A autora de Harry Potter, J.K. Rowling, voltou a falar sobre os direitos das mulheres, desta vez de forma inequívoca.

“Se o sexo não é real, não há atração pelo mesmo sexo”, ela tuitou na noite de sábado. “Se o sexo não é real, a realidade vivida das mulheres em todo o mundo é apagada. Conheço e amo pessoas trans, mas apagar o conceito de sexo remove a capacidade de muitas mulheres de discutir suas vidas de maneira significativa. Não é ódio falar a verdade.”

Seu tópico de três tuítes elaborou sua posição:

“A ideia de que mulheres como eu (que têm sido empáticas com pessoas trans por décadas, sentindo afinidade por elas por serem vulneráveis à violência masculina assim como mulheres) odeiam pessoas trans, só porque vemos o sexo como algo real e fonte de consequências nas nossas vidas – não faz o mínimo sentido.”

“Respeito o direito de todas as pessoas trans de viver de qualquer maneira que lhes pareça autêntica e confortável. Eu marcharia com você se você fosse discriminado com base em ser trans. Ao mesmo tempo, minha vida foi moldada por ser mulher. Eu não acredito que seja odioso dizer isso.”

Se o sexo não é real, não há atração pelo mesmo sexo. Se o sexo não é real, a realidade vivida das mulheres em todo o mundo é apagada. Conheço e amo pessoas trans, mas apagar o conceito de sexo remove a capacidade de muitos de discutir suas vidas de maneira significativa. Não é ódio falar a verdade. (196K 19:02–6 de junho de 2020 – 73,6K pessoas estão falando sobre isso)

Rowling está respondendo à crescente tendência da esquerda de tratar as mulheres que reconhecem a opressão baseada no sexo como “fanáticas”. Mulheres que reconhecem o sexo biológico são reais e aquelas que falam sobre isso foram censuradasdemitidasagredidasreembolsadasassediadas online canceladas.

O movimento transgênero busca cada vez mais apagar as mulheres negando a realidade biológica. Discussões sobre períodos, gravidez, amamentação e mutilação genital feminina foram todas consideradas “transfóbicas” e “odiosas” por ativistas trans mais extremos.The Move to Erase Women from Periods, Pregnancy, and ParentingA few months ago, I was sitting in a meeting with staff members of Women’s Way, a Philadelphia non-profit that sprung…4w.pub

Os ativistas trans também foram acusados de homofobia por negar cada vez mais a atração pelo mesmo sexo e pressionar jovens não conformes com o gênero a fazerem a transição para se adequarem aos papéis de gênero mais tradicionais.

Rowling também compartilhou um artigo publicado por Julia Diana Robertson intitulado “Carta anônima de uma lésbica aterrorizada”. A carta detalha o ambiente de terror criado para lésbicas em uma empresa supostamente “progressista”.

“Nunca me senti tão xingada, ignorada e alvejada por ser lésbica* dentro de nossa suposta comunidade GLBT como eu tenho sido nos últimos dois anos”.

“Eu trabalho para uma empresa muito feliz pelo orgulho, e realmente tenho medo de seguir vocês no Twitter ou gostar da maioria das suas postagens, porque estou com medo de que alguém me marque … [e] leve de volta à minha empresa’’.

Não é a primeira vez que Rowling se pronuncia em defesa dos direitos sexuais das mulheres. Em dezembro, Rowling escreveu um tuíte em defesa de Maya Forstater, uma mulher que perdeu o emprego no Centro de Desenvolvimento Global (CGD), um think tank em Londres.

“Vista-se como quiser”, dizia o tuíte: “Chame a si mesmo como quiser. Durma com qualquer adulto que aceite você. Viva sua melhor vida em paz e segurança. Mas forçar as mulheres a deixarem seus empregos por afirmarem que o sexo é real? #IStandWithMaya #ThisIsNotADrill 

Vista-se como quiser.
Chame a si mesmo como quiser.
Durma com qualquer adulto que aceite você.
Viva sua melhor vida em paz e segurança.
Mas forçar as mulheres a deixarem seus empregos por afirmarem que o sexo é real? #IStandWithMaya #ThisIsNotADrill — 207K
9:57–19 de dez de 2019
78.5K pessoas estão falando sobre isso

O apoio de Rowling à Forstater, marcou um marco importante para as mulheres que estão sendo silenciadas no atual debate de gênero, pintadas como “odiosas” por rejeitar o apagamento de sua realidade biológica.

Rowling, é uma das poucas figuras públicas e celebridades dispostas a defender publicamente os direitos das mulheres. Em resposta, ela foi submetida a uma série de assédio. A autora, que expressou repetidamente solidariedade com pessoas trans, tem sido repetidamente chamada de “TERF” (feminista radical trans-excludente), um termo tipicamente associado a ameaças violentas e misoginia, levando muitas a considerá-lo um insulto.

‘Feminazi’, ‘TERF’, ‘cadela’, ‘bruxa’.
Os tempos mudam. O ódio à mulher é eterno. https://twitter.com/Scala_sin_E/status/1269400824696000512… 49,4K
19h53–6 de junho de 2020
24K pessoas estão falando sobre isso

Rowling já foi chamada de “TERF”, “fanática”, “cadela” e homens mandaram ela ‘’calar a boca, em resposta aos seus tweets. Outros a acusaram de “ferir crianças”.

As feministas, no entanto, agradecem a ela por se manifestar.

“Obrigada por dizer isso”, escreveu Jana Cornel, uma feminista radical negra. “Disseram-me para não falar sobre a mutilação genital feminina porque é transfóbica . Como posso fazer campanha por mim e por milhões de minhas irmãs que também sofreram, se não consigo reconhecer o sexo?

“Estamos dizendo isso há 10 anos — mas agora você está dizendo. Eu não poderia estar mais feliz”, escreveu Helen Staniland, feminista e programadora.

Por: M.K FAIN. O original, em inglês, você encontra aqui.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui