Homenagem a Berta Cáceres
Berta Cáceres fundou o COPINH para responder às ameaças crescentes às comunidades lenca, para lutar por direitos de território e para melhorar a qualidade de vida. (Foto por: Goldman Environmental Prize

“Tenho sido perseguida não só por causa da liderança política, mas também por ser mulher, por ser lenca¹. Neste país não é a mesma coisa ser um líder masculino e ser uma líder feminina. E isso tem um peso muito grande.” (Berta Cáceres)

Berta Isabel Cáceres Flores foi uma mulher defensora dos direitos humanos e proeminente ativista indígena e feminista lenca em Honduras. Na manhã do dia 3 de março de 2016, Berta Cáceres foi assassinada enquanto dormia, em sua casa em Intibucá, Honduras.

A Sra. Cáceres foi Coordenadora Geral do Conselho Cívico de Organizações Populares e Indígenas de Honduras (COPINH) e membra da Rede Nacional de Mulheres Defensoras dos Direitos Humanos de Honduras. Berta liderou a luta pelos direitos dos povos indígenas lenca e contra a construção de um projeto hidrelétrico, Agua Zarca, pela empresa hondurenha Desarrollos Energéticos S.A. (DESA). O Banco Regional da América Central para Integração Econômica (CABEI), o banco de desenvolvimento holandês FMO e o Finnfund da Finlândia financiam o projeto e a Voith-Hydro (Siemens) fornece o equipamento do projeto. Após este e outros assassinatos e ataques violentos, FMO e Finnfund anunciaram sua intenção de se retirar do projeto Agua Zarca.

Esse assassinato político tem como objetivo silenciar a oposição do povo a um modelo de desenvolvimento destrutivo e com fins lucrativos que foi violentamente imposto por autoridades corporativas e estatais. Berta foi assassinada porque enfrentou as elites econômicas e políticas do país na luta pela vida, pela justiça e pelo meio ambiente. Foi constantemente agredida por seu trabalho em prol dos direitos humanos e também por ser uma mulher indígena.

A vida de Berta esteve em grave perigo por muito tempo e ela recebeu inúmeras ameaças de morte. Ela foi vítima de ataques, ameaças e assédio sexual de pessoas associadas ao DESA, bem como detenções arbitrárias e criminalização por funcionários e entidades do Estado hondurenho. Por esse motivo, Berta recebeu medidas cautelares de proteção da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) em 2009.

“Eles me ameaçaram de morte. Recebi ameaças por celular. Assédio sexual por parte dos seguranças dessas empresas. Recebi ameaças contra minha família, contra minhas filhas, contra meu filho”. (Berta Cáceres, maio de 2014)

O WHRDIC alerta que o assassinato de Berta é um sintoma da reação global contra as mulheres defensoras dos direitos humanos. As lutas por terras e territórios envolvem riscos específicos devido ao confronto com poderosos atores corporativos. Mulheres indígenas em todo o mundo lideram lutas para proteger seus territórios e combater a exploração e o abuso de pessoas e da natureza. Elas confrontam os paradigmas do “lucro acima das pessoas”, bem como as estruturas sociais arraigadas do patriarcado e da supremacia branca.

“Acho que pode ser mais fácil confrontar as transnacionais e o exército do que o patriarcado, porque este está em toda parte.” (Berta Cáceres)

Quando as mulheres assumem a liderança, elas desafiam as normas de gênero e frequentemente contestam a cultura patriarcal perpetuada por comunidades, Estados e empresas. Como resultado, as mulheres defensoras dos direitos humanos estão sujeitas a violência e intimidação específicas relacionadas ao sexo. As ameaças contra suas famílias e entes queridos têm o objetivo de forçá-las a abandonar seu trabalho crítico por direitos e justiça.

“Nós não aceitamos a ideia de que primeiro devíamos lutar contra as transnacionais, depois contra o racismo e, por último, contra a violência contra as mulheres. Todos nós vivenciamos múltiplas formas de dominação — as mulheres sendo as mais afetadas — então a luta também deve ser múltipla e diversificada, reconhecendo essas múltiplas formas de dominação.” (Berta Cáceres)

Celebramos a clareza e coerência da voz e da ação política de Berta; sua enorme generosidade para com as pessoas e a natureza; sua integridade rebelde para resistir a instituições poderosas e às ideologias patriarcais e racistas com fins lucrativos que as justificam. Estamos juntas na criação de alternativas aos sistemas globais de dominação econômica e patriarcal e de exploração de vidas humanas e recursos naturais. No espírito da solidariedade feminista, reafirmamos nosso compromisso com a visão de Berta que une a vida humana, a igualdade social e a justiça ambiental.

Por: Mulheres Defensoras dos Direitos Humanos, para a WHRDIC.

NT:
1. Etnia indígena que ocupa parte do território de Honduras e El Salvador.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui