Jineolojî
Contra a Divisão das Questões Sociais: uma perspectiva desde a Jineolojî

Todos os problemas advindos do patriarcado e da hierarquia devem ser analisados ​​e resolvidos de forma interconectada e em sua totalidade.

Desde 2008, o movimento das mulheres curdas desenvolve a “Jineolojî”, a ciência da mulher e da vida. Para muitas pessoas, Jineolojî é um dos tópicos que incita a curiosidade e a excitação, por um lado, e a confusão, por outro. Isso se deve à sua ambiciosa reivindicação de apresentar uma alternativa à mentalidade da modernidade capitalista, determinada por paradigmas positivistas, dominados por homens e colonialistas do conhecimento e da ciência.

Nos últimos anos, o movimento das mulheres curdas compartilhou suas ideias para a jineolojî com milhares de mulheres em todo o mundo. O discurso a seguir foi apresentado por Necîbe Qeredaxî em nome do comitê Jineolojî na Europa no primeiro dia da 1ª Conferência Internacional das Mulheres, “Revolução em Construção”, pela Rede “Mulheres que tecem o futuro”, realizada em Frankfurt, de 6 a 7 de outubro de 2018. O texto forneceu uma perspectiva “jineolójîca” para as diversas oficinas auto-organizadas das quais centenas de mulheres de todo o mundo participaram na conferência.

Caras camaradas,

Permitam-me começar com algumas observações sobre a metodologia do Estado, a hegemonia do sistema capitalista e do patriarcado e como eles ainda impactam a maioria dos movimentos sociais alternativos, as maneiras pelas quais o último (Patriarcado) define questões e fontes de problemas, bem como seus métodos para enfrentá-los.

De fato, os métodos de enfrentar problemas de alguma forma reproduzem os problemas e tornam as coisas mais difíceis para a sociedade, a natureza e as mulheres a um ponto caótico. Isso significa que essa metodologia categoriza os problemas de uma maneira que prioriza um aspecto do problema, enquanto ignora outros. Obviamente, a mulher, como identidade, existência e status, é frequentemente ignorada. Outro método problemático envolve procurar soluções dentro do sistema e com as ferramentas do próprio sistema; isso leva a apenas ilusões, e não a soluções genuínas. Da mesma forma, é perigoso ignorar a questão do patriarcado em nossas redefinições dos conceitos de escravidão e liberdade.

Além disso, a doença do individualismo, a desorganização e a queda nas armadilhas do sistema nos levam a agir dentro das fontes de conhecimento que reforçam o Poder, à medida que buscamos e seguimos paradigmas de ciência e do conhecimento que cada vez mais nos desconectam da sociedade e da inteligência emocional a cada dia. A última questão que quero mencionar é que olhar os problemas da sociedade como problemas individuais priva nossa visão dos aspectos sociológicos e coletivos dos problemas.

Se quisermos pesquisar mulheres, a sociedade matriarcal e a história da Mesopotâmia com base nas práticas atuais de conhecimento e ciência, certamente seremos solicitadas a fornecer evidências para a noção de sociedade natural. Mas, de fato, o Curdistão e muitas outras áreas e geografias indígenas têm muitas fontes orais de dados históricos e culturais não-escritos. Os locais históricos que mostram a luta das mulheres e a opressão pelo Estado, hierarquia e hegemonia patriarcal podem ser evidências para mostrar os aspectos e realidades ocultos ao longo da história que precisam ser revelados. Nossos locais históricos foram encobertos por aqueles que representam o Estado e a mentalidade patriarcal, mas precisam ser destacados. Como diz Abdullah Öcalan, “a história da escravidão não foi escrita e a história da liberdade está esperando para ser escrita”.

Portanto, perguntamos: se as ciências sociais afirmam buscar soluções para os problemas sociais, como favorecem e apoiam a hegemonia dos que estão no poder? Poderíamos facilmente e sem dúvida dizer que essas ciências sociais são racionalistas, colaboram com sistemas de dominação, tornam-se ferramentas para seu desenvolvimento, não consideram as mulheres como sujeitos de pesquisa, mas distorcem sua realidade e se concentram no instinto capitalista de gerar lucro.

Precisamos redefinir a existência e a energia da mulher para descobrir a verdade. Isso deve incluir análises da sociedade, mulher e vida; as relações entre mulheres e homens e seus relacionamentos com a sociedade; cultura e sociedades da maternidade e sua destruição; a causa do desenvolvimento da mentalidade patriarcal; os métodos usados ​​pela mitologia, religião, filosofia e ciência e sua abordagem à existência da mulher.

Nos últimos anos e em um processo ainda em andamento, a pesquisa jineolojî vem investigando como as mulheres foram definidas por esses métodos. Perguntamos se é verdade que o conhecimento é a análise do significado e acumulação histórica que as comunidades obtiveram como resultado de dar sentido às suas vidas e encontrar soluções para os problemas que enfrentaram, e se a ciência é a institucionalização do conhecimento. com o objetivo de entender o universo e responder às necessidades sociais — por que há tanto caos, guerra, violência e migração forçada?

Podemos superar essa mentalidade desafiando a relação criada entre homem opressivo e mulher oprimida, passando do paradigma urbano, modernista e autoritário para um paradigma democrático, analisando a sociedade, a família e a relação entre homem e mulher. O primeiro passo dessa transformação de nossas lutas pela liberdade deve começar transformando indivíduos em estruturas organizadas.

Aqui, não estamos falando de reformas sociais, políticas, econômicas e legais — estamos falando de nada menos que revolução. Uma revolução que floresce devido à autodeterminação das mulheres. Uma revolução na qual as mulheres não são apenas parcialmente incluídas, mas são o centro da revolução, liderando e planejando-a com seu próprio espírito. Quando falamos de mulher, não falamos de existência biológica, mas sim política e social. Falamos sobre a conexão entre a história e o presente. Falamos sobre a prática e os avanços teóricos. Falamos da verdade que, há milhares de anos atrás, nas terras da Mesopotâmia, o assentamento, a socialização e a primeira revolução agrícola foram desenvolvidos em torno das mulheres.

Sem analisar e examinar a relação entre sistema capitalista, dominação de Estado e gênero e tirania, é difícil discutir alternativas e sugerir soluções para a questão universal da liberdade. Sem tocar nas raízes históricas da sociedade e na realidade das épocas matriarcais da vida e além, não podemos entender o passado ou o presente nem como “tecer o nosso futuro”.

Portanto, para criar novas potencialidades e mudanças sociais duradouras, as transformações de gênero também precisam ocorrer na sociedade e é isso que vem fazendo como movimento das mulheres no Curdistão e, devido às condições, mais concretamente em Rojava. Para ajudar a sociedade a se defender mental e ideologicamente, um dos métodos mais importantes é o desenvolvimento do conceito de co-vida livre (hevjiyana azad) e auto-ser (xwebûn).

Para aquelas que ouvem o termo “jineolojî” pela primeira vez: o termo “jineolojî é composto por duas palavras: “jin” e “loji”. Jin é uma palavra curda que significa “mulher”, e lojî vem do termo grego que significa “ciência”. É uma estrutura de análise radical que o movimento de liberdade curdo, e particularmente o movimento de mulheres do Curdistão, desenvolve desde 2008. Ele tenta transferir para a sociedade os avanços do movimento de mulheres curdas, com base em críticas às ciências sociais. Mostra como as ciências positivistas monopolizaram sistemas nas mãos dos homens e, portanto, criaram enormes lacunas entre a sociedade e a verdade; sociedade e vida; e sociedade e ciência.

Jineolojî é resultado do progresso dialético do movimento das mulheres curdas, bem como um começo para responder às contradições e problemas da sociedade, economia, saúde, educação, história, demografia, ecologia, ética e estética, desenvolvendo uma metodologia alternativa.

Hêlîn Dersîm, integrante do primeiro comitê jineolojî nas montanhas do Curdistão, mas morta pelo bombardeio do Estado turco, deixou um legado e patrimônio tão rico em pesquisa e conhecimento da história não-escrita das mulheres que a história deve reconhecê-la com orgulho. Em sua carta a todos nós, ela diz:

“Temos de nos concentrar na realidade da sociedade nas montanhas Zagros, que é o berço da sociedade matriarcal. Para adquirir conhecimento, conheci e conversei com pastoras, curandeiras e colecionadoras de ervas. Passei horas caminhando pelas montanhas. Jineolojî revela a relação entre mulher e vida através de várias facetas e define a vida através das perspectivas da mulher.”

Portanto, dessa perspectiva, o conceito de homem deve ser redefinido. Esse fato pode ser rastreado pelas palavras curdas de ‘camer’ ou ‘camerd’, que significam “generoso”. ‘Ca’ ou ‘c’ ’em curdo é “mãe”. Sugere-se que, durante a era neolítica, o homem vivia de acordo com as medidas da mulher. Isso ainda tem impacto no Curdistão e em toda a região. Por outro lado, é importante analisar o caráter dos caçadores e comerciantes do sexo masculino. É importante avaliar a cultura do estupro e o fascismo através da mentalidade dos homens que buscam poder. A palavra “zilam” em curdo vem de “zulm”, que significa “tirania”.

Em todo o mundo, existem tentativas genuínas de resolver problemas com urgência. Temos que ter cuidado para não cair no ciclo das chamadas organizações da sociedade civil que estão conectadas ao estado. Em vez disso, deve haver tentativas de adotar medidas locais e práticas e desenvolver a academia para a educação alternativa mudar as mentalidades. Sem mudar nossa mentalidade, é difícil criar mudanças radicais e nos emancipar dos truques do sistema e de suas instituições. A cada realização, somos obrigadas a usar métodos de crítica e autocrítica.

Temos que considerar todos os eventos dentro de seu contexto histórico. Nosso tratamento da história poderia basear-se em ver as coisas como exemplos vivos de fenômenos. É coincidência que, após 4000 anos, o modelo sociopolítico de Rojava se baseie na coliderança, e não na ditadura centralista, de cima para baixo e patriarcal dos homens? Nossas avós dizem: a grama ficará verde novamente em suas raízes. Considere o significado das imagens do deus e da deusa em tronos iguais, como é comum em Tal Xalaf! Essa é a filosofia por trás dessa revolução. É reestruturar os valores da sociedade matriarcal. A mãe não é uma mera entidade biológica. Ela é um valor que pode equilibrar e lidar com a primeira natureza (o universo) e a segunda natureza (o humano e a sociedade).

No que diz respeito à demografia, devemos estar cientes de que a questão da superpopulação está ligada à questão da objetificação das mulheres, ao colonizar seu corpo, sua vontade e sua identidade sob o nome de honra, falsa liberdade e falso amor. É assim que o sistema promove um modo de vida em que as sociedades enfatizam demais o gênero e o sexo, em vez da igualdade de vida.

Devemos saber que existe uma forte relação entre o sistema capitalista e todas as crises que são definidas como desastres ambientais. Quando a moralidade é diminuída, catástrofes ecológicas se desenvolvem. A inovação sustentável foi substituída pela destruição. Isso começou com a destruição do status, existência e papel da mulher. Devemos entender que os conceitos de moral e ética podem ser definidos não apenas como conceitos religiosos, mas em termos de uma estrutura de uma relação simbiótica entre humano e natureza; mulheres e natureza; e mulheres e homens. Para isso, deve haver um movimento que se concentre mais do que apenas na preservação do meio ambiente, mas deve basear-se em mudanças conscientes e éticas do sistema.

A Jineolojî não segue o sistema econômico dominante que é abstraído da ecologia e da vida. O conhecimento da demografia foi abstraído da economia e da ecologia sob o nome de mais-valor, mas só pode ser descrito como anti-vida. Nosso paradigma da Modernidade Democrática, com seus princípios de democracia radical, direta e comunitária, ecologia e libertação das mulheres, analisará as questões do Poder, vendo as questões em torno da ecologia como questões principais. Esse paradigma está exigindo revoluções ecotecnológicas contra o industrialismo.

Podemos ver uma visão mais ecológica do que a atitude das mulheres analfabetas, que dizem: “Não jogue água quente na terra. Prejudica a terra, a grama e as criaturas que vivem na terra”. Precisamos de um paradigma de ciência e conhecimento para revelar fatos, em vez de encobri-los para usá-los como ferramenta para mais interesse e capital. Nosso trabalho deve ser honesto e a serviço da sociedade.

A Jineolojî como ciência da mulher, vida, sociedade e liberdade é um ponto de vista contra a partição dos problemas sociais e a busca de soluções dentro e através do sistema. Todos os problemas advindos do patriarcado e da hierarquia devem ser analisados ​​e resolvidos de forma interconectada e em sua totalidade.

Então, sem surpresas se sugerirmos, nas oficinas, que a avaliação das geografias montanhosas deva ser levada em consideração. As montanhas têm um significado crucial em todos os movimentos alternativos e antissistema. Mesmo para os indivíduos, podemos ver o valor da montanha para a reorganização do eu ou para separá-lo dos impactos destrutivos do sistema.

Precisamos urgentemente deixar as premissas da ciência contemporânea impostas pelo sistema e criar outro ambiente de discussão. Seminários, painéis e conferências não são suficientes. Precisamos de um tipo diferente de academia que possa, sistematicamente e passo a passo, trabalhar sobre como podemos alcançar nossos objetivos, desde revoluções mentais até transformações sociais. Isso não pode ser alcançado sem autodefesa. A autodefesa não consiste apenas em pegar armas. A própria Jineolojî é uma ciência de autodefesa.

Temos o dever de revelar fatos em prol dos povos, mulheres e jovens, para podermos lutar contra o fascismo. Por exemplo, não podemos considerar o Irã como anti-imperialista, enquanto o regime comete execuções diárias de pessoas inocentes. O país constitui uma prisão ainda maior, onde as pessoas estão sendo privadas de viver livremente. Não podemos olhar para os refugiados pelo prisma da piedade. Devemos destacar as causas e os motivos de suas condições. Devemos examinar as questões localmente e através de perspectivas não-estatais. Os movimentos locais e aqueles que querem fazer parte de uma frente alternativa — antifascista e antipatriarcal — não devem olhar as coisas através de noções individualistas de liberdade ou da sociedade através das lentes da vitimização. Em vez disso, eles devem procurar estruturas teóricas que possam colocar a si mesmos e questões sociais sob o escrutínio da crítica para fazer a pergunta do que perdemos e onde o perdemos.

Somente quando a mentalidade do poder e a hegemonia de suas instituições forem paralisadas, poderemos falar de nossa existência como uma alternativa. Isso só é possível através de um método organizado e capaz de pensar fora da estrutura do sistema. Da mesma forma, as soluções para nossos problemas também devem aparecer fora da estrutura do sistema. Podemos legitimamente perguntar se estamos prontos para isso. Como seriam nossas ferramentas, conceitos, teorias e organizações? Existem vários exemplos na história antiga e nova para isso, mas a história escrita do atual paradigma positivista os negou consistentemente. Com o tempo, isso está muito incorporado na revolução em andamento no Curdistão de Rojava.

É importante a teoria ou a prática? Se não houver prática da vida, as teorias perderiam seu valor. Se a teoria não puder ser coletiva e social, permaneceria no nível individual e apenas nos papéis da história. Uma teoria alternativa pode ser eficaz apenas através de renovações contínuas e vivas. A medida disso é até que ponto ela fornece uma resposta às necessidades da sociedade e até que ponto ela se liberta da mentalidade de hierarquia e poder.

Nossa autoconsciência diária pode nos demonstrar as maneiras pelas quais somos atraídas de volta ao sistema e como somos derretidas de volta para ele, além de como evitar que isso aconteça. Não é por acaso que nos mesmos países em que o fascismo cresceu e foi derrotado, mais uma vez, a doença do ultra-nacionalismo, islamofobia, ódio contra refugiados, visões orientalistas e pacificação de movimentos alternativos e sociais estão voltando a aumentar, de modo que o sistema está trabalhando na reprodução do fascismo mais uma vez. Movimentos sociais e políticos alternativos que pretendem combater o sistema ainda permanecem no campo de prover “caridade ou apoio” a movimentos de outras áreas do mundo. Eles permanecem fracos quando se trata de complementarem-se uns aos outros como atores.

A luta contra a ocupação, o fascismo e o patriarcado não pode ser feita apenas pela reação. No entanto, a luta contínua contra a mentalidade patriarcal e as mentalidades tradicionais entre as mulheres deve começar com críticas e autocríticas. No começo de sua luta, Abdullah Öcalan disse: “Para destruirmos o castelo do inimigo, precisamos primeiro destruir o castelo que foi construído dentro de nossa mente”. Para Sakine Cansiz, a filosofia dessa luta era: “Nada é impossível”.

Texto de Necîbe Qeredaxî em Komun Academy (2018)
Tradução de Aline Rossi / Feminismo Com Classe

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui