Mulheres da Indonésia traficadas para a escravidão sexual nos campos de guerra como "mulheres de conforto"

A história das chamadas “mulheres de conforto” constitui um dos crimes de guerra mais flagrantes do século XX, mas nunca foi oficialmente reconhecido como tal. No dia da Vitória sobre o Japão (V-J), 2 de setembro, marcando o 70º aniversário da rendição formal do Japão na Segunda Guerra Mundial, os países estão planejando eventos para homenagear o serviço e o sacrifício daqueles que lutaram. No entanto, não há planos para honrar as centenas de milhares de mulheres recrutadas para a escravidão sexual militar que também foram sacrificadas nesta guerra.

Nesse “sistema de conforto” da prostituição patrocinada pelo Estado, o Japão subjugou entre 100.000 e 200.000 mulheres, a maioria das quais agora já faleceu. Os métodos de aquisição de mulheres variaram do sequestro ao engano e abrangeram o império do Japão em tempos de guerra na Ásia-Pacífico. O historiador japonês Yuki Tanaka chama esse crime de “o maior e mais elaborado sistema de tráfico de mulheres na história da humanidade, e um dos mais brutais.” 1 [Veja as notas de rodapé no final do artigo.]

A maioria das mulheres procuradas por escravidão sexual militar veio das Filipinas, Taiwan, Indonésia, Coreia e China. Nas Filipinas, soldados japoneses pressionaram cerca de 1000 mulheres à servidão sexual durante a guerra, capturando mulheres e meninas de casas e ruas e depois estuprando e confinando-as.

Em outros países, os militares japoneses usaram recrutadores para estocar as “estações de conforto”. Muitas mulheres foram enganadas sobre a natureza real de sua posição, sendo informadas de que estavam em com pais ou parentes. Em um dia normal, as mulheres atendiam 10 homens, mas o número aumentava para 30 ou 40 por dia antes e depois das batalhas.

Na Indonésia, 20.000 mulheres indonésias e um pequeno número de mulheres holandesas foram vítimas de servidão sexual. Numerosos bordéis foram construídos para acomodar os 220000 militares japoneses estacionados lá. Após a guerra, as autoridades holandesas organizaram um tribunal de crimes de guerra, mas processaram apenas os oficiais japoneses responsáveis ​​por violar as mulheres holandesas brancas.

Mais de 100.000 das mulheres levadas à servidão sexual eram coreanas. Após 50 anos de anonimato, privação e uma experiência que produziu vergonha e medo de revelação, as sobreviventes contaram suas histórias. Yi Yongny foi uma delas.

Os japoneses ocuparam nosso país e nos abusaram… Mas agora eles estão dando desculpas fracas sobre o recrutamento de “mulheres de conforto” e dizem que nós nos voluntariamos.” [2]

Quando a guerra terminou, a maior parte das mulheres de conforto foi abandonada. Muitas que estavam destacadas perto dos campos de batalha morreram como resultado da guerra. Aquelas que sobreviveram viveram com doenças e ferimentos ao longo da vida. As forças aliadas resgataram algumas, mas outras foram convocadas novamente para a escravidão sexual quando o sistema foi replicado pelas forças armadas dos EUA, que ocuparam o Japão após a guerra.

Décadas após a Segunda Guerra Mundial, os pesquisadores encontraram documentos enterrados nos arquivos nacionais do Japão, EUA e Austrália. Esses registros provaram que as autoridades japonesas institucionalizaram o sistema de conforto durante e após a guerra.

Foi preciso um movimento feminista asiático, inspirado nos valentes testemunhos públicos das sobreviventes, para tornar a situação das vítimas visível para o mundo. Matsui Yayori, jornalista japonesa da época, escreveu o primeiro artigo sobre as mulheres de conforto no jornal Asahi Shimbun, marcando a primeira vez que qualquer grande jornal abordava a questão.

O movimento de mulheres coreanas liderou esforços internacionais para pressionar o Japão a aceitar a responsabilidade legal por seus crimes de guerra contra as mulheres e a pagar uma indenização às sobreviventes.

Os termos “mulheres de conforto” e “estações de conforto” são eufemismos usados ​​pelas autoridades militares para mascarar o brutal sistema de prostituição do Japão e fazer parecer que as mulheres estavam prestando um serviço voluntário. Em 2007, o primeiro-ministro japonês Shinzo Abe anunciou que não havia evidências de que o Exército Imperial Japonês tivesse forçado mulheres asiáticas aos bordéis militares durante a Segunda Guerra Mundial. Um anúncio pago do Washington Post que se seguiu alegou que as mulheres estavam “inseridas no exército japonês (…) trabalhando sob um sistema de prostituição regulamentado que era comum em todo o mundo na época”.

Em abril de 2015, Abe visitou Washington e se dirigiu ao Congresso dos EUA. Questionado sobre pedir desculpas oficialmente pelo sistema de escravidão sexual do Japão durante a guerra, ele evitou uma admissão direta de culpa. “Estou profundamente triste ao pensar nas mulheres de conforto que sofreram dores e sofrimentos imensuráveis ​​devido ao tráfico de pessoas”, disse Abe. Ele não fez nenhuma referência à responsabilidade do Japão por essa dor e sofrimento.

Então, em agosto deste ano, Abe ofereceu apenas uma declaração indireta, evitando a culpabilidade oficial por esses crimes contra as mulheres. Ele acrescentou: “Não devemos deixar que nossos filhos, netos e gerações futuras, que não têm nada a ver com essa guerra, sejam predestinados a pedir desculpas”.

As evidências da escravidão sexual militar na Segunda Guerra Mundial não apontam apenas para o Japão. A reencenação estadunidense do sistema de conforto no Japão pós-guerra é menos conhecida, mas não menos abusiva. Quando o Japão se rendeu em 1945, o governo japonês, temendo que as tropas de ocupação americanas “sedentas de sexo” se comportassem como as forças japonesas no exterior, recrutou milhares para bordéis organizados oficialmente. Muitas dessas mulheres eram órfãs e viúvas que estavam passando fome e sem teto. Alguns eram estudantes do ensino médio que haviam sido obrigados a trabalhar nas fábricas de munições e haviam perdido o emprego e a família. Alguns foram estuprados por soldados dos EUA no final da guerra. Outros ainda estavam voltando de estações de conforto de guerra na Ásia-Pacífico.

As autoridades de ocupação japonesas e americanas trataram a prostituição como uma comodidade necessária para a “recreação dos guerreiros”. Desde o início, as autoridades dos EUA não apenas toleraram a prostituição militar, mas também a sistematizaram. Eles conspiraram com autoridades japonesas para inspecionar as mulheres em busca de doenças venéreas, monitorar os distritos da luz vermelha e bordéis e estabelecer estações profiláticas. A polícia militar dos EUA foi ordenada a manter a ordem entre as fileiras de soldados que esperavam sua vez de entrar nos bordéis e, inicialmente, mal podia conter as multidões de homens que se alinhavam para se sentirem sexualmente satisfeitos. Cada mulher tinha que atender de 15 a 60 compradores por dia.

Estima-se que, no auge do sistema legal do pós-guerra, 70.000 mulheres foram usadas por 350.000 militares de ocupação, a maioria dos EUA, mas também incluíam 40.000 da Grã-Bretanha e Austrália. O Tribunal de Crimes de Guerra de Tóquio, criado para processar crimes de guerra japoneses, ocorreu de 1946 a 1949. As autoridades dos EUA que ocuparam cargos importantes no tribunal estavam bem cientes dos crimes do Japão contra as mulheres de conforto, mas optaram por não processar. É provável que as autoridades americanas não tenham exposto seu próprio sistema de “mulheres de conforto”. O fato de serem principalmente mulheres asiáticas a terem sido violadas por japoneses e americanos aumentou a falta de responsabilidade dos EUA.

A história do sistema de mulheres de conforto é oportuna porque reverbera lições sobre a prostituição patrocinada pelo Estado hoje. Em um contexto não-militar, os governos são tão persuasivos na promoção da prostituição quanto em um contexto militar. Os países que legalizaram ou descriminalizaram os sistemas de prostituição tornaram-se nações prostituidoras nas quais as mulheres são incentivadas a prostituir-se porque é legal. Mais homens recebem permissão legal para comprar mulheres, porque a prostituição é rebatizada como “serviço sexual” e os cafetões são transformados em agentes comerciais legítimos. Os regimes de prostituição patrocinados pelo Estado tecem o pano robusto da exploração sexual na paz como na guerra.

Em 1952, o historiador Yanaihara Tadao afirmou que as consequências da exploração sexual de mulheres no pós-guerra corromperam a sociedade japonesa tanto moral quanto economicamente, não apenas quando os bordéis foram criados para as tropas de ocupação aliadas, mas também quando o Japão se tornou o centro de descanso e relaxamento para os EUA e forças australianas durante a Guerra da Coréia.

Os altos impostos cobrados sobre a indústria do sexo japonesa desempenharam um papel fundamental na captação de dinheiro público para a reconstrução do Japão e a construção da infraestrutura econômica do capitalismo japonês após a guerra — a mesma infraestrutura que os governos estão replicando através da prostituição legalmente sancionada de mulheres em regimes patrocinados pelo Estado como na Holanda, onde a prostituição representa 5% do PIB do país.

O governo japonês branqueou seu recrutamento de mulheres para a prostituição militar, alegando que elas estavam “inseridas” em um sistema de prostituição legal voluntária, que mascarava a exploração e a violência. Os Países Baixos, a Alemanha, a Austrália e a Nova Zelândia usam o mesmo raciocínio e ignoram as consequências prejudiciais de seus regimes legais de prostituição.

Nós honramos as mulheres de conforto quando nos opomos aos sistemas de conforto de hoje.


Notas de rodapé:

1. Yuki Tanaka, “Mulheres de conforto no Japão: escravidão sexual e prostituição durante a Segunda Guerra Mundial e a ocupação nos EUA” (Londres: Routledge, 2002), 167. Estou em dívido com o trabalho meticuloso e inovador de Tanaka.

2. Keith Howard, ed., “Histórias verdadeiras das mulheres coreanas de conforto” (Londres: Cassell, 1995), 62.


Texto de Janice Raymond, publicado no site da Coalition Against the Trafficking on Women (CATW) em 2015. Tradução de Feminismo Com Classe


Janice G. Raymond é professora emérita da Universidade de Massachusetts, Amherst, ex-co-diretora da Coalizão contra o Tráfico de Mulheres (CATW) e autora de muitos livros e artigos. Seu livro mais recente é “Não uma escolha, não um trabalho: expondo os mitos sobre prostituição e o comércio global de sexo”. Visite o site: Janiceraymond.com

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui