O Caso para a Sanidade das Mulheres

Não há nada de errado comigo — exceto que eu nasci pelo menos dois mil anos mais tarde. As senhoras das proporções amazônicas e as propensões de Berserker se tornaram completamente fora de moda e não têm lugar nesse mundo civilizado tão maldito… aqui eu me sento — como um chapeleiro — sem nada para fazer a não ser me tornar cada vez mais louca ou recuperar a minha sanidade para ter permissão de retornar para a vida que me deixou assim.” — Lara Jefferson

No começo da manhã de quarta-feira, minha filha de seis anos estava correndo pela casa, enfurecida e chorando, gritando aos soluços: “Não, mamãe, não! Eu não vou para a escola”. Ela se recusou a se vestir, se escondeu no armário e, em seguida, recorreu a fingir uma dor de estômago. Quando eu consegui que ela se acalmasse, descobri o que estava errado:

“Eu não gosto de marchar. É ENTEDIANTE”, ela respondeu.

“Marchar?!”

“Estamos praticando para o dia do esporte e temos que marchar por SÉCULOS”.

“Bem … Sim, isso soa bastante aborrecedor”.

“É a coisa mais ENTEDIANTE do mundo. Nós apenas marchamos…”

A minha filha tem problemas psicológicos porque não consegue se conformar com o comportamento que a escola espera dela…? Ela está sofrendo de “ser uma criança”? (em outras palavras, é assim que esperamos que as crianças se comportem?).

Ou o comportamento dela é a reação normal de qualquer ser humano que é forçado a realizar uma tarefa insensível e claramente inútil?
E o que significa para ela saber que deve estar de acordo com os papéis de gênero e entender que durante seis horas por dia, enquanto está na escola, o comportamento que é perfeitamente aceitável para meninos é considerado inapropriado para sua própria casta, cujas membras devem ser tão educadas e atenciosas o possível durante o tempo todo?

Quando se trata de explicar a tristeza e a raiva das fêmeas, a psiquiatria sempre ofereceu a explicação anterior. As mulheres eram inerentemente loucas, então o pensamento e o tratamento foram focados em ajudá-las a lidar com a “doença de mulheres” no que era considerada uma sociedade perfeitamente saudável. Psiquiatras e psicólogos eram firmes em sua convicção de que ser uma mulher significava que você estava predisposta à loucura.

Havia, no entanto, um tipo de mulher que poderia evitar ser declarada “louca” pelos profissionais. Tal mulher empregava uma tática de sobrevivência, e envolvia a atuação. Se ela pudesse se encaixar em uma pequena caixa de comportamento caricaturado que distorceu seus impulsos naturais, em outras palavras, se ela pudesse realizar a feminilidade, então ela melhoraria. Tais mulheres grosseiramente femininas geralmente estavam mais seguras da caça às bruxas e de serem trancadas em asilos mentais (nota: não são as mulheres que são brutas, mas os maneirismos que foram forçadas a adotar para sobreviver. Eu mesma “faço a feminilidade” nos dias de hoje porque achei que fosse uma camuflagem efetiva, o que me ajuda a voar sob o radar).

Em 2007, uma famosa cantora pop (Britney Spears) raspou a cabeça porque acabou cansando de ser objetificada. A caça às bruxas que se seguiu foi projetada para mostrar às mulheres o que acontece com aquelas de nós que saem da linha. Pouco depois do incidente que ocorreu, seu pai e seu irmão declararam que ela não era capaz de administrar suas finanças e se tornaram seus contadores. Os tribunais judiciais os apoiaram e eles assumiram o controle de todas as facetas de sua vida, incluindo o lado profissional, pois ela foi considerada psicologicamente instável (em outras palavras, eles a forçaram de volta à feminilidade, à indústria e embolsaram seus ganhos). Ela perdeu a custódia dos filhos. Em abril de 2012, seu gerente (que depois se tornou seu noivo) pediu para ser seu co-contador, o que significa que ele teria controle legal sobre várias facetas de sua vida.

O comportamento não feminino nas mulheres sempre foi considerado uma patologia. E por conta disso, todas, menos as mais afetadas com essa lavagem cerebral são aquelas que exibiam comportamentos não femininos de alguma forma ou outra, o que levou inúmeras mulheres a serem hospitalizadas, drogadas, lobotomizadas, reprimidas e assim por diante em hospitais psiquiátricos.

Por feminilidade, claro, refiro-me a: heterossexualidade, maternidade santa, não responder ao seu marido, não ter a audácia de acreditar que você é um ser humano, reprimir sua energia criativa, não recusar sexo com seu marido não atraente, manter seu cabelo longo, usar maquiagem, encontrar satisfação na limpeza do banheiro e uma miríade de outros traços comportamentais opressivos impostos às mulheres pela sociedade, para que elas se encaixem nas pequenas frestas que o patriarcado projetou.

Phyllis Chesler

Quando mulheres feministas radicais, como Phyllis Chesler, entraram no campo da psiquiatria, ficaram horrorizadas com o que encontraram (e com o que não encontraram também). Depois de tomar graus avançados no assunto, Chesler percebeu que não tinha aprendido nada sobre como aliviar o sofrimento de uma pessoa. Ao longo dos últimos trinta anos, as mulheres revisaram meticulosamente toda a profissão, mas não sem enfrentar a feroz resistência dos velhos psiquiatras. Apenas imagine! Por muito tempo os homens não queriam mudar nada, recusando-se a ouvir as psiquiatras que insistiam que tudo tinha que mudar.

O fato de que as mulheres no campo tiveram que lutar contra seus superiores masculinos para que a psiquiatria se tornasse uma profissão mais humana nos diz que ela (a psiquiatria) nunca foi sobre ajudar as pessoas, mas sobre o controle delas, principalmente das mulheres.  Tanto os registros dos perpetradores como os testemunhos documentam essa visão:

LAURA: No começo, eu não era nada perspicaz. Eu estava tão machucada (risadas). Eu não sabia que eles me puniriam três vezes mais se eu tentasse fugir… Eles me colocaram em uma camisa de força, e isso foi bastante cruel, e me mantiveram sozinha nesta sala por vinte e quatro horas. Eu quase não conseguia me mexer e estava completamente rígida. Eles nem me deixaram ir ao banheiro. Eles colocaram um penico embaixo de mim e coisas assim… [Women and Madness, Phyllis Chesler Ph.D]

Quando os homens levaram a si mesmos a construir edifícios de pedras enormes, castelos, com a intenção de encarcerar inúmeras mulheres, que seriam estupradas, torturadas, eletrocutadas, lobotomizadas, usadas em experimentos, meio afogadas, trancadas em confinamento solitário, restringidas à cama e drogadas desnecessariamente, só podemos assumir que eles foram construídos para esse propósito exato: perpetrar atos de tortura política contra um grupo oprimido e politicamente desprotegido.

Permanecendo simbolicamente apenas nos arredores da cidade, com seus altos muros, fachadas de pedra sombrias, portões de ferro e janelas desgostosas, a arquitetura grotesca dos hospitais psiquiátricos também serviu para outro propósito muito específico. Ela enviou uma mensagem de ameaça a todas as mulheres que ousaram recusar os papéis de gênero prescritos de dona de casa feliz, puta feliz ou mão de fábrica feliz. Eu acredito que, no subconsciente de cada mulher, há persistentes insultos … “Você quer ter cuidado, ou os homens em casacos brancos virão para buscar você…”

Phyllis Chesler descreve sua consternação em seu livro Women and Madness:

Muito do que damos por certo hoje não foi nem mesmo sussurrado há cerca de cinquenta anos. Durante os anos 1950 e 1960, os médicos ainda estavam sendo ensinados que as mulheres sofrem de inveja do pênis, são moralmente inferiores aos homens, são, no entanto, masoquistas, dependentes, passivas, heterossexuais e monogâmicas. Nós também aprendemos que eram mães — não pais, predisposições genéticas, acidentes e/ou pobreza — que causavam neurose e psicose.

Nenhum dos meus professores nunca disse que as mulheres (ou os homens) eram oprimidas, ou que a opressão é traumatizante — especialmente quando aqueles que sofrem são culpados por sua própria miséria e diagnosticados de forma patológica. Ninguém me ensinou a administrar uma prova de saúde mental apenas para doenças mentais.

Ainda penso nisso como imperialismo psiquiátrico.

Eu sabia que o que estava sendo ensinado não era nem útil nem verdade.

(…)

Comecei a analisar estatísticas de doenças mentais sobre os estudos acadêmicos relevantes. Eu leio relatos históricos da vida das mulheres. Localizei as histórias de mulheres europeias que foram condenadas como bruxas (incluindo Joana d’Arc) e, a partir do século XVI, aprisionadas psiquiátricas. Nos séculos XIX e XX, tanto na Europa como na América do Norte, um homem tinha o direito legal de colocar sua esposa ou filha perfeitamente saudáveis em um asilo mental. E alguns fizeram isso. Os maridos autoritários, violentos, bêbados e/ou insanos tinham suas esposas presas, às vezes para sempre, como uma maneira de puni-las por serem muito insolentes e para se casarem com outras mulheres.

(…)

Se a paciente mulher era inteiramente sã, ou se ela tinha experimentado pós-parto ou outra depressão, ouviu vozes ou estava “histericamente” paralisada; se ela era bem-educada e bem-sucedida, ou uma analfabeta dos trabalhadores pobres; se ela tinha conduzido uma vida relativamente privilegiada ou tinha sido repetidamente estuprada ou abusada de outras maneiras; se ela aceitou que não poderia mais lidar com seu estreito papel social; se ela estivesse ociosa por muito tempo ou tivesse trabalhado muito por muito tempo e estivesse cansada além da medida — ela não foi tratada com qualquer gentileza ou perícia médica. Muitas mulheres do asilo não sobreviveram aos golpes brutais, ao quase afogamento, à alimentação forçada, às restrições do corpo, aos longos períodos em sua própria imundície e à prisão solitária, à ausência de gentileza ou razão — tudo o que se passou apenas como “tratamento”. [Phyllis Chesler, Ph.D Women and Madness]

Enquanto eu pesquisava na literatura sobre o que os homens fizeram às mulheres em nome da psiquiatria, um forte e insistente pressentimento surgiu em mim, que eu finalmente não podia ignorar. Nunca foi mais claro para mim que sua incompetência profissional não podia mais ser varrida sob o tapete. Acredito que não temos outra alternativa senão reconhecer que qualquer homem que se tornou profissional médico (particularmente nos campos da psiquiatria e da ginecologia) deve ser presumido incompetente até provar o contrário. Dado os amplos dados históricos disponíveis para apoiar esta conclusão, seria irresponsável que não o fizéssemos.

De todas as terríveis atrocidades que encontrei quando pesquisei este artigo, havia algumas que eram enormes em toda a sua glória patriarcal. Eu reuni oito informações que eu decidi chamar de “Oito Absurdos”. Eu escolhi a palavra “absurdo” por causa das ridículas racionalizações que os homens usaram para justificar os “tratamentos” maníacos que eles criaram e implementaram para curar as mulheres de serem humanas.

Os seres humanos insanos que acreditavam que eram sãos (homens) tinham o poder de tratar seres humanos saudáveis que lhes disseram que eram insanos (mulheres). Devemos garantir que tal situação orwelliana (em que sanidade é insanidade e insanidade é sanidade) nunca seja repetida.

Absurdo #1 — Ser oprimido é uma doença mental

Nas sociedades patriarcais, o incesto, estupro e violência familiar são endêmicos. As mulheres são economicamente privadas de direitos, e as estatísticas mostram que elas são, de longe, mais pobres que os homens. No entanto, os psiquiatras acreditavam que sempre que houvesse uma resposta humana à violência severa ou à privação emocional ou material manifestada nas mulheres era um sinal de patologia.

Em outras palavras, se uma vítima de estupro permanecesse feliz, otimista e, em geral, tudo bem, ela teria marcado todas as caixas de “mentalmente saudável”. Considerando que, se ela apresentasse sinais de trauma, PTSD, insônia, flashbacks e assim por diante, ela teria sido tratada por loucura.

Ou se uma mulher que tinha filhos não conseguisse dar conta das despesas, porque o próprio fato de ter filhos impedia que ela trabalhasse, e tentasse acabar com seu desespero tentando suicídio, ela seria classificada como “louca” (e em muitos casos ainda é). Ninguém a teria ajudado com a cozinha e a roupa. Ninguém teria pago pelo seu aquecedor. Ninguém teria removido seu esposo abusivo da casa, se ela tivesse um. E ninguém teria se oferecido para cuidar das crianças para que ela pudesse encontrar um emprego (onde houvesse algum emprego disponível para ela). Quando se tratava de mulheres (e de homens não caucasianos), os psiquiatras sustentavam que suas circunstâncias de vida eram irrelevantes para os sintomas que manifestavam.

Naturalmente, acho isso completamente absurdo.

Absurdo #2 — Violadores e pedófilos condenados têm acesso a pacientes do sexo feminino

As mulheres admitidas em asilo mental são muitas vezes estupradas por membros masculinos e por pacientes do sexo masculino. Quantas mulheres nunca relatam suas violações nunca saberemos.

Muitas vezes, o motivo pelo qual as mulheres estão lá, em primeiro lugar, é porque eles estão sofrendo as repercussões psicológicas da violação — ou estupro na infância ou nas mãos de seu atual cônjuge. Essas mulheres traumatizadas às vezes são diagnosticadas como tendo “transtorno de personalidade limítrofe”, quando na verdade o diagnóstico correto é “vítima de tortura”.

As mulheres são mais propensas a serem estupradas sob custódia do Estado do que em qualquer outro lugar, e cada vez que são estupradas, elas somam trauma após trauma. Se elas relatam geralmente são desacreditadas.

Apesar de as mulheres em instituições psiquiátricas serem livres para todos estupradores, o amor consensual ou a atividade sexual entre duas pacientes femininas tem sido tradicionalmente punidos — uma situação que encaro como ridiculamente absurda.

Absurdo #3 — Carregar uma criança fora do casamento, ou no casamento, é uma doença mental

As mulheres que tinham bebês “ilegítimos” foram presas em hospitais psiquiátricos por seus pais, às vezes por toda a vida. Outras mulheres com bebês “legítimos” foram trancadas em hospitais mentais por seus maridos, às vezes por toda a vida.

Como feminista radical, considero o conceito de “legitimidade” e “ilegitimidade” inerentemente absurdo e não reconheço uma distinção. Todas as crianças são legítimas em virtude do fato de sua mãe ter dado à luz elas, por isso é particularmente enervante perceber que essas categorias artificiais completamente arbitrárias foram usadas como premissa para encarcerar as mulheres.

Todas as mulheres receberam “tratamento” agressivo nas mãos de médicos psiquiátricos.

LAURA: A primeira coisa que fizeram foi dar a todos um tratamento de choque. Não importava quem você fosse. Você entrou e eles dariam choque três vezes por semana. Antes que eles decidissem em que sala eles iriam colocá-lo, eles o dariam choques… Eu estava com medo de morrer. Eu pensei que ia morrer… A única pessoa que veio me ver, e isso vai fazer você rir um pouco, veio me dar um teste de Q. I. [Women and Madness, p.193]

Muitas das mulheres foram espancadas. Foi negado o contato com o mundo exterior. Elas foram forçadas a trabalhar com sexo não remunerado, como domésticas e lavadeiras. Se elas recusassem esses trabalhos, elas eram consideradas loucas e não cooperativas e também eram severamente punidas. Se elas fizessem os trabalhos bem, a equipe do hospital não gostaria de deixá-las ir embora.

O mergulho de uma verdadeira bruxa.

Absurdo #4 — Sexo entre Paciente e Terapeuta

Nos anos 1950 e 1960, vários líderes psicanalistas se casaram com suas pacientes mais bonitas. Muitos tiveram sexo casual com suas pacientes. Ninguém achou que houvesse algo de errado com isso na época. Hoje, a análise feminista explica como isso é uma grave violação de limites e violação de poder. Existem agora centenas de estudos e livros documentando esse fenômeno.

A maioria desses contatos sexuais ocorreu entre terapeutas masculinos de meia-idade e pacientes do sexo feminino mais jovens. Mesmo nos casos em que as mulheres conseguiram articular a violação dos limites, elas normalmente não processavam o agressor por medo de serem desacreditadas no tribunal. Afinal, muitas estavam sendo tratadas por “tendências paranoicas”.

Toda a farsa pode ser resumida por um caso documentado:

Um terapeuta sugeriu à sua paciente que o contato sexual poderia aumentar seu envolvimento “transferencial” com ele. Quando finalmente se recusou a pagar por esse tratamento e começou a ver outro terapeuta, o primeiro terapeuta disse-lhe que continuaria a vê-la por “sexo” e não a “cobraria” por isso, mas não iria mais ouvir seus “problemas”. [Women and Madness]

Agora que as feministas têm destacado o dano que os terapeutas masculinos podem causar às clientes do sexo feminino, o foco é sobre o campo da psiquiatria para provar que há motivos para uma mulher ser tratada por um homem. Eu suspeito que não há nenhum.

Absurdo #5 — As mulheres que lutam contra seus estupradores ou maridos violentos estão mentalmente doentes

Autoexplicativo.

As mulheres que lutaram contra seus estupradores e agressores encontram-se presas ou em instituições mentais por ousar salvar suas próprias vidas. Chesler nos lembra que essas mulheres corajosas e inquebráveis são presas políticas, que devem ser honradas pelas feministas.

Absurdo #6 — Sexologia

Os sexólogos ganharam reputação por serem avançados, progressistas e abertos. Eles foram louvados por terem atacado os costumes sexuais, puritanos, vitorianos, morais e por sua “descoberta” de que as mulheres experimentavam instâncias sexuais próprias. Eles são vistos como pioneiros pelo direito das mulheres de experimentar prazer sexual.

No entanto, com uma inspeção mais próxima, descobrimos que eles apenas apoiaram a sexualidade com interesses patriarcais, como práticas de BDSM (especialmente o conceito de que as mulheres são muito masoquistas), a monogamia no casamento e a “libertação sexual” de mulheres solteiras.

Nos casos em que a sexualidade das mulheres não servia aos homens de alguma forma, os sexólogos tradicionalmente intervieram para atraí-las de volta ao caminho da justiça. Em The Spinster and her Enemies, Sheila Jeffreys explica que a sexologia é inimiga da libertação das mulheres, e ela faz referência a uma série de sexologistas famosos, como Walter Heape:

Ele estava preocupado porque o casamento parecia estar fora de moda e aguardava um momento no futuro quando o casamento seria mais atraente para as celibatárias. A solução do “ódio ao homem” era superar o desagrado das mulheres pelo sexo e garantir que elas se casassem. Várias de suas obras posteriores são dedicadas à educação sexual e, em particular, resolvendo o problema, como ele viu, de frigidez feminina.

Lésbicas, mulheres casadas que se recusaram a fazer sexo com seus maridos e mulheres celibatárias solteiras que concentraram sua energia em algo mais interessante do que os homens, foram atingidas mais duramente pelos intrometidos de sexualidade. Além disso, o fato de ter demorado até o final do século XIX para o fenômeno do desejo sexual feminino ser “descoberto” nos diz mais sobre os homens (e sua incompetência na cama) do que sobre as mulheres.

Absurdo #7 — A Segunda Onda da Psicocirurgia coincidiu com a Segunda Onda do Feminismo

De todos os oito pilares, este é onde mais devemos concentrar nossa atenção. A psicocirurgia envolve a mutilação de tecido cerebral saudável, com o objetivo de alterar aparentemente o comportamento da pessoa. Geralmente, não é usado em assassinos, estupradores e em psicopáticos (sempre homens), como você poderia esperar, mas sim em mulheres infelizes.

Durante a década de 1970, a infelicidade e a raiva das mulheres culminaram em um aumento da consciência feminista. Mary Daly escreveu, na época:

A onda atual de psicocirurgia é voltada não só para pacientes hospitalares estaduais, mas especialmente para “neuróticos” relativamente bons, particularmente mulheres. Em 24 de fevereiro de 1972, o artigo do Dr. Breggin, “O Retorno da Lobotomia e Psicocirurgia” foi lido no Registro do Congresso. Ao discutir a proporção notavelmente grande de mulheres que estão sendo lobotomizadas, o Dr. Breggin explica que é mais socialmente aceitável lobotomizar as mulheres porque a criatividade, que a operação destrói totalmente, é nesta sociedade “uma qualidade dispensável nas mulheres”. Um psicocirurgião famoso (Freeman , O “decano dos lobotomistas”) é citado, dizendo que as mulheres lobotomizadas fazem boas donas de casa. Com relação a esse fenômeno, a Dra. Barbara Roberts, uma feminista, observa que o condicionamento psicossocial já não é tão efetivo quanto anteriormente foi a supressão da raiva feminina:

Mas, a sociedade de classe patriarcal, sempre engenhosa, está desenvolvendo o que poderia ser a “solução final para o problema da mulher” (e os “problemas” causados ​​por todos os outros grupos oprimidos). Essa arma é a psicocirurgia.”

As armas que a tecnologia moderna está desenvolvendo para o controle social de desvios, particularmente às mulheres, são mais sutis do que arder na fogueira. Eles simplesmente destroem as mentes — a capacidade de criatividade, imaginação e rebelião — deixando mãos e úteros intactos para realizar os serviços de trabalho manual e reprodução.

Eu acho que você concordará comigo que, agora, deixemos os reinos do absurdo simples da insanidade masculina e entramos na terra do loony loop la-la man-loon land.

Absurdo #8 — Os Critérios de Diagnóstico de Distúrbios da Personalidade

Um absurdo mais recente que encontrei foi o fato de que quando as pessoas são incapazes de lidar com a vida, ou se exibem certos comportamentos, elas são informadas de que têm um transtorno de personalidade. Os distúrbios de personalidade estão incluídos no manual de diagnóstico da American Psychiatric Association.

Aqueles diagnosticados com um transtorno de personalidade podem ter dificuldades em cognição, emotividade, funcionamento interpessoal ou controle de impulsos. Em geral, os transtornos de personalidade são diagnosticados em 40–60 por cento dos pacientes psiquiátricos, que é o mais frequente de todos os diagnósticos psiquiátricos.

O que é interessante sobre os critérios diagnósticos de transtornos de personalidade é o quão bem eles podem ser usados para defender o status quo patriarcal. Por exemplo, a pesquisa mostra que os machos são mais propensos a ter “Transtorno da personalidade narcisista” (NPD) do que as mulheres. Mas quando você olha os sintomas de NPD, há uma causa imediata de suspeita:

O transtorno da personalidade narcisista caracteriza-se por um padrão de grandiosidade (tanto na fantasia quanto no comportamento real), uma grande necessidade de admiração e, geralmente, uma completa falta de empatia em relação aos outros.

De onde eu venho, isso é o que era conhecido como “NBD” (Nasty Bastard Disorder — Transtorno do Bastardo Nojento). E se uma mulher suspeitava que sua irmã ou amiga estivesse em um relacionamento com um homem que mostra sintomas de NBD, ela recomendaria que deixasse ele. Hoje, os documentos podem diagnosticá-lo com NPD, fazendo com que a mulher se sinta culpada e responsável ao ponto de continuar com ele.

Do mesmo modo, o “distúrbio de personalidade histriônica” aparentemente se manifesta mais nas mulheres do que nos homens. É descrito assim:

Uma desordem de personalidade caracterizada por um padrão de emocionalidade excessiva e busca de atenção, incluindo uma necessidade excessiva de aprovação e comportamento inapropriadamente sedutor, geralmente começando no início da idade adulta. Esses indivíduos são vivos, dramáticos, vivazes, entusiasmados e coqueteados. O HPD afeta quatro vezes mais mulheres que homens.

Eu acho irracional que os psicólogos tenham inventado um sintoma chamado “comportamento inapropriadamente sedutor” para rotular as mulheres, quando vivemos em uma sociedade que ensina às mulheres que sua sexualidade é a soma total de seu valor.

É especialmente estranho quando se trata de que as prostitutas e, em menor grau, as esposas, são obrigadas a exibir comportamentos sedutores mesmo quando não sentem inclinação natural, porque é isso que os homens exigem.

Talvez a energia dos psiquiatras seja melhor gasta preocupando-se com a ferramenta psíquica das prostitutas forçadas a fingir que gostam de seus clientes, obrigadas a forjar o prazer do sexo incessantemente, e não a mulheres que decidiram — por qualquer motivo — se comportar sedutoramente por vontade própria. Ou talvez eles pudessem ler um livro sobre trauma de estupro para aprender que as mulheres às vezes “atuam” depois de terem sido atacadas…

Em suma, os critérios diagnósticos de transtornos de personalidade parecem desculpar o mau comportamento dos homens, enquanto patologizam o trauma das mulheres. O fato de que a “emoção excessiva” ainda pode ser legitimamente considerada como um sintoma de doença mental, que existe no vácuo fora de qualquer contexto político, nos diz que atualmente a psiquiatria ainda usa seus truques antigos.


Tradução do texto original do Radical Hub

Nota da tradutora: Agradecimentos e créditos especiais a Clara de Araújo, Giovana Solanas e Isabella Brambilla, que ajudaram na revisão, correção e tradução desse texto.

Bianca Chella

Apenas gosto de estudar e disponibilizar materiais sobre temas variados. Não me usem como referência a movimentos políticos. Não sou ativista e nem nada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *