10 formas que a barriga de aluguel é como a prostituição

A OBJECT faz campanhas intesivas contra a indústria da prostituição. Outra de nossas cinco questões principais é a “barriga de aluguel”, cujos danos talvez sejam menos divulgados. Barriga de aluguel envolve o aluguel do útero de uma mulher e a compra/venda de bebês. Nós objetamos.

Se você se opõe à exploração de mulheres na prostituição, também deve OBJETAR a prática semelhante de ‘barriga de aluguel’ (aluguel de útero e comércio de bebês).

Aqui estão 10 maneiras como a barriga de aluguel é como a prostituição:

#1 Objetificação dos corpos das mulheres

Os corpos das mulheres são mercantilizados na indústria da prostituição e da barriga de aluguel; eles são considerados objetos disponíveis para compra, uso e abuso.

Na prostituição, o ‘produto’ à venda é o prazer sexual dos homens — os homens pagam para estuprar mulheres prostituídas, a fim de obter satisfação sexual e/ou um senso de poder e superioridade, sem considerar a perspectiva de gravidez.

Com a barriga de aluguel, o ‘produto’ é um bebê. Uma ‘família feliz’ pode ser comprada sem que o(s) comprador(es) tenha que se envolver em relações sexuais e conceber. O corpo da mulher ‘substituta’ também é alugado pela duração da gravidez, usado como uma embarcação para dar à luz e dar à luz uma criança (na verdade, sua filha, embora ela seja incentivada a se destacar desse fato) — o bebê é depois levado pelos ‘compradores’.

#2 Dissociação: separação da mente e do corpo

As mulheres exploradas como prostitutas e mães ‘substitutas’ usam a dissociação como mecanismo de enfrentamento. Essa técnica envolve separar mentalmente a mente e o corpo. O objetivo é fornecer alguma proteção à psique enquanto o abuso é infligido ao corpo. Após o término do abuso, pode ser difícil para sobreviventes restabelecer uma conexão saudável entre mente e corpo, e evitar dissociar-se espontaneamente e/ou em resposta a determinadas situações gatilho.

Mulheres prostituídas testemunham o uso da dissociação como estratégia de sobrevivência para lidar com seus abusos:

“Para suportar a prostituição, você precisa separar sua consciência do corpo, precisa se dissociar. O problema é que você não pode voltar atrás depois. O corpo permanece sem contato com sua alma, sua psique.” — Huschke Mau (2017)

Está bem documentado que os humanos têm a capacidade de se entorpecer psicologicamente em circunstâncias que consideram ameaçadoras ou traumáticas. Como o Dr. M Scott Peck escreveu (em seu fascinante estudo do mal humano, People of the Lie): “Em uma situação em que nossos sentimentos emocionais são extremamente dolorosos ou desagradáveis, temos a capacidade de nos anestesiar”.

“Antes mesmo do primeiro dia, eu já estava ativamente envolvida no processo de ocultar a realidade do que estava passando. Além disso, agora percebo que antes mesmo de chegar à rua Benburb, eu já estava envolvida no processo de ocultar a realidade do que estava prestes a fazer. Eu coloquei uma forma diferente nela, uma face diferente nela; um rosto que era aceitável para mim.” – Rachel Moran, sobrevivente da prostituição (2013, p. 51)

A forma de dissociação praticada pelas mulheres usadas na “barriga de aluguel” é menos clara. A mãe ‘substituta’ deve ver seu corpo como um ‘portador’ do filho de outra pessoa — mesmo que a criança cresça dentro dela, seja nutrida por ela, gerada por ela e cortada de seu corpo. A “substituta” deve se dissociar — separar seu senso de “eu” dos eventos da realidade física — para suportar e tentar justificar para si mesma a separação traumática de mãe e filho recém-nascido.

“Como a prostituta que diz ‘eu não sou o meu corpo’, a barriga de aluguel diz ‘a criança não é minha’”. — Kajsa Ekis Ekman (2013, p. 172)

A dissociação é usada como proteção parcial contra trauma. Na prostituição, o trauma é o de ser estuprada e abusada sexualmente por homens; no caso de uma mãe ‘substituta’, o trauma primário é o roubo do bebê imediatamente após o nascimento.

#3 Mulheres pobres são exploradas

As mulheres com maior probabilidade de serem usadas na prostituição e na barriga de aluguel são aquelas que são levadas a fazê-lo pela pobreza. Elas também são menos capazes de estabelecer as finanças necessárias para escapar daquela situação.

Pessoas ricas de países desenvolvidos estão dispostas a pagar uma quantia substancial por um bebê se, por exemplo, forem inférteis e incapazes de conceber naturalmente.

Isso levou a que ‘empresas de barriga de aluguel’ prosperassem em países do chamado ‘terceiro mundo’, onde as mulheres atingidas pela pobreza são exploradas. Alguns desses países já proibiram ou impuseram restrições à prática, devido ao flagrante abuso. A Índia proibiu ‘compradores’ estrangeiros de comprar bebês em 2015 (Srivastava, 2017). Agora, está buscando proibir totalmente a barriga de aluguel comercial.

“Até 2015, qualquer pessoa de qualquer lugar poderia pegar um voo para a Índia, gastar cerca de US$35.000 dólares e sair com um bebê. Mal a indústria tinha sido regulamentada, os relatórios das agências de direitos humanos começaram a circular informações sobre como as substitutas estavam sendo tratadas. Algumas substitutas desconheciam o que o processo implicava, eram mal informadas sobre seus direitos e, em alguns casos, não estavam sendo pagas de maneira alguma.” – Sachdev, C. (2018)

Em 2015, a Tailândia também proibiu os estrangeiros de usarem mulheres residentes como as chamadas ‘gestantes’. Isso veio após vários casos contenciosos, incluindo um casal australiano (um dos quais condenado por crimes sexuais contra crianças) que aparentemente abandonou um bebê nascido com Síndrome de Down — na verdade, a mãe do bebê (a ‘portadora gestacional’) decidiu manter o bebê (ABC, 2016; Srivastava, 2017). Os ‘compradores’ queriam levá-lo, mas tiveram que fugir do país devido a distúrbios civis; eles ainda conseguiram roubar a irmã gêmea do bebê. O juiz afirmou que “este caso serve para destacar os dilemas que surgem quando as capacidades reprodutivas das mulheres são transformadas em mercadorias vendáveis” (ABC, 2016).

O comércio de bebês está agora em ascensão na Ucrânia e em outros países onde a ‘barriga de aluguel’ ainda é legal (Roache, 2018).

#4 São os homens que lucram

Tanto a prostituição quanto a “barriga de aluguel” foram desenvolvidas em indústrias globais e lucrativas. São principalmente os homens — os “proprietários de empresas” (também conhecidos como cafetões) — que lucram financeiramente. Isso significa que as mulheres exploradas não conseguem nem sair da pobreza, apesar da quantia que as pessoas podem estar dispostas a pagar por um bebê ou para estuprar/abusar sexualmente de uma mulher.

“O sexo não é desejado, mas precisamos do dinheiro; então os homens exploram esse desequilíbrio de poder e nossa necessidade econômica para sua própria ganância sexual, e os proxenetas podem capitalizar a transação, nos explorando ainda mais por sua ganância financeira, para que possam enriquecer enquanto nós apenas sobrevivemos.” – Mulher prostituída na Nova Zelândia, citada em Williams (2016)

As mulheres prostituídas são frequentemente mantidas em servidão por dívidas com cafetões. Algumas são obrigadas a alugar seus próprios quartos em bordéis e pagam multas por deixar o prédio após o toque de recolher.

Da mesma forma, as agências de aluguel extraem lucro extra das mães ‘substitutas’, forçando-as a compartilhar acomodações apertadas (Alina, uma mãe ‘substituta’ na Ucrânia, teve que dividir a cama com outra mulher em um apartamento para quatro (Roache, 2018)) e multar as mulheres se elas quebrarem alguma regra (Alina e outras ‘substitutas’ seriam multadas se saíssem do apartamento depois das 16h (ibid.)).

“Se não estivéssemos em casa depois das 16h, poderíamos ser multadas em 100 euros. Também fomos ameaçadas com multa se alguma de nós criticasse abertamente a empresa ou se comunicasse diretamente com os pais biológicos”. – Alina, mãe ‘substituta’ citada em Roache (2018)

O Centro de Bioética e Cultura acaba de produzir um documentário chamado “Big Fertility”, que expõe as semelhanças entre a indústria de “barriga de aluguel” e a indústria do tabaco — em ambas, os danos e perigos são omitidos na busca por lucro. Big Fertility conta a história de Kelly Martinez, uma mulher que quase morreu durante uma gravidez de aluguel e foi ameaçada de ser arruinada financeiramente.

Como na indústria do tabaco, o lucro supera os danos; a indústria pode continuar a florescer devido ao investimento financeiro dos escalões superiores. A prostituição e a barriga de aluguel têm como alvo específico as mulheres, as classes sexuais mais baixas, e, portanto, é ainda menos provável que haja objeção daqueles que estão no poder.

#5 Propagandeada como algo glamouroso

O terrível abuso envolvido na escravidão sexual, na escravidão reprodutiva e no comércio de bebês exige uma boa matéria de capa para subjugar a preocupação do público. Por esse motivo, os danos não são mencionados ou são atribuídos inteiramente às ‘escolhas’ das próprias mulheres.

Uma imagem palatável da prostituição é retratada ao público. O mito da ‘prostituta feliz’ é propagado na grande mídia, sugerindo que as prostitutas são empreendedoras experientes e que ‘escolhem’ esse estilo de vida — que é divertido e libertador. O estupro e abuso são simplesmente encobertos.

Programas de TV como “O Diário Secreto de uma Garota de Programa” exibem a prostituição como parte de um estilo de vida lúdico e festivo, obscurecendo a realidade da vida no comércio sexual escravo.

Da mesma forma, a “barriga de aluguel” é anunciada como uma maneira de ajudar as pessoas a conseguir os filhos que desejam — sem destacar de quem são roubados ou os danos que causam. As agências de aluguel sugerem a situação difícil dos casais inférteis, sofrendo porque são incapazes de conceber. Dizem que as mães ‘substitutas’ estão prestando um serviço público — ou talvez até respondendo a um chamado altruísta.

Quando os “compradores” em potencial navegam no site de uma agência de “barrigas de aluguel”, eles recebem uma visão higiênica da “barriga de aluguel” e são assegurados de que esta é uma solução ética para o seu “problema”. Os “mitos” são “desmascarados” para amenizar seus medos de que eles possam estar fazendo algo errado ao comprar um bebê. As fotos no site mostram casais sentados tomando um café rápido com a mãe ‘substituta’ — ela é apenas uma conhecida por alguns meses e fica fora de cena, para que não cause qualquer inconveniente.

Fotos como esta (nota: é uma imagem de estoque para fins ilustrativos e não é de um site de ‘barriga de aluguel’) são frequentemente exibidas em sites que promovem ‘barriga de aluguel’. O que aconteceu com a mãe biológica do bebê? Ela já viu seu filho? Como esse bebê se sentirá quando crescer e descobrir que foi comprado de sua mãe?

O site da agência que estou vendo menciona, incidentalmente, que o valor pago às mães ‘substitutas’ varia dependendo da “demanda por uma mulher de sua origem étnica”. É assegurado aos “compradores” que todas as suas exigências serão atendidas e que são inteiramente justificáveis.

As agências de “sub-rogação” não só exploram mulheres pobres, mas também se apoiam na exploração do “altruísmo”. Dizem às mulheres que, ao se tornarem ‘substitutas’, estão fazendo algo bom e generoso, ajudando as que precisam de um bebê. Elas não são informadas a considerar os riscos potenciais à saúde e o trauma emocional que ocorrerá quando o bebê for levado.

#6 O direito de usar mulheres

Qualquer discussão sobre direitos, naquilo que envolve prostituição, tende a girar em torno da defesa do direito dos homens de comprar ‘sexo’ (ou seja, de comprar corpos de mulheres para abuso e estupro).

Em documentos vazados, a Anistia Internacional declara que “atividade sexual” é uma “necessidade humana”:

Esta nota de rodapé mostra que a Anistia Internacional acredita que os homens têm o direito de comprar mulheres para uso/abuso sexual. O acesso ao corpo de uma mulher é considerado a “necessidade humana fundamental” de um homem (Amnistia Internacional, n.d., p. 5).

O caso de homens com deficiência é frequentemente apresentado como ‘justificativa’ para a indústria da prostituição:

“Vários acadêmicos no Reino Unido e em outros lugares expressaram preocupação com o modelo abolicionista que afeta os ‘direitos humanos’ dos homens com deficiência. Em um artigo publicado na revista Disability and Society, os autores canadenses argumentam que o chamado ‘trabalho sexual’ é uma avenida importante por meio da qual as pessoas com deficiência podem explorar a realização sexual e que a criminalização do pagamento por sexo afetaria negativamente as pessoas com deficiência e seu direito de acessar o prazer sexual. Mais uma vez, o uso da linguagem neutra [sexo] aqui é interessante.” – Julie Bindel (2017, p. 149), referindo-se a Fritsch et al. (2016)

Do mesmo modo que os homens não têm um direito inalienável ao ‘sexo’, as pessoas não têm o direito de ‘obter’ filhos apenas porque são incapazes de conceber naturalmente e dar à luz seus próprios. No entanto, esta é a ‘justificativa’ usada:

“Esse desejo muito específico [de ter filhos] se transformou em um direito humano. Robertson chama isso de “o direito do casal de criar um filho” e “o direito do casal à autonomia procriadora”, que ele chama de “direito fundamental” (1992, pp. 52–53).

Se a demanda não for atendida, de acordo com sua lógica, temos uma negação de direitos humanos básicos em nossas mãos. A barriga de aluguel é apresentada como a única solução para o problema, como um artigo do jornal Sydsvenskan a formula:

“Para homens homossexuais, a barriga de aluguel pode ser a única maneira de ter um filho” (Gunnarsson, 2009). Um anseio geral pelas crianças foi subitamente reduzido para significar que a barriga de aluguel é uma necessidade absoluta — fim da discussão.” – Kajsa Ekis Ekman (2013, p. 152)

Os Princípios de Yogyakarta +10 (parte de um documento que promove os ‘direitos’ sexuais dos homens nas leis internacionais de direitos humanos) incluem uma seção sobre “O direito de fundar uma família”. Ele incentiva a prática da ‘barriga de aluguel’ como um meio de cumprir esse ‘direito’:

O “Direito de fundar uma família” está incluído, juntamente com os ‘direitos’ sexuais de outros homens, n’Os Princípios de Yogyakarta +10 (2017). Barriga de aluguel é especificamente mencionada nesta seção (como apontado por Sheila Jeffreys (2018) em seu discurso sobre os Princípios de Yogyakarta no evento de Venice Allen, “Mulheres Inconvenientes”, parte da turnê “Precisamos Falar Sobre o GRA”).

Os direitos das mulheres vítimas de abuso não são considerados, nem os direitos dos bebês vendidos.

Tanto a prostituição quanto a barriga de aluguel sustentam a ideia de que as mulheres (ou pelo menos algumas mulheres) são sub-humanos que podem ser utilizados para conceder os chamados “direitos’’ (isto é, desejos) de outras pessoas.

#7 Reforça os papéis sexuais (“Gênero”)

A ideia de que as mulheres existem para servir os outros, principalmente os homens, é chamada de “gênero”. A prostituição e a barriga de aluguel sustentam a ideologia de “gênero” — a noção de papéis sexuais (“masculinidade” e “feminilidade”) com a qual homens e mulheres devem obedecer, respectivamente. O “gênero” feminino das mulheres é prescrito como servil, submisso, altruísta e voluntarista.

A prostituição é a personificação do “direito masculino ao sexo” — a noção de que os homens têm o direito de usar mulheres (como mencionado acima no ponto 6) para gratificação sexual. Isso faz parte do seu “gênero” como a classe sexual dominante. As mulheres devem se submeter a esse tratamento para preservar a hierarquia de “gênero”.

As agências de barriga de aluguel recrutam mulheres não apenas pelo desespero da pobreza, mas também pela exploração do altruísmo. As mulheres são socializadas para acreditar que seu objetivo é ajudar e servir os outros — a ideia de dar um filho a um casal infeliz, que não pode ter um seu, apela como um ato de altruísmo. As mulheres também são incentivadas a ter baixa autoestima e buscar seu valor na aprovação de outras pessoas — e, obviamente, a aprovação de um homem é considerada mais valiosa do que a aprovação de uma mulher.

“Fui zeladora a maior parte da minha vida. Engravidei facilmente e senti empatia por mulheres que não conseguiam engravidar e se tornarem mães. Para mim, ser uma substituta era ajudar. Não era sobre dinheiro. Talvez eu tenha pensado em “consertar” a dor dela. Dar a ela um filho não a consertou, mas com certeza me destruiu.” — Heather, citada pelo Centro de Bioética e Cultura (2014)

“Por que essas mulheres se sacrificam, suportam tudo o que a gravidez implica: dor, parto e hormônios por nove meses — apenas por um sorriso no rosto de um casal misterioso? A explicação oficial no mundo da sub-rogação é que é simplesmente a natureza feminina.” — Kajsa Ekis Ekman (2013, p. 182)

#8 Danos físicos

A prostituição é inerentemente violenta (Nordic Model Now!). Os homens pagam exclusivamente pelo estupro e abuso sexual de mulheres prostituídas. As mulheres prostituídas também correm um alto risco de serem agredidas fisicamente por cafetões e compradores, ou de serem assassinadas por eles.

A barriga de aluguel também envolve o uso físico e a violação do corpo de uma mulher. A mulher sofre os riscos usuais associados à gravidez e ao parto — isso pode ser exacerbado pelo mau acesso aos cuidados médicos. Alina, uma mãe ‘substituta’ na Ucrânia, relatou que a agência de barriga de aluguel fornecia apenas os cuidados mais baratos e básicos (Roache, 2018):

“Éramos tratadas como gado e ridicularizadas pelos médicos”, disse Alina. “Não havia água quente, nosso banho era com garrafas de plástico em cima do vaso sanitário com água pré-aquecida em uma chaleira. Eu queria ser transferida para um hospital diferente, mas a equipe ameaçou não me pagar se eu reclamasse com Anca [a “mãe pretendente”]. — Alina, citada em Roache (2018)

Após o nascimento, Alina sofreu complicações potencialmente fatais (uma placenta retida):

“Três dias após o parto, Alina disse que começou a sangrar muito e foi levada às pressas para a unidade de terapia intensiva, onde os médicos gritaram com ela: «Estamos fartos de todos os seus problemas.»” — Roache (2018)

Os riscos físicos da “maternidade substitutiva” geralmente não são claros para as mulheres “substitutas”, ou então elas se sentem forçadas a “arriscar” devido à pobreza e à falta de opções alternativas.

Tanto na prostituição quanto na barriga de aluguel, as mulheres às vezes são forçadas a abortar. Isso não é apenas fisicamente árduo, mas tem um impacto emocional e psicológico.

“Ao longo dos anos, tive cafetões e clientes que me bateram, me deram socos, me chutaram, me espancaram, me cortaram com uma navalha. Eu fui forçada a fazer sexo sem proteção e engravidei três vezes e fiz dois abortos numa clínica. Depois, voltei para a rua novamente. Eu tenho tantas cicatrizes por todo o meu corpo, tantos ferimentos e tantas doenças. Eu tenho hepatite C e dores no estômago e nas costas e muitos problemas psicológicos. Eu tentei cometer suicídio várias vezes.” — Kayla, sobrevivente da prostituição; citada em Lederer & Wetzel (2014)

Muitas substitutas são pressionadas a fazer um aborto se os ‘pais pretendentes’ não quiserem o filho. Quando a fertilização in vitro é usada no implante de embriões, é bastante comum que a ‘substituta’ engravide de gêmeos ou trigêmeos — nesse caso, os ‘pais pretendentes’ podem querer que a gravidez ‘diminua’. Um aborto também pode ser exigido se detectarem anormalidades na saúde do feto.

Um relatório de 2018 intitulado “Os Nossos Bebês, as Escolhas Delas: A Necessidade de Cumprir Contratos de Barriga Gestacional” argumenta que os tribunais devem poder impor o aborto às mães ‘substitutas’:

“Mesmo nos estados [dos EUA] onde contratos substitutos são legais, os tribunais se recusaram a ordenar desempenhos específicos para fazer cumprir as disposições de abortamento ou redução. No entanto, os tribunais não devem se esquivar disso. Esta nota propõe um estatuto federal determinando que contratos substitutos gestacionais sejam cumpridos, protegendo assim os direitos dos pais pretendentes.” — Lollo (2018)

#9 Danos psicológicos

Além de lesões físicas, a prostituição e a barriga de aluguel também causam grandes danos psicológicos às mulheres envolvidas. Os efeitos psicológicos podem permanecer muito tempo após o abuso. Isso inclui problemas com dissociação (como mencionado no ponto 2), depressão, ansiedade e estresse pós-traumático.

“Os danos psicológicos que resultam da desassociação contínua da mente e do corpo necessários para sobreviver à prostituição e a desumanização de rotina integral à prática, geralmente carregam todas as características do transtorno de estresse pós-traumático (Farley, 2003, 2004).” — Sheila Jeffreys (2009, p. 187)

O impacto psicológico severo nas mulheres prostituídas não é surpreendente, considerando o estupro e abuso que elas devem suportar.

As mulheres exploradas na indústria da “barriga de aluguel” sofrem as correntes psicológicas usuais da gravidez, juntamente com a adoção de uma mentalidade dissociativa para se convencer de que o bebê não é delas.

“Eu nunca encorajaria alguém a ser uma substituta ou uma doadora de óvulos (ou esperma). As consequências emocionais mudam a vida e duram a vida toda.” — Heather, citada pelo Centro de Bioética e Cultura (2014)

As mães ‘substitutas’ sofrem trauma, luto e perda pelo roubo do bebê imediatamente após o nascimento.

“Eu nunca vi o bebê depois que ele nasceu. Eu disse à médica que gostaria de vê-lo, pelo menos uma vez. Mas ela disse: ‘Não, isso fará você se sentir culpada’. Durante o primeiro mês, chorei muito, mas meu marido continuou me lembrando que «não é nosso bebê, pertence a outras pessoas, fizemos isso por dinheiro»”. — Anandi Chelappan, citada em Pandey (2016)

O bebê também experimenta esse trauma, cujos efeitos podem permanecer com ele por toda a vida.

“Muitos médicos e psicólogos agora entendem que o vínculo não começa no nascimento, mas é um continuum de eventos fisiológicos e psicológicos que começam no útero e continuam durante o período pós-natal. Quando essa evolução natural é interrompida por uma separação pós-natal da mãe biológica, a experiência resultante de abandono e perda é impressa de maneira indelével nas mentes inconscientes dessas crianças, causando o que chamo de “ferida primária”. — Verrier, N. ( 1993)

#10 Barreira à libertação das mulheres / Prejudica TODAS as mulheres

A prostituição e a barriga de aluguel não prejudicam apenas as mulheres individualmente usadas e abusadas nas indústrias. Elas têm um efeito prejudicial sobre o status das mulheres na sociedade como um todo. Elas são fundamentais para a ideia de “gênero” que estipula que os homens são de classe superior às mulheres em virtude de seu sexo biológico. Essa idéia permite que as pessoas ‘justifiquem’ o uso da mulher como objeto de ‘serviços’ sexuais ou reprodutivos, uma vez que esse é simplesmente o seu papel ‘natural’; cidadãs de segunda classe são obrigadas a se submeter a atender aos desejos das classes altas.

As meninas que crescem em uma sociedade que permite tais práticas são doutrinadas com a crença de que são do ‘gênero’ que deve prestar serviços, com o corpo agindo como uma mercadoria. Esse modo de pensar estimula a dissociação, sofrimento mental e disforia.

Uma pesquisa recente do Reino Unido descobriu que o nível de felicidade auto-relatado de jovens mulheres e meninas diminuiu acentuadamente nos últimos anos (Weale, 2018). Isso não é surpreendente em uma cultura na qual as meninas crescem aprendendo que nossa sociedade as considera objetos — disponíveis para compra, venda, uso e abuso — e que ‘gênero’ (o sistema hierárquico de papéis sexuais) ordena que elas devam ser enviadas para esta função.

Não é de admirar que mais e mais jovens mulheres e meninas façam uma tentativa equivocada de escapar de seu papel sexual designado (‘gênero’), mutilando seus corpos por meio de ‘tratamento’ sancionado medicamente conhecido como ‘transição de gênero’ (Grew, 2018) — as meninas são doutrinadas pela ideologia trans, acreditando que de alguma forma elas podem mudar o seu sexo biológico. Mesmo se isso fosse possível, apenas o indivíduo seria capaz de escapar. A única maneira de escapar verdadeiramente é mudar a sociedade para todas as mulheres.

“Se a mercantilização das mulheres for aceita, todas as mulheres se enquadram nesse potencial regra. Se uma mulher aceita prostituição na sociedade, ela aceita essa escritura pessoal, quer ela saiba ou não.” — Rachel Moran (2013b)

Práticas patriarcais que impõem papéis sexuais (‘gênero’), como a escravidão sexual e reprodutiva das mulheres — comercializadas ou não — não podem existir em uma sociedade livre e igualitária.

É por isso que objetamos tanto à prostituição quanto à barriga de aluguel; essas indústrias mercantilizam o corpo das mulheres e ajudam a manter nossa opressão.


Referências


Apoie o trabalho e ajude a continuar a democratizar o acesso à teoria feminista em Português: PayPal.Me/FeminismoComClasse ou Patreon.com/FeminismoComClasse


Texto de Hannah Harrison para a ObjectNow.Org

Feminismo com Classe

Por um feminismo classista e revolucionário!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *