Início Maternidade Questões de Poder e Direitos na Maternidade Sub-rogada

Questões de Poder e Direitos na Maternidade Sub-rogada

0
269
cegonha
Arte de uma cegonha segurando uma trouxa no bico com as cores da bandeira LGBT. Na trouxa se lê: "Aguardando litígio".

Eu sou uma mulher lésbica. Em meu ativismo político, ao longo de mais de quarenta anos, tenho repetidamente falado contra a homofobia, bem como lutado contra a misoginia, o capacitismo, o racismo e o classismo entre outras opressões. Hoje, em minha palestra, vou criticar gays que contratam mulheres para serem substitutas, para que possam satisfazer seu “desejo” de ter filhos. Minha crítica é para qualquer pessoa — hétero ou gay — que adquira filhos por meio da barriga de aluguel.

Eu sou uma crítica da violência contra as mulheres e tenho sido especialmente franca sobre a violência contra lésbicas. Assim como quando os homens acusam as mulheres de chauvinismo, isso não funciona, uma vez que os homens são o grupo dominante. Da mesma forma, quando uma lésbica critica a política de alguns gays, devemos lembrar que os gays têm mais poder sob estruturas patriarcais do que as lésbicas.

Minha opinião de que homens gays não deveriam se envolver em barriga de aluguel não é um ódio por homens gays, mas sim uma diferença política: uma diferença que explicarei em minha palestra. Não sou a primeira pessoa a criticar homens gays; de fato, outras lésbicas e gays também o fizeram (ver Klein, 2017; Solis, 2017; Bindel e Powell, 2018).

Apoio as palavras de Julie Bindel e Gary Powell, que escreveram:

Somos uma lésbica e um gay que têm estado envolvidos há muitos anos na luta pela igualdade entre gays e lésbicas e por questões mais amplas de direitos humanos. Nós dois nos opomos inequivocamente a todas as formas de barriga de aluguel como antiéticas; como legalmente, medicamente e psicologicamente perigoso; e como uma mercantilização abusiva de mulheres e bebês que também traz riscos de saúde significativos e pouco relatados para as mulheres e os bebês envolvidos (Bindel e Powell, 2018 — Clique para ler a tradução aqui).

Poder

O poder está no centro da barriga de aluguel e é sobre o uso indevido do poder que estamos falando aqui. Quando uma pessoa tem acesso e pode exercer mais poder do que outra, é uma relação de poder desigual.

Considere as seguintes frases:

Kim Kardashian West teve um bebê através de barriga de aluguel. Kim Kardashian é muito rica. Quem ela ‘escolhe’ para ser sua ‘substituta’: uma mulher rica? Improvável.

“Eu odiava estar grávida… Mas, por mais que eu odiasse, ainda desejava poder ter feito isso sozinha. O controle é difícil no começo. Depois de deixar isso para lá, é a melhor experiência. Eu recomendaria barriga de aluguel para qualquer pessoa (Fisher, 2018).”

Mas, como deixam claro os colaboradores do Broken Bonds (Lahl, Tankard Reist e Klein, 2019), abrir mão do controle é difícil e manter o controle é mais comum entre os pais comissionados, com consequências terríveis para as mães biológicas.

Embora tenha sofrido placenta acreta durante a própria gravidez, Kim Kardashian pensou, no entanto, que seria bom para outra mulher pôr em risco sua própria saúde, para que ela, Kadashian, pudesse ter um terceiro filho.

Outra frase:

“Elton John paga £20.000 à mãe sub-rogada para ter o segundo filho” (Daily Mail Reporter, 2013).

A mulher permanece sem nome, não apenas para o público, mas também na certidão de nascimento. Em vez disso, David Furnish (marido de Elton John) é nomeado como a mãe.

Isso é orwelliano. No mundo real, as mulheres são mães; homens são pais. Que jurássica!, dizem os críticos da minha posição. Eu digo: não, eu me preocupo com a linguagem, com a verdade na linguagem, com poder confiar no que me dizem e não recorrer a notícias falsas.

Anca Gheaus (2016) argumenta um ponto ainda mais forte. Ela escreve:

“…uma mãe gestacional adquire o direito moral de ser mãe por ter gestado a criança. Além disso, as razões para manter o direito são tais que o direito não pode ser transferido para outras pessoas (Gheaus, 2016, pp.21; grifo meu).

Essa frase me lembra a incapacidade de uma pessoa legalmente se vender como escrava (embora a prática continue). Existe uma integridade moral encapsulada nesses direitos humanos que os torna incontroversos.

No centro da indústria de barrigas de aluguel está um sistema de classismo, racismo, capacitismo e misoginia. Além disso, a lógica da eugenia impulsiona a barriga de aluguel.

Classismo

As Kardashians e Elton John são exemplos claros de classismo. Classe e sexo andam juntos. Os homens ganham mais do que as mulheres, sejam eles heterossexuais ou gays. Os homens são capazes de explorar as mulheres facilmente e uma família de dois homens provavelmente é ainda melhor do que a de um homem e uma mulher. A análise do classismo e do racismo na barriga de aluguel não é nova. Gena Corea (1985), Renate Klein (1989), Robyn Rowland (1992) e Janice Raymond (1995) observaram as diferenças de poder e as diferenças baseadas em explorações de classe e raça.

Racismo

É claro que o racismo é parte integrante da barriga de aluguel, considerando os lugares em que as mulheres são usadas como substitutas. Sheela Saravanan, em seu livro, Uma Visão Feminista Transnacional dos Biomercados de Subrogação na Índia (2018), entrevistou pelo menos cinquenta mulheres para seu estudo etnográfico. Kajsa Ekis Ekman resume o uso de mulheres pobres na barriga de aluguel:

Em uma clínica em Anand, no norte da Índia, as mulheres dão à luz crianças ocidentais. Os óvulos das mulheres brancas são inseminados com o esperma dos homens brancos, e o embrião é implantado no ventre das mulheres indianas. As crianças não apresentarão vestígios das mulheres que as gestaram. As crianças não ostentarão os nomes delas, nem as conhecerão. Depois de dar à luz, as mulheres indianas as entregam (Ekis Ekman, 2013, p. 125).

O Sudeste e o Sul da Ásia têm sido os principais lugares para clínicas de barriga de aluguel e Sheela Saravanan documenta como isso funcionou (Saravanan 2018) e como continua na Índia (Saravanan em Lahl et al, 2019, pp. 91–100) ainda que agora, tecnicamente, os estrangeiros não possam mais se envolver em barriga de aluguel na Índia. Tailândia, Camboja e Nepal agora proibiram a barriga de aluguel. Mas o Laos abriu clínicas. A exploração baseada em classe e raça continua.

Ucrânia, Rússia, Romênia, Hungria, Geórgia são todos os lugares visitáveis para conseguirs um bebê através da barriga de aluguel. Embora as mulheres aqui sejam brancas, elas são pobres e as mulheres da Europa Oriental ainda são frequentemente vistas como seres inferiores pelos ocidentais (Lahl et al., Pp. 25–26; pp. 43–46; pp. 761–74; pp. 107 -110; pp. 117–120).

Nos EUA, onde a barriga de aluguel comercial é legal em 11 estados, são as mulheres afro-americanas e hispânicas que são frequentemente usadas pela indústria de barrigas de aluguel e, se as mulheres brancas o são, são mulheres brancas pobres (Lahl et al., Pp. 121–126 ) Nos EUA, você pode encomendar gêmeos nascidos de dois pais diferentes (Daily Mail, 2019).

Capacitismo

O caso do bebê Gammy, em 2014, ganhou manchetes em todo o mundo. Uma criança com síndrome de Down foi “deixada para trás na Tailândia pelos seus pais comissionados australianos, o pai agressor sexual e sua esposa” (Klein 2017, p. 1; ver também pp. 39–40). O impulso para uma abordagem reprodutiva eugênica é a opressão política final, a saber, o apagamento de toda uma classe, sexo, casta, religião ou grupo étnico. As crianças percebidas como ‘menos que perfeitas’ (local, 2019) serão eliminadas. Quando ouvimos falar disso, geralmente é chamado de limpeza étnica, estupro genocida, assassinato em massa e para uma pessoa — uma pessoa decente — é visto de maneira negativa. Mas quando se trata de apagar pessoas com deficiência antes do nascimento, essas conotações negativas raramente se manifestam.

A barriga de aluguel permite que o pai ou a mãe pretendente especifiquem as características genéticas da criança e, em particular, que a criança não deve nascer com deficiência.

As mulheres que passam por barriga de aluguel, como parte de seu contrato, podem sofrer uma “redução fetal” quando múltiplos embriões se desenvolvem. Elas podem ser forçadas a abortar, caso a criança esperada apresente uma deficiência ainda no útero. As mulheres podem ficar literalmente ‘segurando o bebê’ e não receber a quantia em dinheiro que concordaram devido a uma deficiência no útero ou aparente no nascimento.

Misoginia

Como Renate Klein argumenta tão convincentemente em seu livro “Sub-rogação: uma violação dos direitos humanos”, três mulheres são afetadas negativamente por um acordo de barriga de aluguel:

  1. A mãe biológica, “a substituta”, que coloca sua vida em risco para os pais comissionados.
  2. Se existe uma doadora de óvulos — e no caso de gays que desejam ter um filho, esse é sempre o caso (Eastman em Lahl et al., Pp. 27–36) — então a saúde da doadora de óvulos é comprometida. O processo de doação de óvulos não é simples: como Maggie Eastman aponta, o processo a deixou com graves repercussões físicas (câncer de mama terminal) e psicológicas.
  3. Em um casal heterossexual, a nova ‘mãe’ pode se sentir perdida, sentir que é um fracasso e sentir-se profundamente ressentida com o bebê e a mulher que deu à luz.

O filho dos novos pais também acabará questionando o que aconteceu. Eu fui comprado? Por que minha mãe biológica nunca entrou em contato comigo (ela provavelmente foi impedida de fazê-lo)? Quem são meus pais biológicos? Essas são as mesmas perguntas que as crianças adotadas fazem (Mackieson, 2015).

Direitos

Uma frase que eu ouço regularmente na mídia e em debates sobre barriga de aluguel é que os gays têm um ‘direito’ de ‘formar família’.

De que direitos estamos falando aqui? Nem todos os homens gays são ricos, mas eu arriscaria adivinhar que os casais gays que contratam uma substituta não têm salários baixos, não são da classe trabalhadora.

As pessoas dizem: “Sou contra a barriga de aluguel, mas de que outra forma esses coitadinhos gays vão ter um bebê?” As mulheres são socializadas a ceder e continuar cedendo a custas de seu próprio risco.

Antes que os críticos me acusem de que nada disso se aplica à Austrália, onde apenas a barriga de aluguel altruísta é permitida, as mulheres continuam a fornecer seus corpos a outras pessoas. Não é incomum que lésbicas tenham filhos para homens gays.

Não existe o direito de alguém ter um filho. Sob as regras da Convenção sobre os Direitos da Criança (CRC), vários protocolos são quebrados, incluindo o de venda de crianças e, como Renate Klein documenta, a indústria de barrigas de aluguel viola o Artigo 7 e o Artigo 35 da CDC (Klein, 2017, p.100–101).

Julie Bindel e Gary Powell apontam que um argumento da “igualdade” está sendo usado para tornar aceitável que gays se envolvam em “barriga de aluguel”. Mas, como observei no começo, não há igualdade aqui, mas uma relação de poder desigual. O escritor espanhol Raul Solis (2017, citado em Klein, 2017, pp. 153) inventa a palavra ‘gaypitalismo’para expressar sua preocupação com o fato de os homens gays estarem trocando ‘ser oprimido’ para se tornarem o opressor depois de anos de apoio de lésbicas e feministas heterossexuais em suas batalhas contra a criminalização da homossexualidade.

A barriga de aluguel é uma indústria na qual estamos criando uma nova geração roubada com consequências de trauma transgeracional, como vimos no Bringin Them Home Report (1997) e National Apology for Forced Adoptions, de Julia Gillard (2013). Mas desta vez é inerentemente uma parte da indústria. O bebê é concebido para ser levado ao nascimento. Como Renate Klein aponta em “Sub-rogação”, os animais de estimação são mais bem tratados e os filhotes e gatinhos geralmente não são removidos de suas mães até as 6 a 8 semanas de idade (não estou recomendando isso, apenas apontando).

A indústria de barrigas de aluguel na Austrália tem um número de gays proeminentes em seu comando (Sam Everingham; Stephan Page). A barriga de aluguel também gera muito dinheiro: para clínicas de fertilização in vitro; para advogados; para corretores. E ir para Taiwan é encontrar uma espécie de Feira do Bebê:

A “Men Having Babies” (MHB), entidade sem fins lucrativos, sediada em Nova York, organiza eventos em todo o mundo para fornecer conselhos e apoio a todas as pessoas LGBT+ que desejam se tornar pais e planeja realizar seu primeiro evento anual asiático nos dias 9 e 10 de março em Taipei, Taiwan .

O evento de dois dias, descrito como um ‘campo de treinamento’, incluirá futuras mães ‘substitutas’, doadoras de óvulos, além de advogados, médicos e clínicas locais.

Então, de quais direitos estamos falando aqui? Precisamos falar sobre os direitos das mulheres pobres, das mulheres cuja pobreza ou desespero é causada pelo racismo estrutural, das pessoas com deficiência rejeitadas porque não se encaixavam no modelo do bebê perfeito; de mulheres mais uma vez submetidas à misoginia.

Atualmente, em tempos de leis de casamento igualitário, os homens gays de hoje são vistos pelo mainstream como uma força progressiva. E alguns homens gays se comportam como uma força progressiva. No entanto, existe uma classe distinta de gays ricos que estão promovendo a barriga de aluguel como uma nova liberdade para gays. Mas não há nada progressivo em explorar as mulheres com base na pobreza, etnia, deficiência ou sexo.

Não há lugar para uma indústria baseada em misoginia, racismo, classismo e capacitismo.


Referências

  • Bindel, Julie; Powell, Gary. 2018. “Carta aberta à comunidade LGBT: diga não ao aluguel de úteros”. Stop Surrogacy Now.
  • Corea, Gena. 1985. The Mother Machine: Reproductive Technologies from Artificial Insemination to Artificial Wombs. New York: Harper & Row.
  • Daily Mail Reporter. (21 January 2013). ‘Last of the big spenders! Elton John ‘paid £20,000′ to surrogate mother for giving birth to second son Elijah.’
  • Ekis Ekman, Kajsa. 2013. Being and Being Bought: Prostitution, Surrogacy and the Split Self. North Melbourne: Spinifex Press.
  • Fisher, Luchina. (14 March 2018). ‘Kim Kardashian West explains why she chose a surrogate for her third child’. ABC News.
  • Gheaus, Anca. 2106. ‘The normative importance of pregnancy challenges surrogacy contracts’. Analize — Journal of Gender and Feminist Studies. New Series. Issue №6. pp. 20–31.
  • Gillard, Julia. 2013. ‘National Apology for Forced Adoptions’.
  • Hawthorne, Susan. 2020. ‘Medical wars against the less than perfect: The politics of disability’. Forthcoming in Vortex. Mission Beach: Spinifex Press.
  • Klein, Renate. 1989. Infertility: Women Speak Out about Their Experiences of Reproductive Medicine. London: Pandora Press.
  • Klein, Renate. 2017. Surrogacy: A Human Rights Violation. Mission Beach: Spinifex Press.
  • Lahl, Jennifer, Melinda Tankard Reist and Renate Klein (eds.) 2019. Broken Bonds: Surrogate Mothers Speak Out. Mission Beach: Spinifex Press.
  • Laing, Lucy. (27 January 2019). ‘Baby “twins” have two different fathers after gay couple were both able to fertilise an embryo of a surrogate mother’. Daily Mail.
  • Mackieson, Penny. 2015. Adoption Deception: A Personal and Professional Journey. Melbourne: Spinifex Press.
  • Place, Fiona. 2019. Portrait of the Artist’s Mother: Dignity, creativity and disability. Mission Beach: Spinifex Press.
  • Raymond, Janice G. 1995/2019. Women as Wombs: Reproductive Technologies and the Battle over Women’s Freedom. Mission Beach: Spinifex Press.
  • Rowland, Robyn. 1992. Living Laboratories: Women and Reproductive Technologies. Sydney: Sun Books. Available from Spinifex Press.
  • Saravanan, Sheela. 2018. A Transnational Feminist View of Surrogacy Biomarkets in India. Singapore: Springer.
  • Solis, Raul. (25 March 2017). ‘Los Vientres de Alquilar: La cara mas brutal del ‘”Gaypitalismo”‘. Paralelo 36 Andalucia.
  • Taylor, Michael. (22 February 2019). ‘Gay parenting ‘boot camp’ moves to Asia to meet growing demand from China’. Essential Baby.
  • Wilson, Ronald and Dodson, Mick. 1997. Bringing Them Home Report: Report of the National Inquiry into the Separation of Aboriginal and Torres Strait Islander Children from Their Families. Australian Human Rights Commission.

A AUTORA

Susan Hawthorne é feminista lésbica há mais de quarenta anos. É autora e editora de 25 livros de não-ficção, ficção e poesia, dos quais o mais recente é “Dark Matters: A novel” (2017). Em 2017, ela foi a vencedora da Penguin Random House como “Melhor Realização em Escrita” no Inspire Awards por seu trabalho, aumentando a conscientização das pessoas sobre a epilepsia e as políticas da deficiência. É professora adjunta na Faculdade de Artes, Sociedade e Educação da James Cook University, Townsville e editora da Spinifex Press. Ela conhece as muitas discussões que ocorreram com Renate Klein ao escrever este ensaio.


Artigo de Susan Hawthorne, apresentado na Broken Bonds and Big Money: Conferência Internacional sobre Subrogaçã (16 de Março de 2019)

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui