As mulheres de Standing Rock estão construindo economias soberanas
Protetoras da Água de diferentes convicções se reuniram em círculos de debates no Rancho Borderland, em Pe’Sla, coração das sagradas Black Hills, durante o primeiro Encontro de Irmãs Soberanas. No centro, estão Cheryl Angel em vermelho e branco e, à esquerda, Lyla June. Foto de Tracy Barnett

Para a protetora da água de Sicangu Lakota, Cheryl Angel, Standing Rock a ajudou a definir contra quê ela se opõe: uma economia enraizada na extração de recursos e na exploração de pessoas e do planeta. Foi só quando tomou alguma distância que ela conseguiu focar a visão naquilo que realmente defende.

“Agora entendo que economias soberanas sustentáveis ​​são necessárias para substituir o sistema que apoiamos através do nosso poder de compra”, disse ela. “Nossos antigos ensinamentos transmitem todas essas economias nas famílias tradicionais.”

Juntamente com outras líderes da linha de frente de Standing Rock, incluindo a historiadora de Lakota, LaDonna Brave Bull Allard, e a artista e ativista Lyla June (Lyla June Johnston), Angel começou a agir nesse objetivo em junho, no Rancho Borderland, em Pe’Sla, nos campos situados no coração de Black Hills, em Dakota do Sul. Quase 100 protetoras de água indígenas e aliadas não-indígenas se reuniram lá durante uma semana para tomar medidas para estabelecer uma economia soberana.

A primeira Reunião Anual de Irmãs Soberanas reuniu mulheres e aliadas para falar sobre como se opor à economia industrializada atual e estabelecer um novo modelo, no qual as mulheres indígenas recuperam e reafirmam sua soberania sobre si mesmas, seus sistemas alimentares e suas economias.

“Quando nós, como povo, perdemos nosso autopoder? Quando é que esperamos que o governo nos dissesse se poderíamos ou não ter assistência médica? Quando esperamos que eles nos alimentassem?”, perguntou Allard. “Quando foi que esperamos pela criação de leis e políticas para termos uma comunidade? Quando isso aconteceu?”

Image for post
As Irmãs Soberanas dirigiram-se a Rapid City, Dakota do Sul, durante a reunião, para participar de um protesto na audiência em tribunal sobre o Riot Booster Act, um projeto de lei apresentado pela Governadora Kristi Noem com o objetivo de criminalizar os manifestantes. — Foto de Tracy Barnett

“Demos nosso poder a uma entidade que não merece nosso poder”, acrescentou ela, referenciando o moderno sistema industrial corporativo. “Devemos recuperar esse poder. Devemos recuperar nossos próprios cuidados de saúde. Devemos pegar de volta nossa própria comida. Devemos retomar nossas famílias. Devemos recuperar o nosso ambiente. Porque vocês veem o que está acontecendo. Demos poder a uma entidade, e a entidade está destruindo nosso mundo ao nosso redor.”

Allard, June e Angel compartilharam um pouco do trabalho que estão fazendo para estabelecer a soberania, cada uma à sua maneira, desde os acampamentos de Standing Rock.

LaDonna Brave Bull Allard: plantando sementes

Como a mulher que estabeleceu o primeiro acampamento protetor de água em Standing Rock — chamado Campo da Pedra Sagrada — e emitiu um pedido de apoio que lançou um movimento, Allard aprendeu muito sobre soberania e empoderamento durante a batalha contra o oleoduto Dakota Access.

Quando os campos começaram a desmontar nas últimas semanas do levante, ela frequentemente respondia à pergunta: “O que fazemos agora?”

A resposta de Allard era simples: “Plante sementes”.

Image for post
A anciã de Lakota, LaDonna Brave Bull Allard, juntou-se a uma van cheia de colegas residentes da Vila da Pedra Sagrada que fizeram a viagem de cinco horas de Standing Rock para se juntar ao Encontro de Irmãs Soberanas. — Foto de Tracy Barnett

Plantar sementes é o que Allard vem fazendo desde o acampamento de Standing Rock, enquanto trabalha com seus vizinhos e com aqueles que permaneceram no Campo de Pedra Sagrada em direção a uma visão de uma comunidade sustentável.

Digo às pessoas que nosso primeiro ato de soberania é plantar alimentos”, disse Allard. “Nosso primeiro ato é cuidar de nós mesmos. Portanto, não importa o que façamos, se não estamos cuidando de nós mesmos, já falhamos.”

Hoje em dia, o autocuidado é mais importante do que nunca”, ela diz, “com a crise climática acelerada, algo que os nativos estão cientes e esperam acontecer há muito tempo”. “Não estamos preocupados, estamos nos preparando”, disse ela.

A Sacred Stone Village instalou quatro microrredes de energia solar e dois reboques solares móveis usados ​​para conectar áreas residenciais que também podem ser levadas para a estrada para treinamentos, e a cidade vizinha de Cannon Ball abriu uma fazenda solar inteira. Eles estão plantando árvores frutíferas e cultivando jardins, engordando galinhas, estocando lenha. E, de certa forma, a vida na reserva já é uma preparação em si.

Na reserva Standing Rock, como sabe, estamos abaixo do nível de pobreza, e muitas pessoas vivem de comércio e troca. Muitas pessoas vivem em casas sem eletricidade e água corrente. Queimamos madeira para aquecer nossas casas ”, disse Allard. “O que encontro nas grandes cidades são pessoas que não sabem viver. E o ambiente deles — se você tirasse a eletricidade e o petróleo, o que eles fariam? Já sabemos como viver sem essas coisas.”

Image for post

Lyla June: A floresta como fazenda

June. Musicista, estudiosa e ativista norte-americana da Diné/Cheyenne/Europe, passou a focar na soberania alimentar através do seu trabalho para revitalizar os sistemas alimentares tradicionais. Atualmente, ela está em um programa de doutorado em sistemas alimentares e línguas tradicionais na Universidade do Alasca, onde trabalha com idosos indígenas de todo o país para revelar a genialidade dos cultivadores originais do continente.

Acho que há uma enorme mitologia de que os nativos daqui eram simplórios, eram nômades primitivos e corriam seminus pela floresta, comendo na mão tudo o que podiam encontrar”, disse ela. “É assim que a Europa nos retrata. E nos retratou dessa maneira por tantos séculos que até começamos a acreditar que éramos assim.”

“A realidade é que as nações indígenas na Ilha das Tartarugas eram altamente organizadas. Eles povoaram densamente a terra e a administraram extensivamente. E isso tem muito a ver com comida, porque uma grande motivação para podar a terra, queimar a terra, semear a terra e esculpir a terra era alimentar nossas nações. Não apenas nossas nações, mas outras nações animais também.”

June fica intrigada com as amostras do núcleo do solo que mergulham milhares de anos no passado; a análise do pólen fossilizado, vestígios de carvão e composição do solo revela muito sobre as práticas de uso da terra ao longo dos tempos. Por exemplo, em Kentucky, uma amostra do núcleo do solo que remonta a 10000 anos mostra que há cerca de 3000 anos a floresta era dominada por cedro e cicuta. Porém, cerca de 3.000 anos atrás, toda a composição da floresta mudou para nogueira preta, olmo, carpa, castanha e bolota; espécies comestíveis, como os pés de ganso e o sabugueiro aquático, começaram a florescer.

Então, essas pessoas — sejam lá quem forem, que mudaram para cá há cerca de 3000 anos — mudaram radicalmente a aparência e o sabor da terra”, disse ela.

O mesmo fizeram os colonizadores, mas de uma maneira muito diferente. Os custos para o sistema alimentar como resultado da colonização, ela disse, estão se tornando claros, e a crescente pressão da crise climática está tornando uma mudança imperativa.

“Quando começamos a esperar que os outros nos alimentassem? Isso não será mais uma questão de luxo”, afirmou June.

Além da vulnerabilidade dos monocultores a eventos climáticos extremos, essas culturas agrícolas industriais também dependem de pesticidas e herbicidas. Além disso, as pragas estão se adaptando, produzindo insetos e superervas resistentes a produtos químicos.

Estamos ficando indefesos em nosso sistema alimentar, e está bastante precário agora”, disse ela. “Os pobres animais que cultivamos também estão no precipício… então estamos em um estado em que provavelmente deveríamos começar a nos fazer essa pergunta agora, antes de sermos forçados a fazê-la, e lembrar a alegria de nos alimentarmos”.

Essa é a intenção de June: pegar o que aprendeu de um ano de aprendizado com idosos indígenas em diferentes bio regiões e depois voltar para casa em Diné Bikéyah — território navajo — para aplicar, regenerando os sistemas alimentares tradicionais navajos em um projeto de pesquisa-ação interativo voltado para o ensino e aprendizado, aprimorando técnicas a cada ano.

“Espero que, no final de três ou quatro anos, sejamos fluentes em nosso idioma e em nosso sistema alimentar”, afirmou June. “E estaremos operando como uma equipe — e teremos uma história de sucesso que outras tribos podem procurar, modelar e inspirar”.

O objetivo a longo prazo, disse ela, é criar uma escola autônoma que ensine cultura tradicional, idioma e sistemas alimentares que possam servir de modelo para outras comunidades indígenas.

Cheryl Angel: Criando Comunidades Soberanas

Para Angel, a soberania é melhor expressa na criação de comunidade — as comunidades temporárias criadas em reuniões, como no Encontro de Irmãs Soberanas, mas também em comunidades mais permanentes, como na Sacred Stone Village.

Parte de ser soberana está no fortalecimento e reconstrução das economias compartilhadas, disse ela. E parte disso está na redução do desperdício, rejeitando o consumismo desenfreado e os aspectos prejudiciais do sistema industrial moderno, como plásticos de uso único e produtos químicos tóxicos.

Image for post
Cheryl Angel em um círculo de conversas noturnas, compartilhando reflexões sobre seus ancestrais de Lakota. — Foto: Tracy Barnett

“Nós nunca falamos de “ter direito a”; é por isso que não tínhamos reis. Nós estávamos reverenciando, honrando, relacionados a tudo ao nosso redor. Todos esses espíritos vivos à nossa volta… Esse é o sistema sobre o qual ninguém está falando, e que precisa ser protegido.”

Vi tudo isso acontecer em Standing Rock; todos vieram com todas as suas habilidades e trouxeram suas economias — e estavam medicando pessoas, curando pessoas, alimentando pessoas, cozinhando para pessoas, treinando pessoas, fazendo pessoas rirem — estavam fazendo de tudo. Tudo o que precisávamos chegou a Standing Rock.”

Apesar do dinheiro que a empresa de gasodutos gastou para reprimir a revolta, disse ela, os protetores de água de todo o mundo se mobilizaram para criar uma economia alternativa em Standing Rock, e milhões foram levantados para apoiar a resistência.

Nós poderíamos fazer isso de novo. Podemos dotar nossas economias umas às outras. Estamos fazendo isso aqui”, disse Angel às mulheres reunidas em Black Hills — mulheres que eram jardineiras e construtoras, artesãs e cozinheiras, curandeiras e advogadas, cineastas e escritoras — e, acima de tudo, protetoras da água. “Nestes poucos dias que estivemos aqui me provaram, e deveriam provar a você também, que temos as habilidades para criar comunidades sem violência, sem drogas, sem álcool, sem patriarcado — apenas com a intenção de viver em paz.” 

Por Tracy L. Barnett

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui