Diversidade funcional e o direito masculino ao sexo
Diversidade funcional e o direito masculino ao sexo

Sinopse

O acesso a mulheres prostituídas é cada vez mais justificado por instituições de caridade e serviços baseados nos direitos sexuais das pessoas com deficiência. Na Austrália, por exemplo, os homens com deficiência formam um nicho de mercado para a indústria da prostituição legalizada. A sexualidade masculina é construída a partir do domínio masculino e provavelmente manifestará a erotização da hierarquia e a ideia de que os homens devem ter o direito sexual de aceder o corpo feminino. Esse modelo de sexualidade coloca problemas para todas as mulheres na forma de assédio e violência sexual, pornografia e prostituição. Isso coloca problemas específicos para mulheres com deficiência que são mais vulneráveis ​​a agressão sexual e assédio por parte de cuidadores e fetichistas da deficiência. A ideia de “direitos sexuais” geralmente não leva em consideração o gênero. Assim, os direitos sexuais de homens com deficiência podem incluir o direito de pagar ou exigir serviços sexuais de mulheres no trabalho de prostituição, enfermagem ou assistência. Este artigo busca desagregar a noção de direitos sexuais de acordo com o gênero.

Introdução

Neste artigo, examinarei de maneira explorativa várias questões relativas à diversidade funcional e à exploração sexual que podem parecer, à primeira vista, distintas. Elas incluem o abuso sexual e também a prostituição de mulheres com deficiência, a exploração de mulheres prostituídas por homens com deficiência e o fetichismo sexual às mulheres com deficiência. O fator de conexão é a sexualidade do domínio masculino.

Em relação à sexualidade, os homens com deficiência podem buscar interesses que estão em completa contradição com os das mulheres com deficiência. Organizações que apoiam homens com deficiência fazem campanha pelos seus direitos sexuais, o que pode significar o uso de pornografia e a prostituição de mulheres. Essas formas de exploração sexual ensinam e representam uma sexualidade objetificadora. É precisamente essa forma de sexualidade que as mulheres deficiência sofrem, na forma de contato sexual indesejado e no fetichismo da diversidade funcional. É importante desagregar os interesses de homens e mulheres ao considerar a questão da deficiência e da sexualidade.

As feministas que teorizam sobre diversidade funcional têm trabalhado há três décadas para fornecer uma compreensão da diversidade funcional que leva em consideração o gênero (Morris, 1989; Fine & Asch, 1988; Matthews, 1983). Elas apontaram que as mulheres COM DEFICIÊNCIA podem ser vistas como pelo menos duplamente desfavorecidas, ou seja, pela discriminação com base no gênero e na deficiência, e muitas vezes por uma terceira forma de exclusão e discriminação na forma de racismo (Begum, 1992). Elas mostraram que o modelo de reabilitação de pessoas com diversidade funcional que o modelo médico sobre a deficiência promove, tem um corpo masculino e uma sexualidade masculina. Os programas de reabilitação buscam cultivar ‘atitudes competitivas’ e abordar ‘preocupações com a sexualidade masculina’. Trata-se de “permitir que os homens aspirem a dominar noções de masculinidade”, ignorando as necessidades das mulheres COM DEFICIÊNCIA (Begum, 1992: 72). As feministas criticaram a compreensão da sexualidade aplicada às mulheres com deficiência pelos médicos, na qual elas são vistas como funcionais se tiverem uma vagina utilizável para a satisfação de um parceiro masculino. Este é um modelo muito masculino que não aceita o prazer das mulheres, o clitóris e abordagens mais imaginativas que não precisam ser focadas no pênis no sexo vaginal ou mesmo heterossexual (Titchkosky, 2000).

As abordagens feministas sobre a diversidade funcional têm dado pouca atenção, no entanto, com a exceção notável do trabalho de Amy Elman, à necessidade de desagregar o conceito de direitos sexuais das pessoas com deficiência (Elman, 1997).

As teóricas feministas também criticaram as limitações do “modelo social” de teorizar a deficiência. Este artigo parte do entendimento de que a deficiência é em grande parte socialmente construída (Oliver, 1990), uma abordagem que foi denominada “modelo social” de teorização da deficiência (Lloyd, 2001). De acordo com essa abordagem, os problemas enfrentados pelas mulheres com deficiência não são o resultado triste, mas inevitável, de uma falha biológica ou adquirida e de uma responsabilidade individual.

Pessoas com diversidade funcional enfrentam problemas como violência e penúria, porque as sociedades em que vivem não reconhecem as reconhecem e desejam que elas estejam “longe de visão, longe de preocupação” (DVIRC, 2003). Os valores das sociedades capitalistas baseadas no domínio masculino são dedicados aos valores dos guerreiros, e um corpo frenético capaz de ser representado por esportes agressivos e atividades de correr riscos, que não dão lugar a pessoas com diversidade funcional. Críticas feministas apontaram, no entanto, que o modelo social pode reproduzir uma forma de divisão mente/corpo, desclassificando a experiência vivida do corpo, que não é meramente uma construção social. Pode servir para obscurecer as experiências reais da dor, por exemplo, que as mulheres COM DEFICIÊNCIA enfrentam (Titchkosky, 2000). A experiência física das mulheres com diversidade funcional afetará as maneiras pelas quais elas estão vulneráveis ​​à violência masculina e as formas que isso assume. Mas a violência sexual contra mulheres COM DEFICIÊNCIA também é um exemplo clássico de como os problemas da deficiência são socialmente construídos. Essa violência se baseia no direito sexual masculino, uma construção de dominação masculina, e possibilitada por fatores econômicos, de mobilidade e emocionais que as mulheres com diversidade funcional sofrem como resultado dos obstáculos colocados no caminho da sua integração em um mundo capacitista.

A sexualidade da dominação masculina é baseada no que a teórica política, Carole Pateman, chama de “direito masculino ao sexo” (Pateman, 1988). Esta é a expectativa privilegiada nas sociedades dominantes masculinas de que os homens devem ter acesso sexual aos corpos das mulheres por direito. Tais sociedades organizam a entrega desse acesso aos homens e a remoção de obstáculos de várias maneiras. Isso pode ser através do fornecimento de prostituição legalizada ou da tolerância à prostituição ilegal. Isso pode ser conseguido através da criação de outros aspectos da indústria da prostituição, como pornografia, clubes de strip-tease e linhas telefônicas de sexo (Jeffreys, em Press-A). Pode ser através do casamento infantil em sociedades tradicionais ou da sexualização precoce de crianças no ocidente (Moschetti, 2006).

Em relação à deficiência, esta lei do direito masculino ao sexo leva homens e meninos a abusar sexualmente de mulheres, meninas e meninos a eles vulneráveis em virtude de sua dependência de cuidadores do sexo masculino ou por meio de institucionalização. Isso leva ao fornecimento de mulheres prostituídas a homens com deficiência (ver Sullivan, 2007), o fornecimento do que eufemisticamente chamamos de ‘substitutos sexuais’, ou mesmo a exigência de que enfermeiras e prestadoras de cuidados masturbem homens com deficiência, o que é chamado ‘sexo facilitado’ (Earle, 2001; Davies, 2001). Também leva homens que fetichizam e ficam sexualmente excitados com a deficiência das mulheres a assediar mulheres amputadas e a procurar acesso sexual a mulheres com deficiência através de várias formas de exploração e tráfico, negócios por correspondência, prostituição e pornografia (Elman, 1997).

O fetichismo da deficiência vem da maneira pela qual, sob o domínio masculino, a sexualidade masculina é construída para erotizar a hierarquia e objetificar. Como aponta a teórica legal feminista radical, Catharine MacKinnon, o gênero é uma hierarquia, e é a erotização do domínio masculino e da subordinação feminina que forma a base do que é comumente entendido como sexo na cultura dominante masculina (MacKinnon, 1989; Jeffreys 1990). A erotização da hierarquia pelos homens não se restringe ao gênero. Outras formas de hierarquia também são erotizadas, como a idade na pedofilia, a raça em relação aos estereótipos sexuais racistas que sustentam os interesses masculinos de usar mulheres prostitutas ‘exóticas’, como as que foram traficadas ou estão disponíveis em destinos de turismo sexual (Jeffreys, 1997). A deficiência fornece outra hierarquia para erotização. As mulheres com deficiência oferecem o duplo prazer da desigualdade de gênero e capacitismo como fonte de satisfação sexual para a sexualidade masculina dominante. Assim, alguns homens chegam a fetichizar a deficiência das mulheres (Elman, 1997).

Alguns dos homens que fetichizam sexualmente a deficiência buscam se tornar deficientes, geralmente através da amputação de membros (Elliott, 2003). Essa condição é comumente chamada de distúrbio de identidade de amputado ou BIID (Transtorno de Integridade de Identidade Corporal). O poder e a influência do direito sexual masculino estão indicados no fato de que um movimento para obter amputação de membros saudáveis ​​disponível para esses homens está em andamento com o apoio de psiquiatras e cirurgiões respeitados, como o editor do Manual de Diagnóstico e Estatística dos EUA, Michael First (Primeiro, 2004).

Apesar das diferenças bastante claras nas maneiras pelas quais a sexualidade masculina e feminina são construídas sob o domínio masculino, quando os estudos sobre deficiência abordam a questão da sexualidade, eles geralmente não desagregam os interesses das mulheres com deficiência dos interesses dos homens com deficiência. Quando a sexualidade é abordada na literatura, isso geralmente deixa de mencionar o problema de exploração sexual que as mulheres com deficiência enfrentam. A definição de exploração sexual que uso vem do Projeto de Convenção das Nações Unidas contra a Exploração Sexual (1991) em Defeis (2000, p. 335).

A exploração sexual é uma prática pela qual as pessoas alcançam gratificação sexual, ou ganho financeiro, ou benefício, através do abuso da sexualidade de uma pessoa, revogando o direito humano dessa pessoa à dignidade, igualdade, autonomia e bem-estar físico e mental. (Para discussão deste Projeto de Convenção e do texto, ver: Defeis, 2000).

Prostituição e pornografia estão incluídas nesse entendimento como práticas de exploração sexual. Neste artigo, exploração sexual significa obter acesso ao uso sexual do corpo de uma pessoa por meio de qualquer forma de poder desigual, por exemplo pagamento, força ou ameaça, manipulação emocional feita por alguém em posição de poder, idade ou conhecimento superior. Distingue-se da interação sexual desejada com desejo e prazer iguais para ambos os parceiros, livremente celebrados.

Pesquisas internacionais sobre sexo indesejado ou coercitivo nos relacionamentos e de cuidadores sugerem que mulheres com deficiência sofrem muito mais com violência sexual do que outras mulheres (Elman, 2005). Em geral, as mulheres com deficiência são ‘agredidas, estupradas e abusadas a uma taxa pelo menos duas vezes maior do que as mulheres sem qualquer deficiência, mas são menos propensas a receber assistência ou serviços se sofrerem violência’ (DVIRC, 2003, p. 12). Algumas formas de abuso são exclusivas para mulheres com deficiência. O abuso sexual de uma mulher com deficiência pode incluir, por exemplo, esterilização forçada ou aborto forçado (DVIRC, 2003: 12). A falta de educação sexual para meninas com deficiência pode contribuir para sua vulnerabilidade ao uso sexual masculino. Também as mulheres com deficiência “enfrentam taxas alarmantes de violência de prestadores de cuidados remunerados e não remunerados” (DVIRC, 2003: 23).

As acadêmicas feministas prestaram considerável atenção ao problema do sexo indesejado nas relações de mulheres sem deficiência ​​na última década (Jejeebhoy, Shah & Thapa, 2005; Gavey, 2005; Phillips, 2000). As dificuldades para as mulheres com deficiência, no entanto, provavelmente serão maiores que as demais meninas e mulheres por várias razões. Isso inclui problemas de autoestima e imagem corporal, que podem torná-las mais facilmente emocionalmente manipuladas (Hassouneh-Phillips e McNeff, 2005). Diversidades funcionais físicas ou intelectuais, problemas de mobilidade ou dependência de cuidadores dificultam a proteção contra toques indesejados e contato sexual. Mulheres com alto grau de comprometimento físico podem sofrer desproporcionalmente de baixa ‘estima sexual e corporal’ (Hassouneh-Phillips & McNeff, 2005: 227). Um estudo de mulheres com altos graus de deficiência física descobriu que elas eram vulneráveis ​​a ‘entrar e permanecer em relacionamentos abusivos ao longo do tempo’ porque se viam sexualmente inadequadas e pouco atraentes (Hassouneh-Phillips & McNeff, 2005: 227). É menos provável que essas mulheres se casem do que outras mulheres com deficiência e isso pode torná-las mais propensas a sofrer abusos do que a enfrentar a solidão e perder a pessoa que cuida delas. “Para algumas mulheres, essas desvantagens se traduzem em uma maior tolerância ao abuso de parceiros íntimos em relacionamentos por medo de que ninguém mais as queira ou cuide delas” (Hassouneh-Phillips & McNeff, 2005: 229).

Pesquisas mostram que 40–72% das mulheres com deficiência física ‘foram abusadas por um parceiro íntimo, membro da família, cuidador, prestador de serviços de saúde ou outro prestador de serviços’ (Hassouneh-Phillips & McNeff, 2005: 229). Essas estatísticas abrangem abusos em geral e não fazem menção especial a abusos sexuais, cujos números são difíceis de obter. Mas uma citação particularmente comovente do estudo de 2005 sugere que mulheres com deficiência podem permitir que homens se envolvam em comportamentos sexuais abusivos em relação a elas por um desejo desesperado de manter o relacionamento, “minha questão principal é que acho que meu relacionamento com meu homem é agradar o homem… e então eu faço tudo o que posso para agradar. Porque está constantemente na minha cabeça — estou agradando-o sexualmente?” (Hassouneh-Phillips & McNeff, 2005: 237). A exposição prolongada ao abuso que algumas mulheres com deficiência sofrem devido às restrições à mobilidade e à falta de alternativas que sofrem em uma sociedade que não está organizada para garantir sua integração, leva a um risco aumentado de ‘resultados negativos para a saúde, incluindo lesões, dor crônica, depressão, transtorno de estresse pós-traumático, abuso de substâncias, homicídio e suicídio” (Hassouneh-Phillips & McNeff, 2005: 237).

O estudo de Douglas Brownridge em “Violência Contra as Mulheres” sobre violência de parceiros contra mulheres com deficiência descobriu que as mulheres tinham uma probabilidade 1,4 a 1,9 vezes maior de violência física do que outras mulheres nos últimos 5 anos, com a maior disparidade em relação às “formas mais graves de violência” (Brownridge, 2006: 812). Mas a violência sexual era a forma mais comum de violência que elas vivenciavam.

As mulheres com deficiência tinham 3x mais chances de relatar “serem forçadas à atividade sexual por serem ameaçadas, reprimidas ou feridas de alguma forma” (Brownridge, 2006: 812). A pesquisa constatou que os parceiros masculinos de mulheres com deficiência tinham 1,5x mais chances de “se engajar em comportamentos proprietários” do que os de outras mulheres (Brownridge, 2006: 818). O aumento do risco de violência sofrido pelas mulheres com deficiência neste estudo é atribuído às “ideologias do patriarcado e à propriedade sexual masculina que foram particularmente fortes nessas relações” (Brownridge, 2006: 818). A pesquisa de Brownridge concentrou-se na violência por parceiros e o pesquisador teve o cuidado de apontar que mulheres com “deficiências do desenvolvimento” e as formas mais graves de incapacidade eram menos propensas a ter parceiros, embora a pesquisa sugira que elas recebam um grau particularmente grave de violência. Como comentou Amy Elman, cujo trabalho anterior foi o primeiro a examinar a questão da fetichização sexual masculina de mulheres com deficiência (Elman, 1997), em seu trabalho mais recente, é importante prestar atenção para distinguir as maneiras pelas quais mulheres e meninas são exploradas sexualmente em relação a diferentes formas de saúde física, mental e deficiência intelectual (Elman, 2005).

Outro estudo recente ecoou as conclusões de Brownridge, encontrando uma alta taxa de agressão sexual entre mulheres com deficiência (Martin et al., 2006). Este estudo também descobriu que havia uma discrepância considerável entre as taxas de violência física, que não eram significativamente maiores do que as mulheres sem deficiência, e a taxa de agressão sexual, que era 4 vezes maior que a taxa de outras mulheres. Ele descobriu que mulheres jovens e racializadas, mulheres solteiras e empregadas tinham mais probabilidades de serem agredidas. O abuso sexual de mulheres com distúrbios psiquiátricos ou deficiência intelectual, no entanto, não é perpetrado apenas por cuidadores ou outros residentes em casas de repouso ou instituições. Pode assumir a forma de exploração sexual na indústria da prostituição.

O movimento feminista foi dividido nos últimos anos entre aquelas que veem a prostituição como violência contra as mulheres (Barry, 1995; Jeffreys, 1997; Stark & Whisnant, 2004), e aquelas que usam a linguagem do neoliberalismo para normalizar essa forma de comportamento dos homens, definindo prostituição como ‘trabalho sexual’, falando sobre a escolha e a agência das mulheres na entrada da prostituição e descrevendo as mulheres prostituídas como empreendedoras (Pattaniak, 2002; Lisborg, 2002). Minha perspectiva é que a prostituição é prejudicial a todas as mulheres. Mas a prostituição depende da exploração das mulheres mais vulneráveis e marginalizadas, mulheres indígenas e mulheres traficadas, pois os negócios podem achar difícil atrair mulheres que tenham outras oportunidades de ganhar a vida. Como resultado, mulheres com problemas de saúde mental e deficiência intelectual são vulneráveis à exploração na indústria.

A prostituição de mulheres com deficiência

Nos sistemas de prostituição legalizados, como na maioria dos estados da Austrália, mulheres com distúrbios psiquiátricos ou deficiências intelectuais são exploradas na prostituição de bordéis. Na Austrália, a indústria de bordéis e clubes de strip-tease legal valia 2 bilhões de dólares australianos em 2006, de acordo com um relatório da indústria (IBIS World, 2007, p. 4), embora a indústria ilegal, muitas delas sob o domínio do crime organizado, ainda corresponda a cerca de 80% da indústria (Sullivan, 2007, p. 202).

Não há evidências que sugiram que as mulheres com deficiência estejam sendo deliberadamente empregadas na prostituição, mas há indícios de que as mulheres com deficiência intelectual são particularmente vulneráveis ​​a serem exploradas na indústria. A prostituição pode oferecer a única forma de “trabalho” que uma mulher com deficiência pode aceder, especialmente se ela estiver sujeita a períodos de bem-estar psicológico e períodos de doença e incapaz de manter um emprego regular. Mulheres com deficiência intelectual podem ser particularmente suscetíveis aos incentivos dos cafetões e facilmente manipuladas na prostituição.

A exploração sexual de mulheres com deficiência não é necessariamente entendida como um problema em relação à indústria legal. Sob o código criminal do estado australiano de Queensland, no entanto, é uma ofensa ter conhecimento carnal de alguém que é definido como tendo uma ‘deficiência intelectual’ (Carrick, 2006). Os participantes de uma discussão sobre a questão da prostituição e deficiência na Rádio Nacional da Austrália (ver Carrick, 2006) argumentaram que isso era um abuso dos direitos das pessoas com deficiência.

Delaney e Candy, da SSPAN, Rede de Advocacia de Prestadores de Serviços Sexuais, consideraram injusta a proibição de mulheres com deficiências intelectuais. Ao perguntar se uma mulher com 10 anos de idade mental deveria trabalhar em um bordel, no entanto, Delaney disse que achava que não. Mas as porta-vozes da SSPAN apontaram que a proibição também potencialmente proibia as mulheres que sofrem de doenças mentais de serem prostituídas em bordéis. Alguém com transtorno bipolar, por exemplo, “que pode ficar psicótico de vez em quando, alguém com depressão grave, que pode estar bem por alguns períodos, não tão bem em outros períodos, que pode ser estabilizado com medicamentos” (Carrick, 2006). Isso levanta a questão de saber se a prostituição é uma boa opção de trabalho para mulheres que sofrem de depressão quando as taxas de depressão em mulheres prostituídas ou em pessoas que conseguiram deixar a prostituição são muito altas e muitas outras condições de saúde mental, como transtorno de estresse pós-traumático, foram identificados em mulheres prostituídas (Farley, 2003).

Evidências sobre a exploração de meninas e mulheres com deficiência na prostituição são anedóticas no momento. Nenhuma pesquisa foi realizada sobre a porcentagem de mulheres prostituídas que se enquadram nessa categoria. Mas a evidência anedótica sugere que as meninas com deficiência estão sendo prostituídas. Em abril de 2007, um assassino condenado pela polícia por duplo assassinato chamado Bandali Debs apareceu diante de um tribunal de Melbourne acusado de morder uma adolescente com deficiência intelectual, em quem ele atirou depois de “fazer sexo” com ela (Jenkins, 2007, p. 5). O corpo de Kristy Mary Harty foi encontrado na vegetação rasteira no mato e ela é descrita como: ‘estava trabalhando como massagista e se prostituindo para motoristas em Dandenong no dia em que morreu’ (Jenkins, 2007, p. 5).

As evidências dessa exploração estão disponíveis apenas quando os relatos da mídia de casos judiciais relacionados à prostituição optam por mencionar a deficiência, como em um caso da Nova Zelândia que descriminalizou a prostituição em 2003. Em 2005, um proprietário ilegal de bordel foi processado por empregar duas meninas menores de idade prostituídas em um bordel, fornecimento de drogas e compra de sexo de menores. A menina de 14 anos é descrita como viciada em drogas e a de 16 anos apresenta “graves déficits de aprendizagem” (Henzell, 2005, p. 3). O crime foi por prostituir menores de idade, uma vez que não há nada na legislação da Nova Zelândia que proíba a prostituição de pessoas com deficiência intelectual.

Quando as mulheres com deficiência são usadas na indústria da prostituição na Austrália, isso é incidental e as deficiências não são destacadas para apelar aos fetichistas de deficiência. Os homens com fetichismo por deficiência, no entanto, deliberadamente visam mulheres com deficiência. Na era da Internet, o interesse sexual masculino de fetichizar deficiências em mulheres expandiu-se e foi normalizado por sites que oferecem pornografia e serviços como o pedido de noivas amputadas por correspondência.

Fetichismo pela deficiência

Todo o tipo de deficiências que as mulheres possam ter são oferecidos aos “devotos” em sites como o ampulove. A variedade de pornografia oferecida demonstra que há homens que ficam sexualmente excitados com tudo, desde aparelhos nos dentes e aparelhos nas pernas até a amputação (Elman, 1997). A amputação é o interesse mais comum e oferece três subespecializações. Os devotos são aqueles homens que obtêm satisfação sexual com a deficiência das mulheres, particularmente a amputação de membros. Aspirantes são aqueles que fingem ser amputados ou deficientes, amarrando uma perna atrás ou usando cadeiras de rodas. Aspirantes são aqueles que buscam amputações reais, de preferência em hospitais e através de serviços públicos de saúde. As duas últimas categorias, embora predominantemente masculinas, podem incluir algumas mulheres. O comportamento masculino do fetichismo pela deficiência se origina na construção da sexualidade masculina para erotizar a diferença de poder.

A expectativa dos homens de que eles possam perseguir, abordar e perseguir mulheres com deficiência, transformá-las em pornografia e explorá-las sexualmente na prostituição e como noivas por correspondência, é um aspecto do direito masculino ao sexo. São os devotos que criam mais dificuldades para as mulheres com deficiência. Eles podem assediar mulheres amputadas na rua, participar de organizações e participar de conferências que apoiam amputados, a fim de obter satisfação sexual de ver amputações e se aproximar delas, ou até se tornarem protéticos.

O material da Coalizão de Amputados da América mostra como essa última forma de abuso sexual funciona. Segundo a ACA, as mulheres amputadas são assediadas no Amputee Web Site, que é uma instalação criada para servir as amputadas. Elas são perseguidas por “devotos” (Amputee-online, n.d.). O resultado é que “muitas amputadas temem revelar que o são por recear que um devoto sem fibra moral as assedie sexualmente por e-mail” (Amputee-online, n.d.). Elas são aconselhadas: “se uma pessoa começar a fazer várias perguntas sobre muletas, roupas, se você frequenta bares, sobre sapatos e outros hábitos, SUSPEITE” (Amputeeonline, n.d.).

O site realizou um debate sobre a questão dos devotos. Os membros da ACA escreveram sobre sua resposta ao interesse dos devotos por mulheres amputadas na organização. Gracie Rossenberger, membro do conselho da ACA, quando lhe perguntaram quais eram as preocupações relativamente aos devotos, respondeu: “são pessoas apaixonadas pelos corpos mutilados dos seres humanos. Eles me enojam” (Amputee-online, 2000). Ela teme que a presença de devotos mantenha os membros afastados da ACA. Eles não devem ter que “ter a coragem de ir a uma reunião” e precisarem se preocupar com “mulheres desacompanhadas… caminhando para o quarto sem escolta, indo para a piscina e tendo uns desviados tirando fotos suas” (Amputeeonline, 2000). Ela se preocupa que os devotos tentem “interagir com as crianças” à medida que mais e mais crianças se envolvem na organização. Ela se preocupa com o fato de eles ocuparem posições profissionais “em qualquer lugar que conseguem” e as usar para alimentar diariamente seu fascínio “e não quer ter que se questionar e se contorcer toda vez que um protético me toca, porque não sei se ele é ou não é um devoto”. Ela pergunta:

“Quão seguras podemos nos sentir em pé, parcialmente vestidas, totalmente vulneráveis ​​e expostas, imaginando se há uma câmera escondida tirando nossa foto que terminará nas novas atrações do próximo mês na internet? Existem tantas mulheres cujas fotos foram tiradas sem a consciência delas e que agora estão sendo vistas e usadas para fantasias por essa população e não temos como impedir essa invasão hedionda de nossa privacidade” (Amputee-online, 2000)

Na mesma discussão, Carol Wallace escreveu “Participar de conferências hoje em dia é como estar ‘mercado de carnes’, à medida que andam de um lado para o outro na esperança de ‘vislumbrar’ nossas amputações” (Amputee-online, 2000). Algumas mulheres, diz ela, “sem saber, usam roupas que expõem suas amputações”, o que fornece a “excitação que eles estão à procura” a um nível excessivo. Como ela relata, “Excesso de estímulo ao ponto da paralisação emocional” é como um devoto descreveu tão apropriadamente sua experiência de ver tantas de nós em um só lugar. Como é bom saber que nossa perda é a “sobrecarga” de outra pessoa. Ela pergunta: “Qual o nível de confiança que você pode ter em um homem que pode deixá-lo por uma amputação ‘mais bonita’?” (Amputee-online, 2000). Ela explica o envolvimento de algumas mulheres amputadas na criação de pornografia para devotos pelo fato de que elas “não têm outra maneira de ganhar a vida e há muito dinheiro na venda de fotos”. Existe até tráfico de mulheres amputadas, afirma ela: “As mulheres estrangeiras são alvo de devotos, que as trazem para os Estados Unidos e as estabelecem como prostitutas para uso da população. Para muitas dessas mulheres, seu novo estilo de vida é um passo acima do que estavam vivendo antes de virem para cá” (Amputee-online, 2000). O fetichismo dos homens amputados é, portanto, uma fonte de assédio e angústia para as mulheres amputadas.

A infiltração de fetichistas em redes de amputados transforma locais de potencial segurança e apoio em locais de perigo.

O interesse sexual que os devotos têm em mulheres com deficiência é, em alguns casos, transferido para seus próprios corpos, com o resultado de se tornarem “fingidores” ou “aspirantes”. Os “fingidores” andam em cadeiras de rodas ou com uma perna constantemente dobrada para cima, simulando a deficiência, enquanto os ‘aspirantes’ procuram ter membros amputados. O desejo de amputar membros é esmagadoramente uma preocupação masculina. Recentemente, os “aspirantes” criaram um movimento político para exigir tolerância e amputação de membros no serviço público de saúde (British Broadcasting Corporation, 2000; Furth & Smith, 2002; Elliott, 2003). O desejo de amputação de membros é chamado de transtorno de integridade da identidade corporal (BIID) por aqueles que fazem campanha por reconhecimento (First, 2004).

Como vários comentadores apontaram, é semelhante ao transgenerismo (Jeffreys, 2005, no Press-b). Uma semelhança é o fato de que ambos os interesses dos homens parecem ser sexualmente motivados e formas de masoquismo (Lawrence, 2006). Em ambos os casos, os próprios fetichistas proclamam que seu distúrbio não tem nada a ver com sexo, mas é uma questão de “identidade”, que só pode ser resolvida através da remoção cirúrgica de membros ou características sexuais saudáveis, como pernas ou pênis.

Tanto os psiquiatras, como Michael First, quanto os aspirantes, como Greg Furth, estão envolvidos em discussões sobre se o BIID deve ser incluído no Manual de Diagnóstico e Estatística (DSM), a enciclopédia americana de condições psiquiátricas editada pela First (Furth & Smith, 2002). Essa inclusão permitiria que a amputação de membros fosse reconhecida como uma forma de terapia e significaria que ela poderia ser realizada com financiamento do serviço público de saúde.

No contexto dos sérios obstáculos que as pessoas com deficiência precisam superar em suas vidas para encontrar amor e prazer sexual, pode ser difícil estabelecer total simpatia por uma população de fetichistas de pessoas com deficiência em grande parte do sexo masculino, que está buscando apoio do Estado para se tornar amputados para fins sexuais. O fato desta proposta receber algum apoio reflete a importância atribuída nas sociedades dominantes masculinas aos desejos dos homens, ainda que irracional.

Os desejos sexuais dos homens, que são desenvolvidos a partir de suas relações desiguais de poder com as mulheres, são considerados legítimos e acomodados pelos estados dominantes masculinos, com o fornecimento de indústrias de prostituição e pornografia legalizadas ou toleradas. O comportamento sexual problemático dos homens na compra de acesso a mulheres e meninas causa sérios danos mentais e físicos às mulheres envolvidas (Jeffreys, 2004; Farley, 2003), bem como danos sociais como crime organizado, destruição de relacionamentos e comodidade social (Sullivan 2007). Um resultado infeliz da normalização dessa indústria é que organizações e ativistas da diversidade funcional, como o Disability Now no Reino Unido, buscam acesso ao mesmo privilégio masculino que outros homens possuem, de explorar sexualmente mulheres na prostituição (Disability Now, 2005). A indústria legalizada na Austrália comercializa prostituição para organizações que atendem pessoas com deficiência, aos seus cuidadores e homens com deficiência, como uma maneira de “educar” sexualmente homens com deficiência, permitindo que eles realizem seus direitos sexuais ou reduzam sua agressão.

Prostituição e “necessidades” sexuais de homens com deficiência

A deficiência é um nicho importante para expansão pelas indústrias de prostituição. Os direitos sexuais das pessoas com deficiência são empregados como uma maneira de tornar a prostituição respeitável e sugerir que ela serve a um propósito nobre. Assim, o grupo de lobby da indústria do sexo, a Sexual Freedom Coalition, no Reino Unido, organizou uma demonstração de homens com deficiência contra a legislação proposta que restringiria os direitos dos homens de acessar mulheres prostituídas, em fevereiro de 2008 (Sexual Freedom Coalition, 2008). Um documentário de 2008, exibido no Canal 4 no Reino Unido e na SBS na Austrália, é descrito em uma crítica de jornal australiano como um “encantador documentário sobre a sexualidade das pessoas com deficiência”.

Um homem deficiente que foi levado em viagem à Espanha por seus pais para acessar mulheres prostituídas em um bordel especial para ‘pessoas com várias deficiências’ é filmado fazendo uma viagem de volta com outros dois homens deficientes (Schwartz, 2008).

Essa normalização da prostituição no interesse de atender aos “direitos sexuais” de homens com deficiência é apoiada pela retórica sobre os direitos sexuais de pessoas com deficiência, comum a muita literatura acadêmica e profissional sobre deficiência (Earle, 2001). Grande parte do material sobre sexualidade e deficiência é composta de argumentos razoáveis ​​para que informações e treinamento sejam fornecidos a pessoas com deficiência, para que elas possam entender a sexualidade, aproveitá-la, desenvolver relacionamentos e, no caso de homens e meninos, aprender a não se envolver em comportamentos inaceitáveis, como masturbação em público.

Porém, o argumento dos direitos sexuais vai além e leva a demandas de que os homens com deficiência, embora o gênero nunca seja mencionado nesta literatura cuidadosamente neutra, não apenas possam aceder pornografia e prostituição, mas também sejam ajudados por suas cuidadoras, incluindo enfermeiras, a fazer isso. O argumento foi tão longe, sob o título de “sexualidade facilitada”, que parece que se espera que as enfermeiras se tornem auxiliares da indústria do sexo ou mesmo uma parte dela, diretamente “facilitando sexualmente” os homens com deficiência (Earl 2001).

Os manifestos de direitos sexuais surgiram de vários quadrantes no cenário internacional e nas discussões sobre direitos humanos nas décadas desde a revolução sexual. Os manifestos são neutros quanto ao gênero, o que é problemático quando, sob o domínio masculino, a sexualidade masculina e feminina é construída de maneiras tão diferentes.

Como Jennifer Oriel (2005) apontou em seu estudo sobre as implicações dos argumentos dos direitos sexuais para as mulheres, não apenas a sexualidade é construída em torno do direito sexual masculino, com seu direito assumido de aceder as mulheres, mas o prazer sexual para homens é frequentemente construído especificamente fora da subordinação das mulheres, por estupro, pornografia e prostituição.

Assim, qualquer conceito de direitos sexuais das mulheres deve ser baseado no reconhecimento da desigualdade de homens e mulheres, na vulnerabilidade das mulheres e no entendimento específico do direito das mulheres à integridade corporal e a não serem exploradas sexualmente.

Com base nesse entendimento, a Convenção das Nações Unidas sobre Deficiência, que entrou em vigor em 2008, afirma que “Toda pessoa com deficiência tem o direito de ter sua integridade física e mental respeitada em igualdade de condições com as demais” (Nações Unidas, 2008: artigo 17). Um conceito neutro de gênero de direitos sexuais, por outro lado, leva diretamente à ideia de que homens com deficiência devem poder abusar de mulheres na prostituição da mesma maneira que homens sem deficiência, apesar do fato de que os direitos devem ser positivos em seus efeitos invés de causar danos pela imposição de um “direito” sobre outro.

A normalização da exploração sexual em relação aos homens com deficiência é revelada em uma pesquisa de 2005 pela organização britânica Disability Now (Disability Now, 2005). A organização revelou a importância de desagregar os interesses das mulheres daqueles dos homens, uma vez que a pesquisa descobriu que eram homens com deficiência que estavam usando e desejavam usar mulheres prostituídas. Constatou-se que pouco mais de um quinto dos homens com deficiência no Reino Unido (22,6%) usava serviços sexuais, apesar do fato de a prostituição de bordel ser ilegal. Esse número é o dobro da média nacional masculina de 11%. Quase todos os entrevistados do sexo masculino considerariam fazê-lo se houvesse um serviço legal e regulamentado. Os números foram bastante diferentes para as mulheres, com menos de 1% das mulheres usando ‘serviços sexuais’, embora 16,5% tenham considerado e 19,2% pensariam em usar um serviço legal e regulamentado.

A Disability Now usou a pesquisa em apoio ao seu pedido para que a prostituição fosse legalizada no Reino Unido. Além disso, alguns defensores dos direitos das pessoas com deficiência argumentam que a pornografia é essencial para os direitos sexuais das pessoas com deficiência. Assim, Tim Noonan, em um artigo sobre “Pornografia virtual e políticas da diversidade funcional”, afirma que “o acesso a recursos pornográficos on-line é ainda mais crucial e significativo para pessoas com deficiência, muitas vezes sendo o ÚNICO — e não uma das DIVERSAS opções de consumo e participação” (Noonan, sd).

No estado de Victoria em que moro, que legalizou a prostituição de bordéis, os bordéis se especializam em oferecer “serviços” a pessoas com deficiência (Sullivan, 2007). Este é um caça-níquel de dinheiro para a indústria da prostituição. Além disso, promovendo-se como empresas que oferecem educação e alívio sexual necessário para pessoas com deficiência, a indústria se normaliza e limpa sua imagem.

Sexpo, a feira da indústria da prostituição e da pornografia, realizada em capitais de todo o país para promover a prostituição, tem uma seção da área de exibição dedicada a instituições de caridade para pessoas com deficiência, como a Associação de Distrofia Muscular, e se anuncia como uma empresa que “educa as pessoas para o sexo e estilos de vida”.

A causa de garantir o acesso de homens com deficiência à prostituição está bem avançada na Austrália. Em Victoria, os prestadores de serviços têm a obrigação de apoiar o estilo de vida sexual de “pessoas” com deficiência e essa obrigação pode incluir o acesso à prostituição (Sullivan, 2007: 176). Existem duas organizações australianas dedicadas a permitir que homens com deficiência tenham acesso à prostituição. Uma delas, a Accsex/Access Plus, recebe financiamento do Departamento de Saúde Federal. Outra é a Touching Base, que foi criada em Nova Gales do Sul com o apoio da indústria da prostituição naquele estado e da organização “People With Disability” para “facilitar os vínculos entre as pessoas com deficiência, suas organizações de apoio e a Indústria do Sexo” (Touching Base, sd).

As principais organizações de saúde e deficiência apoiam a Touching Base, como a Associação de Planejamento Familiar NSW e o Spastic Center of NSW. Oferecem ‘desenvolvimento profissional’ a mulheres prostituídas, treinando-as para trabalhar com homens com deficiência e promovem mulheres prostituídas como “terapeutas sexuais” que podem oferecer serviços especializados a pessoas com deficiência, como ensinar homens com deficiência intelectual a como fazer sexo. Aconselham que os prestadores de serviços às pessoas com deficiência instituam Assistentes de Estilo de Vida Sexual para fornecer transporte, localização e outros serviços que permitirão que homens com deficiência prostituam mulheres.

A Touching Base vê os cuidados residenciais para idosos como outro nicho de mercado em potencial para a indústria da prostituição. De acordo com um artigo em seu site, os serviços de assistência a idosos permitem que seus clientes do sexo masculino acedam mulheres prostituídas. Como comentou um ‘coordenador de estilo de vida’ em casas de repouso, as prestadoras de cuidados proporcionam intimidade sexual a homens idosos, ‘se os pacientes do sexo masculino são adequados o bastante, algumas casas os enviam para bordéis’ (Gray, 2005).

Um porta-voz do bordel do Daily Planet comentou:

Isso acontece o tempo todo. Várias de nossas meninas têm formação em enfermagem e, muitas vezes, ainda trabalham com idosos… Alguns lares mandam homens em pequenos grupos, para que depois possam conversar sobre isso, assim como os meninos… Se as pessoas são tratadas com dignidade, elas se sentem dignas” (Gray 2005)

O site da Touching Base apresenta uma discussão sobre a questão: “Como o direito das trabalhadoras do sexo individuais de recusar um cliente assenta com o direito das pessoas com deficiência de aceder serviços sexuais comerciais sem sofrer discriminação com base na sua deficiência?”.

George Taleporos se pergunta se os gerentes de bordéis se veriam violando a “Lei de Discriminação por Deficiência”, caso não tivessem acesso a uma mulher prostituta. Ter acesso recusado teria, considera Taleporos, “um efeito devastador na autoestima dessa pessoa” (Touching Base, n.d.). O fato de que essa pergunta possa ser levantada sugere que a prostituição legalizada educa os homens na ideia de que as mulheres são produtos a serem usados, e não como pessoas com o direito de não serem exploradas sexualmente.

A prostituição é colocada como uma maneira de dissuadir os homens com deficiência intelectual de agredirem sexualmente outras pessoas com deficiência intelectual. Essa forma de agressão sexual, predominantemente em instituições, e em muitos casos consistindo em abuso repetido da mesma vítima, está emergindo como uma questão preocupante (Bazzo, Nota, Soresi, Ferrar & Minnes, 2007).

Assim, Anthony Walsh, do Planejamento Familiar, no estado australiano de Queensland, diz que “nossa experiência no Planejamento Familiar de Queensland sugere que muitos homens com deficiências intelectuais significativas estão cometendo crimes sexuais” (Carrick, 2006). A resposta, ele considera, é “educação sexual e apoio apropriado”, o que poderia ajudar a “diminuir o risco de agressão sexual contra pessoas vulneráveis ​​em nossa sociedade” (Carrick, 2006). A possibilidade preocupante é que os prestadores de serviços possam considerar as mulheres prostituídas como as distribuidoras apropriadas dessa forma de “educação”, especialmente quando os bordéis se estabelecem como especialistas no campo e treinam especialmente suas trabalhadoras, como está acontecendo na prostituição legalizada de bordéis na Austrália.

O uso sexual de mulheres prostituídas, que são pagas para se desassociar emocionalmente enquanto seus corpos são penetrados, não é um meio apropriado de educação sexual ou de redução da violência sexual masculina. Em vez de ensinar meninos e homens com deficiência sobre sexo mútuo, respeito pela pessoalidade das mulheres, relacionamentos e intimidade, a prostituição ensina exatamente o oposto.

A outra implicação aqui é que, se os homens com deficiência não tiverem acesso a mulheres prostituídas nas quais ejacular, eles podem atacar outras, como se houvesse um impulso sexual biológico que, se não satisfeito, levaria naturalmente os homens a essa violência. Mulheres prostituídas já estão sendo usadas como um meio de acalmar homens sexualmente agressivos e com deficiência na Austrália, como deixam claras as histórias sobre clientes no site da Touching Base.

‘Andy’ se envolveu em comportamentos problemáticos, como roubar roupas femininas. Ele foi apoiado na formação da ideia de que queria aceder mulheres prostituídas, apesar das inibições culturais que experimentou em relação a essa ideia. Ele começou e continuou a visitar mulheres prostituídas, embora não se lembrasse das visitas (Touching Base, n.d.). ‘Bill’ foi violento e agressivo e assediou sexualmente seus cuidadores depois que um acidente afetou sua fala e o lado esquerdo do corpo. A visita a uma mulher prostituta que seus cuidadores organizaram foi insatisfatória porque ele experimentou ejaculação precoce. Seu comportamento agressivo continuou (Touching Base, n.d.).

A ideia de que a prostituição de algumas mulheres levará a uma taxa reduzida de agressão sexual a outras, o argumento da catarse, é um mito que as feministas há muito procuram dissipar em relação aos homens sem deficiência, por isso seria difícil perceber por que deve merecer uma moeda renovada em relação à deficiência (Jeffreys, 1997).

Algumas pessoas que escrevem no campo dos estudos sobre deficiência expressam as formas de educação sexual de que os meninos com deficiência intelectual precisam de maneiras que impediriam a exploração sexual, como “como expressar atitudes positivas em relação à sexualidade e ao corpo, compartilhar regras que promovem a autoestima’, autorrespeito e respeito pelos outros, gozar do maior grau de autonomia possível, conviver com a sexualidade dentro de relações sociais satisfatórias, praticar adequadamente atos sexuais seguros e se defender de possíveis agressores” (Bazzo et al., 2007, p. 111). É mais provável que essa abordagem seja eficaz na mudança de comportamento sexualmente explorador do que o fornecimento de meninas e mulheres prostituídas, algumas das quais, afinal, podem ter deficiências também.

Em países onde a prostituição não é legalizada e a “terapia sexual” não pode ser oferecida em bordéis, como os EUA, homens com deficiência podem ter que se contentar com “substitutas sexuais”, que só podem ser obtidas através de um terapeuta regular. As substitutas sexuais são pagas, como na prostituição, mas são promovidas como sutilmente diferentes. Elas são recomendadas em alguns estudos sobre a deficiência (ver Aloni & Katz, 2003).

Em um artigo de um homem com deficiência que decidiu aceder uma ‘substituta sexual’ para sua primeira experiência sexual, os ‘serviços’ ofereceram tons notavelmente idênticos aos da prostituição. Mark O’Brien, que é paraplégico, queria ser “segurado, acariciado e valorizado” (O’Brien, 1990). Mas, infelizmente, ele não conseguiu encontrar alguém para ter um relacionamento amoroso com ele. Substitutas/prostituição era seu recurso. A ‘substituta’ despiu-o, depois que seu cuidador o entregou à casa de um amigo para a experiência e depois chupou seu pênis, instruiu-o a beijar seus seios e, na segunda visita, conseguiu colocar seu pênis ereto em sua vagina. Não havia “terapia”, apenas as práticas usuais de prostituição.

As supostas diferenças entre prostituição e substituição são detalhadas em um documento do ‘The Sex Institute’ em Nova York (Noonan, 2002). As substitutas sexuais fornecem “terapia sexual”, como nos dizem, e são “principalmente mulheres trabalhando com homens heterossexuais”. A diferença está na intenção. Assim, “a intenção da prostituta” era “gratificar imediatamente localizado no prazer genital”, enquanto a intenção da substituta era “reeducação terapêutica de longo prazo e reorientação de capacidades inadequadas de funcionamento ou relacionamento sexual” (Noonan, 2002: 3).

Tem que haver um “terapeuta supervisor” e a “abordagem terapêutica usual é lenta e completa… Os exercícios são graduados e concentram-se na consciência corporal, relaxamento e experiências sensuais/sexuais que são principalmente não-sexuais” (Noonan, 2002: 3). Onde apropriado, a substituta também ensina “habilidades sociais vitais e padrões tradicionais de namoro, que finalmente incluem interação sexual.” (Noonan, 2002: 3) Nada disso aconteceu com Mark O’Brien acima, que parece ter conseguido a velha prostituição mesmo.

Homens com deficiência provavelmente terão dificuldades em aceder a exploração de mulheres em pornografia e prostituição devido a problemas de mobilidade ou deficiência intelectual. Nas culturas dominantes masculinas, onde essas formas de abuso de mulheres são consideradas uma expressão comum da sexualidade dos homens, surgiu o argumento de que é justo e correto que as prestadoras de cuidados de homens, incluindo enfermeiras, permitam esse acesso e, assim, garantam que os homens com deficiência tenham seus “direitos”. Isso é chamado de “sexo facilitado”.

Esse conceito cria um conflito de interesses entre homens com deficiência e suas cuidadoras, em sua maioria mulheres, que podem ter boas razões para não querer fornecer pornografia, ajudar seus pacientes a se masturbarem, levá-los em bordéis ou ajudar a posicioná-los para relações sexuais. É provável que as prestadoras de cuidados sejam mulheres migrantes pobres que não estarão em posição de se defender contra demandas de seus clientes por esses serviços (Lyon, 2006). Esse conflito não é necessariamente bem reconhecido na literatura. Assim, Sarah Earle, uma acadêmica de estudos de enfermagem do Reino Unido, critica a “preocupação primordial com risco e prevenção de abuso e exploração sexual ao custo das necessidades sexuais dos pacientes” na literatura sobre sexo e deficiência (Earle, 2001: 434).

Earle não é solidária ao fato de que cuidadoras, ou assistentes pessoais, podem não gostar do reconhecimento das ‘necessidades sexuais’ de homens com deficiência e tendem a ver seus clientes expressando ‘desejos’ em vez de ‘necessidades’ (Earle, 1999). Um artigo na Learning Disability Practice fornece uma indicação do tipo de experiência de assédio sexual em cuidadoras num ambiente no Reino Unido. O artigo explica que o “assédio sexual por usuários de serviços é visto como “parte do trabalho” em muitos centros de dia” (Parkes, 2006: 35). Um participante do grupo focal descreveu como um usuário masculino do serviço a atacou sexualmente. “Ele ficou completamente obcecado… meio que com amor/ódio, você entende o que eu quero dizer, meio que… errr masturbando, você entende o que eu quero dizer? Foi bastante estressante” (Parkes, 2006: 35).

A discussão sobre sexo facilitado no Reino Unido ocorre em um contexto em que o financiamento do governo local está “disponível para pessoas com deficiência como pagamento direto por assistência pessoal” (Earle, 2001: 436). Earle define “sexo facilitado” como “variando desde o fornecimento de informações e conselhos acessíveis até a organização da substituição” (Earle, 2001: 437). Ela pode incluir assistência para “negociar o preço ao usar os serviços de uma pessoa prostituta” (Earle, 2001: 437). Mais especificamente, pode ser necessário que uma pessoa “facilite a relação sexual entre dois ou mais indivíduos, despi-la para esse fim ou masturbá-la quando não houver outra forma de alívio disponível” (Earle, 2001: 437).

Earle usa linguagem neutra quanto ao gênero e pode estar pensando em enfermeiras masturbando homens com deficiência, uma forma de atividade indesejada e potencialmente altamente desagradável, mas dentro das expectativas comuns nas sociedades dominadas por homens de que as mulheres devem ser acessíveis aos homens e atendê-los sexualmente. Ela não comenta se seria de esperar que as enfermeiras masturbassem as mulheres com deficiência, ou se as enfermeiras esperariam fazê-lo, ou se as mulheres com deficiência desejariam esse tipo de contato. Ela não comenta se os enfermeiros gostariam de masturbar homens com deficiências ou se haveria demanda por esse serviço.

Um dos problemas aqui é que os cuidadores do sexo masculino podem usar a justificativa do sexo facilitado para abusar sexualmente de mulheres sob seus cuidados. O principal problema é que esperar que os prestadores de serviços prestem serviços sexuais aos homens é apenas outra forma de exploração sexual.

Como as mulheres em muitas ocupações desenvolvem códigos de assédio sexual e entendem que elas não precisam, como funcionários, de prestar serviços sexuais a seus chefes, colegas de trabalho ou clientes, parece que alguns defensores dos direitos das pessoas com deficiência podem estar procurando sexualizar a enfermagem e os cuidados de maneiras que estão em contradição direta com esse progresso.

Earle (2001: 438) explica que “para algumas pessoas com deficiência, o sexo facilitado não é qualitativamente diferente de outras formas de assistência, como ajuda nas necessidades de lavar, vestir e evacuar” e sugere que se “a profissão de enfermagem fosse capaz de apreciar essa falta de distinção, pode ser possível que o sexo facilitado desempenhe um papel maior na prestação de cuidados holísticos” (Earle, 2001: 438). A provisão de ‘sexo facilitado’, como masturbar homens com deficiência, enriquecerá o papel da enfermeira, argumenta Earle, oferecendo uma oportunidade para que as enfermeiras desenvolvam suas habilidades no cuidar de toda a pessoa. Além disso, a inclusão da sexualidade em uma estrutura holística seria intelectualmente e emocionalmente gratificante e “agregaria valor” ao papel da enfermeira (Earle, 2001: 439).

Na última metade do século XIX, Florence Nightingale, reconhecida como fundadora da profissão de enfermagem, trabalhou para aliviar a enfermagem do estigma da prostituição, para que ela se tornasse respeitada (Woodham-Smith, 1950). A enfermagem estava associada à prostituição porque as enfermeiras tocavam os corpos nus dos homens e as mulheres respeitáveis ​​não deveriam fazer isso. A enfermagem tornou-se uma profissão respeitada, mas no século XXI os defensores dos direitos sexuais parecem prontos, se tiverem sucesso, a tornar a prostituição parte do trabalho de uma enfermeira e desfazer todo esse bom trabalho.

Há uma contradição fundamental envolvida na maneira como a política da deficiência aborda a exploração sexual. A retórica sobre os direitos sexuais, que confere aos homens com deficiência o direito de prostituir mulheres e até exigir serviços sexuais de cuidadoras e enfermeiras, é contrariada pela necessidade de libertar as mulheres com deficiência da exploração sexual.

A prostituição e o “sexo facilitado” ensinam uma forma de sexualidade objetificada e despessoalizada a homens com deficiência, o que exige que uma mulher sofra abuso emocional e/ou físico. A questão das demandas sexuais feitas por cuidadoras pessoais é uma área que precisa muito de pesquisa feminista, para descobrir como as mulheres que são frequentemente vulneráveis ​​em virtude de desespero financeiro ou mesmo de servidão por dívida, problemas de idiomas e status ilegal estão lidando com a expectativa, em alguns casos, de que elas estejam disponíveis para serem prostituídas.

A discussão sobre deficiência e sexualidade precisa incorporar entendimentos feministas do que constitui exploração sexual e, quando apropriado, desagregar os interesses das mulheres com deficiência dos interesses dos homens com deficiência.


Nota da tradutora:

Até onde tenho conhecimento, o termo politicamente correto atualmente empregado é “diversidade funcional” (invés de deficiência). Estando ciente disso, algumas vezes esse termo é empregado quando está subentendido no contexto que se fala de condições mais amplas (como um termo guarda-chuva); contudo, como a autora usa sempre a expressão “com deficiência” (disability / disabled) no inglês, mantive os termos para ser fiel à tradução e também porque, em certos contextos, fica mais explícito que se trata de uma condição física. De modo mais geral, ao longo do texto, ambas as expressões são intercambiáveis e, note-se, utilizadas para traduzir precisamente as mesmas palavras/expressões.


Autora: Sheila Jeffreys
Publicado emWomen’s Studies International Forum”, Volume 31, Ed. 5, Setembro–Outubro 2008, Páginas 327–335

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui