Eu argumento que o exemplo de Kennedy nos obriga a ver como as estratégias e teorias, entendidas como originadas nas lutas Black Power, foram absorvidas pelas feministas negras e brancas.

Florynce Kennedy foi simultaneamente uma feminista negra e uma ativista Black Power que construiu alianças entre as feministas maioritariamente brancas e os movimentos Black Power durante o período pós-guerra que a historiadora feminista negra Paula Giddings chama de “década masculina”.

A década de 1960 testemunhou um aumento nos apelos políticos à masculinidade negra, já que muitos radicais do Black Power exigiam que as mulheres negras assumissem um papel auxiliar aos homens negros e direcionassem as suas energias para a família. Kennedy, como outras feministas negras, criticou essas normas de gênero antiquadas. Apesar de suas críticas ao Black Power e sua estreita relação com a luta feminista, Kennedy continuou a trabalhar dentro do movimento Black Power como advogada e ativista.

Muitos defensores do Black Power também criticaram o movimento predominantemente de mulheres brancas, argumentando que o feminismo era divisivo, racista e um desvio. Os organizadores do Black Power muitas vezes acusaram as feministas negras de simplesmente imitar diretivas feministas brancas. Kennedy, no entanto, sustentou que um movimento dedicado a acabar com a opressão sexista era vital tanto para mulheres quanto para homens. Trabalhou em organizações feministas predominantemente brancas (como a NOW e o Movimento 17 de Outubro) ao longo das décadas de 60 e 70 e organizações feministas negras independentes (como a Organização Feminista Negra Nacional e Mulheres Negras Unidas para Ação Política) nas décadas de 1970 e 1980.

Anos mais tarde, Kennedy comentou sobre o que muitos viam como a incompatibilidade entre seus vários locais políticos, observando que, apesar de sua estreita relação com o movimento feminista e feministas brancas, os organizadores do Black Power nunca a forçaram a se separar, como feminista, do movimento negro. Isto foi, em partes, porque o feminismo que ela adotou estava profundamente arraigado nas teorias da luta Black Power, mais notavelmente no seu compromisso em acabar com a supremacia branca e o imperialismo.

Além disso, como muitos outros radicais, ela via o movimento Black Power como o movimento de vanguarda da era. Seu trabalho dentro de organizações feministas brancas enfatizava o racismo desafiador. Grande parte do ativismo e da escrita de Kennedy exemplifica como ela manobrou entre o que a maioria dos observadores e estudiosos contemporâneos vê como movimentos inerentemente opostos, em uma tentativa de estender o Black Power para fora dos círculos Black Power e em espaços feministas basicamente brancos.

A metade dos anos sessenta foi um período divisor de águas tanto para o Black Power quanto para o Movimento de Mulheres. Organizações de direitos civis como SNCC (Comitê Não Violento de Coordenação Estudantil) e CORE (Congresso da Equidade Racial) começaram a promover estratégias nacionalistas negras. Através dos esforços dessas organizações e de outras, o movimento Black Power começou a ocupar o palco nacional e eclipsou o Movimento dos Direitos Civis como líder da maior luta pela liberdade dos negros.

Este período foi igualmente fundamental para o movimento predominantemente de mulheres brancas. A NOW foi fundada em 1966, e vários capítulos locais e grupos de estudo e organizações de mulheres surgiram em todo o país logo depois. O rápido crescimento de ambos os movimentos forçou mudanças na relação entre as organizações liberais e radicais do pós-guerra: em 1967, tanto os defensores do Black Power quanto as feministas estavam tentando definir novas agendas e repensar seus laços com a “luta maior” do pós-guerra. Surgiram oportunidades de alianças entre os dois.

O Radicalismo Precoce de Florynce Kennedy

Nascida em 1916, em Kansas City — Missouri, Kennedy foi criada por pais da classe trabalhadora que ensinaram suas filhas a desafiar a autoridade branca a cada passo. Em 1942, Kennedy mudou-se de Kansas City para Nova York, onde encontrou orientação política para as lições que aprendeu junto de seus pais iconoclastas.

Aos 26 anos, Kennedy chegou a Nova York na esperança de se beneficiar das poucas oportunidades em tempos de guerra que estavam abertas aos afro-americanos e às demais mulheres. O ambiente intelectual e político da cidade foi uma fuga do trabalho penoso do mercado de trabalho não-qualificado de Kansas City, onde ela trabalhava como Ascensorista e Doméstica. Foi no meio político e social da cidade de Nova York, quando estudava na Columbia University e na Law School, e depois como advogada promissora, que Kennedy amadureceu politicamente.

Embora o trabalho e as aulas de Kennedy deixassem pouco tempo para a organização política, ela aproveitou ao máximo as correntes radicais da Columbia e se matriculou em cursos sobre socialismo e comunismo. Ela também se moveu nos movimentos sociais da cidade — assistindo aos discursos de Adam Clayton Powell no Harlem e comícios para o esperançoso candidato do Partido Progressista Henry Wallace, e lendo vorazmente literatura anti-imperialista e antirracista. A experiência de Kennedy entre a enxurrada de mulheres, na maioria brancas, que entraram na Universidade de Columbia durante a Segunda Guerra Mundial — e que foram impedidas de entrar após a guerra — levou-a a conectar a opressão das mulheres brancas e dos negros. Ela começou a ver uma aliança dos dois como uma força que poderia ser aproveitada contra a hegemonia masculina branca.

Quando Kennedy se formou na Columbia Law School em 1951, ela se tornou uma das poucas mulheres negras que praticavam advocacia na cidade. Em 1954, ela abriu sua própria firma defendendo os direitos de artistas negros (como Billie Holiday) que tinham sido alvos por causa da importância política de seu trabalho. No início e meados da década de 1960, Kennedy foi trabalhar com organizações de direitos civis (Wednesdays in Mississippi); organizações de esquerda branca (Partido dos Trabalhadores do Mundo); e organizações nacionalistas negras (Organização da Unidade Afro-americana). Ela publicou uma coluna semanal no Queens Voice, um jornal negro local, e organizou o “Opinions”, um talk show político de 30 minutos na rádio WLIB (Women’s Liberation — PT: Libertação das Mulheres).

O racismo é “mortal”: o movimento Black Power deve liderar

Embora Kennedy tenha defendido o fim de todas as formas de opressão, ela acreditava em última instância que o racismo moldava as relações de poder nos EUA e, portanto, era o teste decisivo para a democracia americana. Como os líderes do Black Power e outros radicais negros como Malcolm X, Ella Baker e W.E.B. Dubois, Kennedy acreditava que o racismo afetava todos os grandes problemas sociais: a exploração do trabalho, a violência policial contra profissionais do sexo (*sic), o abuso de minorias sexuais e a opressão das mulheres como um grupo.

Frequentemente, Kennedy usou o termo “negrizar” como sinônimo de opressão, uma estratégia retórica destinada a forçar as pessoas oprimidas a entender como técnicas racistas poderiam ser empregadas contra todas as pessoas oprimidas. Embora Kennedy tenha entendido as opressões como interconectadas, ela argumentou que “o racismo sempre será pior que o sexismo até encontrarmos feministas baleadas na cama como Mark Clark e Fred Hampton.” E como outros líderes do Black Power e alguns esquerdistas brancos, ela argumentou que “porque os negros começaram essa revolução” e “passaram mais tempo nas linhas de frente”, o movimento Black Power teve uma reivindicação moral de status de vanguarda dentro da luta maior.

Embora Kennedy tenha privilegiado os movimentos de libertação dos negros e a opressão racial, ela ainda argumentava que não importava qual opressão fosse mais letal: todos elas “doíam enlouquecidamente”. Na opinião dela, a melhor estratégia era superar todas as formas de exploração. Kennedy acreditava que um ataque constante e consistente contra todas as formas de opressão a partir de uma variedade de frentes organizacionais ajudava a acelerar a mudança revolucionária. A teoria de Kennedy sobre desafiar a opressão ajuda a explicar por que ela trabalhou em uma ampla gama de organizações e movimentos ao longo de sua carreira política.

Sua teoria sobre a opressão desafiadora também ajuda a explicar seu relacionamento com organizações brancas de esquerda — especificamente organizações feministas brancas. Enquanto trabalhava em espaços predominantemente brancos à esquerda, ela exigia que os ativistas brancos se concentrassem em acabar com o racismo e a apoiar a luta pelo Poder Negro. Ela frequentemente instruiu os radicais brancos sobre a importância de entender como o poder e a força circulam nos Estados Unidos:

“Se você testar as cercas dessa sociedade e ousar influenciar a sua direção, eles sabem a que você veio pela extensão com que você se identifica com a revolução negra… se você quer comunicar absolutamente a profundidade da sua determinação de derrubar esta sociedade que está comprometida com o racismo, então demonstre determinação em frustrar o racismo com uma coalização com a luta revolucionária negra.”

A Conferência Black Power

Quando o SNCC e o CORE começaram a popularizar o termo “Black Power”, em 1966, Kennedy acolheu as ambições dos jovens radicais. Ela esperava que eles pudessem aproveitar o potencial revolucionário da afirmação do Black Power de que os negros constituíam uma comunidade singular dentro dos Estados Unidos e, portanto, tinham o direito de mudar as relações de poder.

Durante a primavera e o verão de 1967, Kennedy participou das sessões de planejamento da Black Power Conference em Newark. Ao lado de líderes do Black Power, como Omar Ahmed, Nathan Wright e Amiri Baraka, ela desenvolveu oficinas, convidou delegados negros dos Estados Unidos e do exterior e ajudou a criar um plano de publicidade.

A rebelião de Newark, ocorrida apenas alguns dias antes da reunião, ajudou a triplicar o número de registros da projeção inicial de 400 participantes. De 20 de julho a 24 de julho de 1967, mais de mil negros se reuniram em Newark. A rebelião e os numerosos negros que invadiram a convenção forçaram os organizadores a empregar o conceito de Black Power como uma ferramenta para a mudança revolucionária.

Para Kennedy, a conferência de Newark e as seguintes Conferências Black Power foram importantes porque enfatizavam o uso do poder coletivo pelos negros para desafiar o racismo e o imperialismo americanos. Por meio dessas conferências, Kennedy definiu mais completamente seu pensamento sobre o poder e a capacidade das pessoas oprimidas de usar a força de seu grupo. Ela defendeu uma forma de pluralismo do Poder Negro, representada por líderes tão diversos quanto Malcolm X (após sua separação da Nação do Islã), Adam Clayton Powell e Nathan Wright.

Os Pluralistas Black Power argumentavam que os Estados Unidos eram monopolizados pelo poder branco, que historicamente servira para afastar os afro-americanos da verdadeira libertação; para que os negros desafiassem esse monopólio opressivo, precisavam se mover em direção a uma posição de força comunitária. A maioria dos pluralistas acreditava que eles poderiam transferir sua solidariedade racial e poder para o poder de decisão nacional e local. Eles sustentaram que, como resultado, os negros, a nação e o mundo seriam fundamentalmente transformados para melhor.

Kennedy não creditava nenhum outro movimento com tanto potencial para ilustrar as contradições da democracia americana e, assim, rearticular os princípios democráticos não apenas para os negros, mas para todas as pessoas. Como muitos outros radicais, ela viu o desenvolvimento do poder chicano, nativo-americano e das mulheres como uma consequência esperada da ênfase do Black Power na libertação e autodeterminação.

Como co-facilitadora (junto com Ossie Davis) do workshop de mídia da Conferência, Kennedy usou a sessão para discutir estratégias para desafiar a mídia, enfatizando a importância de compartilhar informações táticas através de linhas de movimento. Não muito tempo depois do início do workshop, Kennedy foi interrompida por uma comoção no fundo da sala. A rainha-mãe Moore estava de pé exigindo que duas intrusas brancas sentadas na última fila fossem convidadas a sair.

Moore, que havia fundado o Comitê de Reparações em 1962, era uma voz poderosa nos círculos nacionalistas negros. Sua voz gritou por toda a sala: “Essas mulheres brancas têm que sair! Esta reunião é apenas para negros!”Ativistas sentados nas primeiras filas se viraram para ver as feministas brancas e as integrantes do NOW, Ti-Grace Atkinson e Peg Brennan, encolhendo-se em seus lugares enquanto Moore pairava sobre elas.

Do palco, Kennedy rapidamente veio em defesa delas: “Elas são minhas convidadas! Eu não convido as pessoas para algum lugar e depois digo para irem embora!” Mas Moore e os outros participantes não se importavam que as mulheres fossem convidadas, eles apenas queriam que elas saíssem. O movimento Black Power deveria ser diferente da luta pelos direitos civis, onde a participação branca era diretamente encorajada. Em contraste, o Black Power promoveu a política negra independente, e a participação branca na conferência ameaçou atrapalhar essa meta.

Quando a discussão entre Kennedy e Moore se intensificou, a sala ficou tensa e os corpos começaram a se erguer de seus assentos. Atkinson se lembra de alguém no meio da multidão ameaçando matar Kennedy por trazer mulheres brancas para a Conferência Black Power. “Faça o que tem que fazer”, respondeu Kennedy. “Eu vivi a minha vida.”

Outro convidado indesejado na sala escapou do ultraje focado em Atkinson e Brennan. O agente do FBI que acompanhava Kennedy na conferência observou como ela se tornara mais barulhenta e mais agressiva ao “direcionar palavrões aos negros presentes e se recusar a pedir às brancas presentes que fossem embora”.

Com medo do que poderia acontecer a seguir, Brennan “saiu de lá rapidamente”. Quando Kennedy viu Brennan sair, ela ordenou a Atkinson “fique onde está!” Titubeando, Atkinson congelou, sem ousar deixar a cadeira. Para sua surpresa, Moore e seus apoiadores acabaram cedendo. Kennedy e os outros facilitadores voltaram às apresentações com Atkinson ouvindo em silêncio, olhando fixamente para os pés dela.

Anos mais tarde, Atkinson descreveu sua decisão de comparecer à conferência como “louca”. No entanto, ela estava profundamente agradecida pela oportunidade que Kennedy lhe proporcionara de testemunhar o movimento Black Power durante seus anos de formação. Ouvir ativistas negros traçar estratégias e formular resoluções em workshops “transformou” sua florescente política feminista. Atkinson comentou:

“Ela estava sempre tentando juntar as coisas e tenho que dizer que, de várias maneiras, talvez tenha sido uma má ideia, ou desajeitada ou difícil. Mas é por isso que pessoas como eu se transformaram realmente não apenas em termos de política em geral, mas mesmo em termos de feminismo. Aprofundou tudo.”

Kennedy começou a ajudar as feministas brancas a aprender com o movimento Black Power quando ela entrou para a história da NOW em Nova Iorque apenas oito meses antes da Conferência Black Power. Ela frequentemente convidava jovens feministas como Atkinson, Brennan e Anselma Dell’Olio para o Black Power e para as reuniões e marchas contra a Guerra do Vietnã.

Atkinson lembra como Kennedy queria que as jovens feministas testemunhassem “um grupo de pessoas em transição e evolução”. O confronto na oficina da conferência revela muito sobre o valor que Kennedy depositava nas feministas brancas que aprendiam com a luta Black Power e se tornavam um braço adicional na batalha para derrotar o estado repressivo.

“Nós estávamos observando e copiamos”

Apenas algumas semanas depois, Kennedy e outros delegados da Conferência Black Power participaram da primeira convenção da Conferência Nacional para Novas Políticas (NCNP) em Chicago, de 31 de agosto de 1967 a 1 de setembro de 1967. Os organizadores brancos da conferência esperavam especialmente que a reunião unisse o poder negro e os movimentos dos direitos civis com libertários brancos e radicais do movimento pela paz.

Frustrados pelo fracasso da conferência em incluir os negros no estágio inicial de planejamento, alguns delegados negros saíram e anunciaram sua própria convenção. A maioria, que permaneceu, formou seu próprio Black Caucus e exigiram apoio para as resoluções da Conferência de Newark, a organização de comitês “brancos civilizatórios” nas comunidades brancas para eliminar o racismo, apoiar todas as guerras de libertação nacional em todo o mundo e 50% de poder de voto em todos os comitês.

Enquanto muitos organizadores brancos apoiaram essas demandas, muito debate surgiu sobre a provisão de 50%, dado que os negros constituíam apenas 15–20% dos delegados. A maioria dos repórteres e alguns esquerdistas brancos viram a aceitação das demandas como uma concessão de vantagem injusta e antidemocrática aos negros. Para os conferencistas do Black Caucus, no entanto, era importante que os negros que lutassem nas linhas de frente e enfrentassem o peso dos ataques do Estado recebessem poder significativo na liderança do movimento.

Em um ensaio publicado na revista islâmica Press International, Kennedy desafiou os “delegados dissidentes” e repórteres que argumentavam que dar aos Black Power 50% dos votos significava que os ativistas brancos tinham “lambido as botas pretas”, afirmando que “as pessoas brancas não lambem botas quando fazem uma boa aliança, sr. Racista.”. A “ascensão construtiva do Black Power pode ser a única esperança que a América tem”, explicou ela. Organizadores como Kennedy, Jim Forman e H. Rap ​​Brown queriam que a esquerda branca entendesse que, para serem aliados antirracistas eficazes, os ativistas brancos da NCNP tinham que entender a importância da autodeterminação dos negros.

O protesto do Black Caucus forneceu uma estrutura para as feministas entenderem como se organizar separadamente, inspirando as mulheres a criarem sua própria agenda que desafiou a hegemonia da liderança masculina, tanto na convenção quanto no novo movimento de esquerda em geral.

Participantes como Kennedy, Jane Adams (SDS), Shulamith Firestone, Ti-Grace Atkinson e Jo Freeman (SCLC) estiveram ativas em organizações ou grupos de estudo que discutiam a libertação das mulheres e também trabalham com direitos civis e/ou novos movimentos de esquerda. A maioria dessas mulheres participou do Workshop de Mulheres da NCNP. No entanto, algumas sentiram que seus líderes se concentravam mais em desafiar a guerra do que em confrontar a opressão sexista.

De acordo com Freeman, ela e Firestone ficaram acordadas a noite toda, criando novas resoluções que tomavam uma posição mais direta contra a opressão das mulheres. Seguindo o exemplo do Black Caucus, elas exigiram 51% dos votos da convenção, argumentando que as mulheres representavam 51% da população. Elas também insistiram que a convenção apoiasse a igualdade total das mulheres na educação e no emprego, condenasse a mídia de massa por perpetuar os estereótipos das mulheres, se unisse a várias lutas de libertação e reconhecesse que a maioria das mulheres negras é duplamente oprimida.

As mulheres ameaçaram encerrar a conferência com moções de procedimento se suas resoluções não fossem debatidas no plenário da convenção. Os organizadores da conferência finalmente concordaram e adicionaram as resoluções das mulheres à agenda. No entanto, William Pepper, diretor executivo do NCNP, rapidamente dispensou as mulheres quando chegou a hora de ler suas resoluções.

Frustradas, várias mulheres correram para o microfone e tentaram fazer suas resoluções serem ouvidas. Num movimento infame, Pepper deu um tapinha na cabeça de Shulie [Firestone] e disse: “saia da frente, menininha, temos questões mais importantes para falar aqui do que Libertação Feminina”. Esse incidente passou a representar a “gênese” do movimento radical, predominantemente branco, de libertação das mulheres.

Kennedy saudou a criação de um Workshop de Mulheres e insistiu que a opressão das mulheres fosse abordada no plenário da convenção. De fato, ao mesmo tempo em que Freeman e Firestone escreviam suas resoluções, Kennedy estava em seu quarto de hotel treinando Atkinson para escrever e disseminar uma declaração que abordasse as conexões entre o sexismo, o racismo e o imperialismo. Todas as noites, Kennedy voltava para a sala e compartilhava suas experiências no Black Caucus com Atkinson e outras feministas brancas do NOW. Atkinson observou que Kennedy tinha uma “profunda… influência… em algumas de nós… estávamos observando e copiamos” a estratégia do Black Caucus.

Anos depois, Atkinson e Brennan lembraram que Kennedy as ajudou a entender a importância de apoiar outros movimentos sociais como parte de sua política feminista. Atkinson descreveu como Kennedy empurrou as feministas brancas a apoiar os movimentos negros porque para “Flo, era realmente fundamental (…) expandir a compreensão e o apoio”.

Kennedy via a organização feminista na conferência como o tipo de empréstimo prático de táticas de movimento que precisavam ocorrer entre as organizadoras. Tanto Kennedy quanto Atkinson esperavam que as participantes do Workshop das Mulheres (maioritariamente brancas) continuassem lutando para acabar com o racismo, o sexismo e o imperialismo depois que saíssem da conferência.

A declaração que Kennedy treinou Atkinson para escrever enfatizava as lutas que os negros estavam travando na conferência e em todo o país, descrevendo a opressão racial como o problema mais “justificadamente imediato”. Mas a declaração foi um passo além, argumentando que “a discriminação contra os negros deveria nos lembrar da discriminação que afeta as mulheres”.

Usando estatísticas da declaração de propósito da NOW, Atkinson e Kennedy rejeitaram a noção então popular de que as mulheres não eram um grupo oprimido. Elas pediram aàs participantes do Workshop de Mulheres que seguissem a liderança do Black Caucus e pressionassem pela sua própria libertação.

Por meio de uma lista detalhada de sugestões de “ação imediata”, Atkinson e Kennedy enfatizaram as conexões entre a opressão específica das mulheres e a responsabilidade das mulheres em apoiar amplamente os movimentos sociais. Elas chamaram especial atenção para o fato de que as mulheres não eram apenas brancas. A declaração também repetiu os pontos de vista de Kennedy de que as mulheres devem entender seu “poder de compra” como consumidoras e “impor suas exigências aos meios de comunicação, negócios e governos irresponsáveis”; participar de todas as atividades que afetam a comunidade; e “assumir a liderança na autodeterminação para mulheres e crianças”.

No entanto, foi uma das últimas sugestões que ressaltou mais plenamente a compreensão de Kennedy sobre as maneiras pelas quais as mulheres brancas deveriam se engajar na organização feminista. Como as feministas, Kennedy afirmava, suas políticas exigiam que fossem antirracistas e anti-imperialistas e estivessem firmemente unidas a essas lutas:

“As mulheres da Nova Política devem assumir sua responsabilidade política apoiando ativamente os protestos, como os protestos contra o alistamento e os protestos nas comunidades negras. Esse apoio deve ser ativamente demonstrado por meio de protestos contra atividades de policiamento criminal e por meio do comparecimento a processos judiciais que envolvam projetos de resistência, manifestantes negros ou manifestantes acusados. As mulheres devem aumentar seu apoio àqueles que suportam o ônus real de seus compromissos morais declarados ”.

Com a NCNP chegando ao fim, Kennedy retornou a Nova York, onde continuaria a vincular feminismo, antirracismo e anti-imperialismo como membro da NOW.

NOW & Black Power

Image for post
Da esquerda para a direita: Ti-Grace Atkinson, Flo Kennedy, Gloria Steinem e Kate Millet

Embora a NOW tivesse sido fundada em Washington, DC em 1966, a filial de Nova York, fundada em janeiro de 1967, rapidamente se tornou a maior e mais ativa frente. Kennedy, juntamente com as feministas negras Shirley Chisholm e Pauli Murray e as feministas brancas Kate Millet e a presidente nacional da NOW, Betty Friedan, foram todas membros iniciais do NOW.

Kennedy se juntou ao grupo com o objetivo de trabalhar com mulheres e homens em questões que afetam todas as mulheres. Para ela, isso significava não apenas desafiar a discriminação sexista no trabalho e as leis repressivas de reprodução, mas também protestar contra a Guerra do Vietnã e lutar pela libertação negra. Ela estava especialmente focada em feministas brancas a apoiar o movimento Black Power.

Tanto Kennedy quanto Atkinson ficaram inspiradas pelo sucesso da Black Caucus em aprovar suas resoluções na NCNP e queriam continuar a discussão da conferência sobre o Black Power, em casa. Com isso em mente, Atkinson sugeriu que um painel fosse realizado na reunião de novembro da NOW para discutir o relacionamento do Black Power com o movimento das mulheres. Kennedy e Atkinson convidaram os organizadores da Conferência Black Power de Newark, Nathan Wright e Omar Ahmed, bem como Betty Shabazz e uma delegada da Black Caucus da NCNP, Verta Mae Smart-Grosvenor.

Os minutos introdutórios da reunião fornecem informações raras sobre o que algumas feministas brancas tiraram da discussão. Ao lado do nome de cada palestrante, a secretária do NOW descreveu brevemente a afiliação do palestrante ao movimento Black Power e registrou impressões gerais de sua apresentação. Para o líder do Black Power, Nathan Wright, ela ironicamente escreveu o que ela acreditava ser a soma total de sua palestra — “você está me oprimindoh!”

O mimetismo ridículo do dialeto negro ilustra os modos desdenhosos que algumas feministas brancas encaravam o Black Power e suas preocupações, deixando de desafiar seu próprio racismo. Além disso, fornece uma visão da cultura organizacional repressiva do NOW e das lutas de poder interpessoais e racistas que afetariam a organização.

Embora a liderança do NOW não estivesse interessada no painel “Black Power e as Mulheres”, Friedan ainda esperava que Atkinson pudesse ser um trunfo para o conselho de administração do grupo. Ela via Atkinson como uma protegida que acabaria superando sua curiosidade sobre o Black Poiwer e o radicalismo dos anos 60 que Kennedy havia desencadeado. Friedan estava confiante de que o “sotaque da cidade grande e a boa aparência loira da Atkinson seriam perfeitos… para arrecadar dinheiro” de outras mulheres brancas. Com essas esperanças em mente, Friedan votou em Atkinson para assumir a presidência da seção de Nova York do NOW.

Não demorou muito para que ela se arrependesse de sua decisão. Em poucos meses, Friedan se cansou das tentativas contínuas de Kennedy e Atkinson de radicalizar o NOW. Ela via o fascínio de Atkinson pelo radicalismo militante como potencialmente impeditivo do crescimento do movimento feminista e também era altamente crítica em relação ao novo movimento de libertação das mulheres.

No verão de 1968, grupos como Mulheres Radicais de Nova Iorque e o Cela 16 realizavam protestos e grupos de estudo desafiando as ideias tradicionais de feminilidade. Friedan acreditava que essas mulheres “hippies” tinham pego emprestado demais do Black Power e dos novos movimentos de esquerda e “porque elas tinham aparado seu olhar político nas doutrinas da guerra de classes aplicadas ao problema da raça, elas tentavam literalmente adaptar a ideológica de classe e raça à situação das mulheres”.

Assim, Friedan argumentava, feministas radicais como Atkinson minaram o movimento de mulheres com suas ideias abstratas de separatismo, “misandria” e “guerra sexual” das mulheres. Essa insistência em dividir as preocupações feministas “legítimas” do interesse das feministas radicais no Black Power e no radicalismo da nova esquerda atormentou o capítulo do NOW em Nova Iorque. O conflito chegou ao auge durante a reunião de 17 de outubro de 1968.

Formando o movimento de 17 de outubro

A tensão entre a liderança nacional do NOW e as feministas radicais da seção de Nova York vinha crescendo constantemente desde o painel “Black Power e Mulheres”. Foi aguçada após Atkinson e Kennedy assumirem a causa de Valerie Solanas. Solanas era a autora do Manifesto da SCUM [Sociedade para Cortar os Homens] e tinha atirado em Andy Warhol porque alegou que ele a defraudara.

Naquele verão, Kennedy concordou em representar Solanas. Ela e Atkinson tentaram pintar Solanas como uma feminista radical pegando em armas contra a opressão sexista. Friedan ficou furiosa por elas e outras feministas do NOW estarem se alinhando com essa causa ou com o radicalismo em geral.

Enquanto isso, as feministas mais radicais da NOW estavam discutindo maneiras de transformar a organização para que ela lutasse não apenas para “colocar mulheres em posições de poder”, mas para “destruir as posições de poder”. Friedan tentou impedir que as “loucas” assumissem a organização votando contra a reeleição de Atkinson para a presidência.

Friedan acreditava que Atkinson sabia que não seria reeleita, e que, num esforço para frustrar o inevitável, “apresentou uma proposta para abolir o cargo de presidente e a eleição democrática de oficiais (…) que permitiria que as ‘loucas’ assumissem o controle” e manipulassem as decisões, sem prestar contas à membresia. ” Atkinson, por outro lado, lembrou sua proposta de reestruturar a presidência como um esforço para ajudar a tornar o NOW mais eficiente e manter o modelo participativo de liderança que era uma filosofia comum circulando no movimento negro e novos movimentos de esquerda.

Poucos dias antes da reunião de integrantes da NOW, um pequeno grupo de feministas radicais se reuniu no apartamento de Atkinson para discutir como poderiam levar a seção a uma nova direção e resolver o crescente facciosismo. Algumas das mulheres até ameaçaram deixar a organização se a moção para haver presidentes rotativas não fosse aprovada.

No dia da reunião de membros, Atkinson permaneceu em silêncio enquanto Kennedy e outras “instigaram um experimento de democracia participativa”. Kennedy lembra que a discussão foi muito controversa quando algumas das líderes do NOW começaram uma ladainha de “vaia e barulho” enquanto as feministas radicais apresentavam suas ideias. Não surpreendentemente, a moção para criar uma presidência rotativa foi derrotada.

Atkinson deixou a reunião presumindo que suas colegas feministas cumpririam com a ameaça original de renunciar. Ela foi para casa e escreveu uma carta renunciando à NOW e um comunicado de imprensa criticando a NOW por “defender a hierarquia dos cargos” e não entendendo que “a luta contra as relações de poder desiguais entre homens e mulheres exige combater o poder desigual em todos os lugares”. Ela logo percebeu que “foi a única que renunciou.” Atkinson lembrou que Friedan estava “chocada porque … [ela] achava que todas as jovens iriam sair junto [comigo]”. Encorajada por essa descoberta, Friedan passou a dar declarações públicas que descreviam como Atkinson deixou a NOW sozinha.

Kennedy nunca prometera sair da NOW caso a votação fosse derrotada. Ela pretendia ficar, embora não estivesse satisfeita com o resultado da reunião. Mas, uma vez que Friedan divulgou declarações ridicularizando Atkinson como marginal e insignificante para o movimento das mulheres, ela mudou de posição e renunciou imediatamente. “Eu vi a importância de um movimento feminista”, diz ela, “e fiquei lá porque queria fazer qualquer coisa para mantê-lo vivo, mas quando vi o quão estúpido era a NOW, pensei: ‘meu Deus, pra quê isso?’”

A carta de renúncia de Kennedy listava muitas razões para sair da NOW, particularmente o assédio às feministas radicais que tentaram pressionar a organização para uma direção mais progressista. Kennedy ficou indignada com o racismo de Friedan e seu fracasso em apoiar a libertação negra e movimentos anti-guerra. Kennedy afirmou que ela não era o tipo de ativista que tinha lutado pelo controle de uma organização e, em momentos como esses, ela se lembra de pensar: “Eu não posso perder meu tempo com essa besteira” e, muitas vezes, se “desligava e montava uma [nova] comissão. ”

Atkinson e Kennedy foram as dois únicas membros a se demitir oficialmente da NOW, formando um novo grupo feminista radical, o Movimento 17 de Outubro (dia em que Atkinson deixou a NOW). A história do Movimento de 17 de Outubro ocupa um lugar de destaque no nascimento da luta feminista radical predominantemente branca e é comumente citada como um exemplo da divisão entre feminismo liberal e radical, ou entre gerações mais velhas e mais jovens de feministas brancas.

Nessa história muito contada, está em falta a centralidade da feminista negra Flo Kennedy e sua liderança em ajudar as jovens feministas da NOW a adotarem uma visão mais ampla do feminismo. De fato, o Movimento 17 de Outubro refletiu a preocupação de Kennedy de que o movimento feminista se concentrasse nas conexões entre o sexismo, o imperialismo e o racismo. Atkinson frequentemente descreveu o Movimento 17 de Outubro como “uma coalizão de ação do movimento estudantil, do movimento de mulheres e do movimento negro” e determinada a acabar com todas as formas de opressão.

Enquanto o fracasso da NOW em ver o feminismo em termos mais abrangentes ajudara a criar o Movimento 17 de Outubro e o feminismo radical, Kennedy se posicionava firmemente na outra ponta, ajudando a empurrar jovens feministas brancas para uma práxis feminista negra interseccional que chamou a atenção para o Black Power.

A história de como o movimento feminista radical predominantemente branco foi diretamente influenciado pelo Black Power e por Flo Kennedy nos ajuda a mover o feminismo negro e o Black Power para fora das margens da história do movimento feminista da segunda onda e mais perto de seu centro. Enquanto o Movimento de 17 de Outubro mais tarde mudaria seu nome para “As Feministas” e perderia muito de sua agenda ideológica anti-racista — e, assim, todas as suas membros negras — suas origens oferecem uma janela para um momento em que feministas brancas radicais tentaram criar uma práxis feminista negra interseccional.

Como fundadora do movimento feminista radical, Kennedy insistiu que o movimento cumprisse seu título “radical” olhando para além de um foco limitado à opressão das mulheres brancas. Sua história também demonstra que, enquanto os movimentos e organizações dos anos 60 costumavam erigir muros, essas fronteiras (especialmente durante o período nascente) eram muito mais porosas do que os acadêmicos tinham reconhecido anteriormente.

Florynce Kennedy foi uma grande força na fertilização cruzada de ideias dos movimentos e na criação de importantes alianças políticas. Ela entendeu que “se você está lutando pela libertação das mulheres ou pela liberação negra, você está lutando contra os mesmos inimigos.”. Seu objetivo final era que organizações e ativistas se concentrassem em derrotar o que ela argumentava ser o verdadeiro opressor: “o establishment racista sexista genocida.”


Obras Citadas

Alice Echols, Daring to be Bad: Radical Feminism in America, 1967–1975 (Minneapolis: University of Minnesota Press, 1989).

Robin Kelley, Freedom Dreams: The Black Radical Imagination (Boston: Beacon Press, 2002).

Flo Kennedy, Color Me Flo: My Hard Life and Good Times (Englewood Cliffs: Prentice-Hall, 1976).

Benita Roth, Separate Roads to Feminism: Black, Chicana, and White Feminist Movements in America’s Second Wave (Cambridge: Cambridge University Press, 2004).

Florynce Kennedy Papers, unprocessed manuscript collection, in the possession of Joyce Kennedy-Banks, East Orange, New Jersey.

copyright by Sherie M. Randolph

ATC 152, May-June 2011


Texto de Sherie M. Randolph, todos os direitos reservados à autora.
Tradução de Aline Rossi @ Feminismo Com Classe

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui