Robôs sexuais aumentam potencial de violência baseada no sexo
Robôs sexuais aumentam potencial de violência baseada no sexo

Robôs sexuais viraram manchetes depois que a comediante americana Whitney Cummings lançou um robô com sua própria aparência para o seu especial da Netflix chamado “Can I Touch It?” (Posso tocar?) A RealBotix, a empresa que criou o robô da Cummings, diz que houve uma onda de demanda por seus robôs desde o especial.

Robôs sexuais têm estado sob demanda há algum tempo. A indústria de brinquedos sexuais é uma das indústrias que mais crescem no século XXI, com um patrimônio líquido estimado em US$ 30 bilhões. Mais de 40% dos homens que participaram de uma pesquisa on-line disseram que podiam considerar comprar um robô sexual nos próximos cinco anos.

Em 2017, a RealBotix criou o primeiro robô sexual do mundo com inteligência artificial (IA), chamava-se Harmony. Com as rápidas mudanças no desenvolvimento da IA e o aumento da demanda, é necessário considerar as implicações éticas dos robôs sexuais no comportamento cognitivo e emocional.

Na Neuroethics Canada, analisamos diariamente questões na interseção de ética, neurociência e neurotecnologia. Farhad Udwadia é estudante de medicina na Universidade da Colúmbia Britânica e graduada no programa de Mestrado em Bioética da Harvard Medical School. Judy Illes é professora de neurologia na Universidade da Colúmbia Britânica e escreve sobre ética, neurociência e direitos das mulheres há muitos anos.

Reforço dos estereótipos de gênero

Um dos problemas éticos que acompanham o uso generalizado de robôs como a Harmony é o potencial para reforçar os nocivos estereótipos sexistas. Isso pode acontecer tanto por conta da aparência de Harmony, quanto pelos papéis programados em sua identidade.

A aparência física de Harmony reflete expectativas estereotipadas da beleza das mulheres — por exemplo, seios grandes e cintura pequena. Tais estereótipos hiperssexualizados sobre como uma mulher fisicamente atraente deve ser são perigosos. Estudos mostraram que o retrato hipersexualizado de mulheres na mídia está ligado ao assédio sexual e ao aumento da violência contra as mulheres.

A construção de robôs sexuais, dessa forma, reforça ideias negativas sobre identidade e papéis nas relações sexuais. Segundo Harmony, seu principal objetivo é ser a companheira perfeita para o seu usuário. Mas os robôs sexuais não gostam ou desgostam, não têm fortes opiniões, são incapazes de dizer não e recusar ou de retirar seu consentimento e sempre se submetem aos seus usuários. Isso distorce as ideias do papel de uma companheira e pode influenciar as expectativas dos usuários do sexo masculino na vida real.

O Lobby de Mulheres da Suécia e outras organizações até pediram a proibição de robôs sexuais com base nessas preocupações.

As estudiosas feministas estão preocupadas que a maneira como os robôs são programados atualmente possa ter impactos adversos na maneira como os usuários do sexo masculino praticam o consentimento em seus relacionamentos sexuais humanos e até catalisem comportamentos humanos indesejáveis, como a agressão.

Potencial de comportamento humano prejudicial

A indústria de robôs sexuais é quase exclusivamente voltada às necessidades dos homens heterossexuais. Conforme articulado pela advogada Sinziana Gutiu, “o robô sexual é uma parceira sexual que sempre consente e o usuário tem controle total do robô e da interação sexual”. Em outras palavras, os usuários podem fazer o que quiserem com seus robôs, sem repercussões.

Imagem: Shutterstock

Estudos demonstraram que a representação de atos violentos na pornografia se traduz em aumento da agressão no comportamento dos espectadores; isso levanta preocupações alarmantes sobre como os robôs sexuais afetarão a violência baseada no sexo.

A preocupação é que, se as relações homem-robô continuarem a ocorrer dessa maneira, existe a possibilidade de mudar a maneira como os usuários veem e praticam o consentimento em suas relações humanas, com consequências negativas para as mulheres.

Atos de violência contra robôs sexuais também foram observados em todo o mundo nos últimos anos. Isso inclui incidentes de decapitação, mutilação e molestação. Para indivíduos que podem estar inclinados a agir dessa maneira, a disponibilidade de um robô para violação pode alimentar esses comportamentos.

Pesquisas mostram que homens que foram expostos a pornografia violenta têm maior probabilidade de se comportar violentamente em relação às mulheres em suas vidas. Composto pelo fato de que um relacionamento sexual real é muito mais imersivo do que assistir pornografia, é preocupante o potencial de comportamento agressivo transitar para a sociedade.

Direitos do robô

Um futuro em que as relações humano-robô são desprovidas de valores humanos fundamentais, como respeito e consentimento, é preocupante. Talvez, conceder aos robôs algum tipo de consideração humana possa mitigar esse desafio. Em 2017, a Arábia Saudita ganhou as manchetes ao conceder cidadania a um robô pela primeira vez na história da humanidade.

Pouco tempo depois, o Parlamento Europeu propôs a criação de uma categoria pessoal eletrônica para garantir os direitos dos sistemas de IA mais capazes. Isso é semelhante ao status de personalidade corporativa, que é a noção legal que permite que uma corporação desfrute de alguns dos direitos que normalmente são concedidos aos seres humanos.

A maneira como os robôs sexuais são programados atualmente é obviamente problemática. Incentiva a pornificação das mulheres, desvaloriza o consentimento e não pune a violência e a agressão. Fornecer máquinas inteligentes e um tanto autônomas com um conjunto completo de direitos é excessivo, mas encontrar maneiras de protegê-las contra danos é uma solução positiva. Essa abordagem ética pode impedir o comportamento humano prejudicial e, por sua vez, nos proteger de nós mesmos.


Autores: Judy Illes e Farhad R. Udwadia, The Conversation

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui