Organizando em sindicatos
Créditos da foto: site Urban Guerilla

Sindicalizando mulheres e a organização autônoma feminina

Nossa experiência de nos reunirmos como mulheres trabalhadoras dentro do sindicato do trabalho começou com nossa participação nos cursos de “150 horas” sobre a condição feminina. Elas expressaram a necessidade de continuar, mesmo fora da estrutura dos cursos. Essa proposta foi amplamente apoiada pelas mulheres que já estavam dentro do sindicato e também marcou o início do Intercategorial como um encontro de mulheres: trabalhadoras, donas de casa e também mulheres desempregadas.

Desde o início, a Intercategorial foi marcada por seu contraste com a posição tradicional das comissões de mulheres nos sindicatos de trabalhadores. Nosso objetivo não era criar outra comissão de estudo sobre as “origens da opressão das mulheres”, mas reivindicar o direito de nos organizarmos de forma autônoma nos sindicatos, analisar como somos discriminadas nas fábricas e na sociedade, discutir nossos problemas entre nós antes de enfrentar o sindicato como um todo.

As mulheres da formação “150 horas” começaram a se reunir nas fábricas com outras mulheres, quase sempre fora do horário de trabalho, para enfrentarem juntas seus problemas comuns.

Graças a essas primeiras reuniões e discussões, conseguimos organizar nas fábricas assembléias dirigidas a todas as mulheres. Para a preparação da celebração do 8 de março de 1976, realizamos nossas primeiras assembleias compostas exclusivamente de mulheres, para permitir que todas as mulheres falassem sem medo de serem julgadas ou ridicularizadas pelos homens no enfrentamento das questões que até agora eram consideradas “apolíticas” ou “assuntos pessoais”.

Enquanto isso, nossa organização estava crescendo. Realizamos nossas reuniões não somente na sede central do sindicato dos trabalhadores, mas também nas filiais locais e reforçamos nossos laços com as donas de casa e as mulheres trabalhadoras dos bairros. Graças a essa organização, pudemos organizar uma reunião provincial de mulheres metalúrgicas durante a qual discutimos nossos objetivos e problemas de organização dentro das fábricas.

Um primeiro desafio à nossa capacidade de tomar iniciativas era a nossa participação na definição do conteúdo da plataforma de demandas durante as negociações sindicais nas indústrias metalúrgicas, têxteis e de energia elétrica. Levantamos questões como emprego para as mulheres, licença remunerada para a mãe e o pai quando os filhos adoeciam, qualificação profissional, etc.

Desde o início, essas novas experiências têm sido estreitamente ligadas ao movimento feminista, seu método e prática.

De fato, o mais importante que aprendemos com o movimento feminista é o método de abordagem dos problemas, de começar com a experiência pessoal para chegar a aspectos gerais que podem levar a uma definição de uma condição comum.

Através deste método derivado do movimento feminista, analisamos nossa condição de mulheres trabalhadoras, nossas relações com o trabalho e a família.

Enquanto tentávamos compreender fenômenos como a saída voluntária das mulheres do trabalho, a aceitação do trabalho em tempo parcial e do trabalho ilegal a domicílio (tudo isso que tem aumentado rapidamente na crise econômica), chegamos a perceber a pobreza da estratégia sindical que é decidida acima de nós e corresponde à tendência dominante de aceitar sacrifícios sem medidas compensatórias e que pode levar a sérios reveses para todo o movimento. Percebemos também a dificuldade de definir uma estratégia alternativa que poderíamos considerar como nossa e que poderia transformar nossas necessidades em objetivos.

Através do feminismo intercategórico, entramos pelas portas das fábricas. Aos poucos começamos a fechar a tradicional brecha entre o feminismo — marcado como burguês e ligado ao sexismo — e a emancipação.

Durante esses dois anos, em centenas de assembleias que realizamos em muitas fábricas, falamos sobre nós mesmas, sobre nossos problemas específicos, sobre o aborto, sobre as categorias de trabalho às quais estamos confinadas, sobre os serviços sociais que estão se tornando cada vez mais escassos, sobre os consultores, sobre saúde. Centenas de mulheres que a priori rejeitavam o feminismo cresceram conosco e, muitas vezes, foram para as ruas conosco.

Há ainda muitas questões em aberto para resolver, é claro. Primeiramente, o problema de definir mais precisamente essa estrutura que hoje se encontra organizando muitos setores diferentes de mulheres — politizadas e não politizadas, sindicalizadas e não sindicalizadas, desempregadas e donas de casa — que têm necessidades diferentes em vários níveis.

Depois, há o problema da nossa relação com o sindicato dos trabalhadores. Inicialmente, o sindicato apenas observou e tolerou, ao invés de reprimir, pois foi em seu benefício que um grupo de mulheres estimulou a participação mais ativa das mulheres nas atividades do sindicato de trabalhadores. Hoje, existe a tentativa de cooptar nossa organização na lógica tradicional dos antigos grupos de estudo e comissões de mulheres.

Através da Intercategorial, conseguimos encontrar não apenas uma nova maneira de nos organizarmos em nossos locais de trabalho e no sindicato, mas também de pressionar o sindicato e todas as suas estruturas a assumirem as questões apresentadas pelo movimento de mulheres para que o sindicato comece a questionar seu próprio funcionamento interno e sua resposta a questões como autonomia, democracia interna e a participação real do posto e do arquivo em suas decisões.

Texto das mulheres da Intercategorial de Turim, Itália, apresentado no Encontro Internacional Feminista/Socialista em Paris, em maio de 1977.

Traduzido do site Feminist Archives por Aline Rossi

Leia mais sobre o tema:

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui